Alberto Pereira Mourão

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: MOURÃO, Alberto
Nome Completo: Alberto Pereira Mourão

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:

MOURÃO, Alberto

* dep. fed. SP 1999-2000; 2011-2012

 

Alberto Pereira Mourão nasceu em São Paulo (SP) no dia 26 de abril de 1954, filho de Diamantino Cruz Ferreira Mourão e Idalina da Conceição Pereira.

Bacharel em direito pela Faculdade Católica de Direito de Santos (UniSantos), curso que frequentou entre 1979 e 1982, cursou também formação técnica em Contabilidade pelo Colégio Tarquínio Silva, em Santos (SP), no ano de 1972. Profissionalmente, atuou como empresário da construção civil e sócio proprietário de uma construtora.

Filiou-se ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) em 1981 e iniciou sua carreira política nas eleições de 1982 como candidato a vereador de Praia Grande (SP). Durante o mandato que se estendeu de 1983 a 1988 presidiu diversas comissões, tais como a comissão especial sobre a falta de cartórios na Comarca de Praia Grande, a comissão especial sobre Instalação de Indústrias no Município, a comissão especial para reformulação do regimento interno, a comissão especial sobre saneamento básico, a comissão especial sobre transporte coletivo. E chegou à presidência daquela Casa..

Em 1987, desligou-se do PMDB e no ano seguinte filiou-se ao Partido Liberal (PL), legenda pela qual foi eleito vice-prefeito de Praia Grande na chapa de Dorivaldo Dozinho Loria Júnior, em 1988. Empossado no ano seguinte, ainda conciliou o cargo com a secretaria municipal de educação, entre os meses de Janeiro e Setembro.

Descredenciou-se do PL em 1990 e retornou ao PMDB em 1991. Por esta legenda concorreu no ano seguinte pela primeira vez à Prefeitura de Praia Grande e foi eleito. Cumpriu o mandato inteiro, de 1993 a 1996, e elegeu seu sucessor, o então vice-prefeito Ricardo Yamauti com 85% dos votos válidos.

Entre 1997 e 1999 presidiu o PMDB de Praia Grande, legenda pela qual foi eleito deputado federal em 1998 com 122.734 votos e da qual foi membro da Executiva Estadual. Assumiu a cadeira no plenário da Câmara, onde atuou na Comissão de Viação e Transportes e na Comissão Especial que discutiu projetos de Reforma Tributária, além de ter presidido a Subcomissão de Aeroportos, no âmbito daquela Comissão Permanente. Renunciou, porém, em Dezembro de 2000, após ter sido novamente eleito prefeito de Praia Grande, então com 67.582 votos, correspondentes a 70% dos votos válidos.

Deixou o PMDB em maio de 2003 e filiou-se ao PSDB, no qual foi Coordenador Regional na Baixada Santista de 2005 a 2010. Desde 2006, integrou a Executiva Estadual partido, pelo qual inclusive foi reeleito prefeito de Praia Grande em 2004, novamente com votação correspondente a cerca de 70% do total válido. Após cumprir todo o mandato, de 2005 a 2008, elegeu novamente seu sucessor, Roberto Francisco dos Santos, para o executivo municipal.

Em 2008, teve seu nome citado em uma investigação da Polícia Federal denominada Operação Santa Tereza que descobriu o envolvimento de empresários, advogados, servidores públicos em um esquema de desvio de verbas do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) oriundas de dois financiamentos que haviam sido autorizados e liberados no início daquele ano, no valor de R$ 130 milhões e R$ 220 milhões. Com autorização da Justiça, foram interceptados diálogos entre Alberto Mourão e integrantes do esquema nos quais o prefeito de Praia Grande autorizava o desvio de 2% da verba de um financiamento de R$ 130 milhões do BNDES destinado à prefeitura. Por isso, foi denunciado no processo sobre o caso que envolveu ainda o deputado do Partido Democrático Trabalhista (PDT), Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força.

Nas eleições de 2010, candidatou-se novamente à Câmara dos Deputados e obteve 104.433 votos, suficientes apenas para o posto de quinto suplente da coligação. Ainda assim, assumiu o mandato parlamentar em 14 de fevereiro de 2011. E, no ano seguinte, concorreu novamente ao cargo de prefeito de Praia Grande, para o qual foi eleito, tendo deixado o Legislativo para assumir então seu quarto mandato naquela prefeitura.

Presidiu o Comitê da Bacia Hidrográfica da Baixada Santista, em Santos (SP), em 1997 e em 2003. Foi vice-presidente e presidente da Associação Comercial de Praia Grande e provedor da Santa Casa de Praia Grande.

Recebeu a Medalha Tiradentes por concessão da Sociedade Brasileira de Estudos Municipalistas, de São Paulo. Do Fundo das Nações Unidas para a Infância (a UNICEF), recebeu o Prêmio Criança e Paz, em São Paulo. Entre outros, recebeu ainda a Láurea Cruz Igualdade, Liberdade e Fraternidade da Ordem Internacional dos Jornalistas, no Rio de Janeiro (RJ).

Casado com Maria Del Carmen Padin Mourão, teve duas filhas.

 

Letícia Nunes de Moraes

 

FONTES: Portal da Câmara dos Deputados. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/>. Acesso em 19/12/2013; Portal da prefeitura de Praia Grande. Disponível em: <http://www.praiagrande.sp.gov.br/>. Acesso em 28/02/2014; Portal do jornal O Estado de S. Paulo. Disponível em: <http://www.estadao.com.br/>. Acesso em 28/02/2014; Portal do Ministério Público Federal. Disponível em: <http://noticias.pgr.mpf.mp.br/noticias/>. Acesso em 28/02/2014; Portal do Tribunal Superior Eleitoral. Disponível em: <http://www.tse.jus.br/>. Acesso em 28/02/2014.


Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados