Solange Pereira de Almeida

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: ALMEIDA, Solange
Nome Completo: Solange Pereira de Almeida

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
ALENCAR, Chico

ALMEIDA, Solange


*dep. fed. RJ 2007, 2011


 

Solange Pereira de Almeida nasceu em Porto Alegre no dia 26 de fevereiro de 1961, filha de Vinícius de Almeida e de Zuleika Pereira de Almeida.

Iniciou os estudos primários em sua cidade natal e prosseguiu-os no Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro. Concluiu o ensino médio em 1978, no Colégio Bahiense. Mais tarde ingressou no curso de medicina veterinária da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e graduou-se em 1985.

Ingressou na vida pública em 1988, quando se filiou ao Partido da Mobilização Nacional (PMN) e se elegeu vereadora constituinte na cidade de Rio Bonito (RJ). Em 1992, deixou o PMN, filiou-se ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) e reelegeu-se vereadora naquela cidade. Ainda durante o segundo mandato, em 1995, trocou o PMDB pelo Partido da Frente Liberal (PFL) – atual Democratas (DEM).

No pleito de outubro de 1996, candidatou-se à prefeitura de Rio Bonito, tendo vencido as eleições contra Aires Abdalla Helayel (PMDB), que ficou em segundo lugar. Em 2000, deixou o PFL e ingressou nas fileiras do Partido Verde (PV). No mesmo ano, concorreu à reeleição nessa legenda, em uma coligação que incluía ainda seu ex-partido, o PFL, o Partido Progressista Brasileiro (PPB), o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) e o Partido Comunista do Brasil (PC do B). Eleita ainda no primeiro turno para um novo mandato à frente da prefeitura de Rio Bonito, obteve 10.260 votos.

Durante o exercício do cargo, fez pós-graduação em políticas públicas na Escola de Políticas Públicas e Governo da Universidade Cândido Mendes (Ucam), no Rio de Janeiro, entre 2002 e 2003. Em 2004, deixou o PV e retornou ao PMDB. No ano seguinte, foi nomeada presidente do Instituto Vital Brazil, em Niterói (RJ), pela então governadora Rosinha Garotinho (PMDB).

No pleito de outubro de 2006, foi eleita deputada federal pelo estado do Rio de Janeiro na legenda peemedebista. Pouco antes de ser empossada, o Ministério Público do Estado do Rio denunciou-a por suposta compra de votos. A denúncia foi apresentada com base na apreensão realizada pela Justiça Eleitoral, no dia da eleição, de uma lista com nomes de eleitores, “santinhos” e a importância de três mil reais em dinheiro, sob posse de um de seus cabos eleitorais em Silva Jardim (RJ). Ainda assim, em fevereiro de 2007 assumiu o mandato e tornou-se membro da Comissão de Seguridade Social e Família.

Poucos dias depois de sua posse, teve o mandato cassado pelo Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ), por três votos a dois. Em atendimento ao recurso que impetrou, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) lhe concedeu liminar favorável até o julgamento do processo. Em janeiro de 2008, foi ainda acusada e multada pelo Tribunal de Contas do Estado do Rio (TCE-RJ) por irregularidades nos procedimentos na compra de unidades médicas móveis quando esteve à frente da prefeitura de Rio Bonito. Em outubro de 2008, o TSE ratificou a decisão do TRE e manteve a cassação de seu mandato de deputada federal. Mais uma vez apresentou recurso contra a decisão, que até 2009 ainda tramitava sem o julgamento final.

Nas eleições de outubro de 2008, disputou o cargo de vice-prefeita de Rio Bonito, na chapa encabeçada por Reginaldo Ferreira Dutra, do Partido da República (PR), e foi derrotada por José Luís Alves Antunes, do DEM. No pleito de 2010, concorreu ao mandato de deputada federal, pelo PMDB, mas não se elegeu.

Em 2010, o Supremo Tribunal Federal (STF), por maioria de votos, arquivou denúncia contra Solange Almeida, presente no Inquérito nº 2.664 instaurado pelo Ministério Público Federal, pela acusação de desvio de dinheiro público em Rio Bonito.

Entre março e novembro de 2011, assumiu como suplente do deputado federal peemedebista Pedro Paulo Carvalho Teixeira, que se licenciou para ocupar o cargo de secretário-chefe da Casa Civil do Rio de Janeiro, nomeado pelo governador do estado, Sérgio Cabral (2007-). Integrou, como titular, a Comissão Permanente de Constituição, Cidadania e Justiça, e a Comissão Especial de Educação sem Uso de Castigos Corporais.

Elegeu-se prefeita de Rio Bonito no pleito eleitoral de 2012, pelo PMDB, com 45,3% dos votos.

Casou-se com Carlos Henrique Minardi Pereira, com quem teve uma filha.

 


FONTES: Folha de S. Paulo (14/05/2006, 21/10/2006, 11/02/2007 e 10/12/2007); Portal do Blog MK. Disponível em: <http://marcioimprensa.blogspot.com.br>. Acesso em 05/01/2008; Portal do Blog da Solange Almeida. Disponível em: <https://deputadasolangealmeida.wordpress.com> . Acesso em 03/12/2013; Portal da Câmara dos Deputados. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br>. Acesso em03/12/2013; Portal Políticos & Políticas. Disponível em: <http://politicos.br101.org>; Portal do PMBD. Disponível em: <http://pmdb-rj.org.br/novo>. Acesso em 03/12/2013; Portal do STF. Disponível em <http://www.stf.jus.br/portal/principal/principal.asp>. Acesso em 03/12/2013; Portal do TSE. Disponível em: <http://www.tse.gov.br>. Acesso em 03/12/2013. AZEVEDO, F. Entrevista; DEPUTADA; FURTADO, S. Quem;

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados