Paulo Abi-Ackel

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: ABI-ACKEL, Paulo
Nome Completo: Paulo Abi-Ackel

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
ABI-ACKEL, IBRAHIM

ABI-ACKEL, Paulo

*dep. fed. MG 2007-2011; 2011-

 

Paulo Abi-Ackel nasceu em Belo Horizonte no dia 21 de junho de 1963, filho de Ibrahim Abi-Ackel e Jacéa Cahú Abi-Ackel. Seu pai foi deputado federal por Minas Gerais (1975-1980 e 1989-2006) e ministro da Justiça (1980-1985) no governo do general João Batista Figueiredo.

Estudou no Instituto Padre Machado em Belo Horizonte e posteriormente transferiu-se para o Colégio São Paulo, em Brasília. Formou-se em direito pela Faculdade de Direito Milton Campos de Belo Horizonte e fez um MBA em direito empresarial na Faculdade Ibmec Minas Gerais. Atuou como advogado e foi um dos sócios fundadores do escritório de advocacia Abi-Ackel Advogados Associados. Em 1986 filiou-se ao Partido Democrático Social (PDS) e, em 2000, ao Partido Trabalhista Brasileiro (PTB). Entre 2004 e 2005 foi juiz do Tribunal Eleitoral de Minas Gerais.

Em 2006 filiou-se ao Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) e nessa legenda candidatou-se a deputado federal por Minas Gerais. Eleito com 126 mil votos, tomou posse na Câmara dos Deputados em fevereiro de 2007. Participou da Comissão de Minas e Energia como titular e foi suplente da Comissão de Defesa do Consumidor. Foi também primeiro vice-presidente do PSDB-MG, vice-líder de seu partido e primeiro vice-líder da minoria na Câmara dos Deputados. Em setembro de 2007 votou contra a prorrogação até 2011 da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), criada em 1996 como fonte suplementar de recursos para a área da saúde.

Nas eleições de 2010 reelegeu-se deputado federal, com 105.422 votos. No novo mandato, iniciado em Fevereiro de 2011, foi líder da minoria na Câmara dos Deputados e, como parte de suas atividades parlamentares, chegou à presidência da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática.  Ainda em 2011, atuou pela aprovação do Projeto de Lei nº 2565/2011, que estabelecia novas regras de divisão dos lucros obtidos da exploração do petróleo, distribuindo-os para todos os estados e municiípios da federação. O projeto, aprovado na Câmara e no Senado, foi vetado pela presidente Dilma Rousseff em 2012, mas o veto presidencial acabou derrubado em votação realizada no Congresso em Março de 2013.

Casou-se com Janaína Ortiga.

 

FONTES: Portal da Câmara dos Deputados. Disponível em: <http://www.camara.gov.br>. Acesso em 10/02/2014; Portal G1 de Notícias. Disponível em:  <http://www.g1.globo.com/politica>. Acesso em 10/02/2014.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados