ANGELO NOLASCO DE ALMEIDA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: NOLASCO, Ângelo
Nome Completo: ANGELO NOLASCO DE ALMEIDA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
NOLASCO, ÂNGELO

NOLASCO, Ângelo

*militar; min. Mar. 1961-1962.

 

Ângelo Nolasco de Almeida nasceu no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, no dia 13 de dezembro de 1905, filho de Teófilo Nolasco de Almeida, oficial de Marinha e engenheiro civil, e de Zulmira Mascarenhas de Almeida.

Após cursar o Ateneu Bôscoli e a Escola de Humanidades, sentou praça em março de 1923 ingressando na Escola Naval, da qual saiu guarda-marinha em janeiro de 1927. Em março e abril serviu no cruzador Bahia e em setembro foi promovido a segundo-tenente, embarcando no mês seguinte no encouraçado Minas Gerais. Em outubro de 1929 foi promovido a primeiro-tenente e designado para o contratorpedeiro Pará, no qual permaneceu até fevereiro de 1930.

Após a Revolução de 1930, que conduziu Getúlio Vargas ao poder, serviu nos contratorpedeiros Pará e Paraíba, de fevereiro a março de 1931, e no cruzador Rio Grande do Sul, de março a abril seguintes. Neste último mês foi designado para o encouraçado São Paulo, no qual ficou até dezembro, quando foi nomeado ajudante-de-ordens do diretor do Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro. Em 1932 participou das operações navais de repressão à Revolução Constitucionalista, movimento armado de oposição ao governo Vargas, deflagrado em São Paulo em julho e sufocado no início de outubro pelas forças legalistas.

Promovido a capitão-tenente em novembro de 1932, ainda nesse mês deixou o Arsenal de Marinha, voltando a servir no cruzador Rio Grande do Sul, de janeiro de 1933 a maio de 1934, e no encouraçado São Paulo, entre julho e setembro deste último ano. Em março de 1937 foi designado chefe de máquinas do contratorpedeiro Piauí, no qual exerceu também as funções de imediato, de abril a junho de 1938. De janeiro de 1939 a fevereiro de 1943 foi ajudante-de-ordens do presidente Getúlio Vargas e depois subchefe interino do Gabinete Militar da Presidência da República, tendo passado a capitão-de-corveta no exercício deste último cargo.

Em março de 1943 foi nomeado adido naval junto às embaixadas do Brasil na Argentina e no Uruguai, função que desempenhou por pouco mais de um ano. De volta ao Brasil, foi designado em junho imediato do navio tênder Belmonte, no qual serviu até março de 1946. Do mês seguinte a janeiro de 1947 comandou o contratorpedeiro Beberibe, tendo ocupado simultaneamente, de setembro a outubro de 1946, o comando interino da 2ª Flotilha de Contratorpedeiros. Em março de 1947 tornou-se secretário da chefia do Departamento Administrativo da Escola de Guerra Naval, em dezembro do mesmo ano foi promovido a capitão-de-fragata e, de maio a junho de 1948, ocupou a chefia daquele departamento.

De janeiro de 1949 a abril de 1951, foi chefe da Divisão Militar do Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro. Nesse período, ainda em fevereiro de 1951, foi designado subchefe do gabinete do ministro da Marinha, almirante Renato Guillobel, cargo que ocupou até maio de 1952, quando passou a chefe de gabinete. Em março de 1953 foi promovido a capitão-de-mar-e-guerra e em junho de 1954 deixou suas funções para servir como adido naval da embaixada do Brasil na Espanha. Em novembro de 1955 retornou ao Rio de Janeiro e foi nomeado chefe do estado-maior do I Distrito Naval (DN), sediado no Rio de Janeiro, onde permaneceu até abril de 1956. Em maio seguinte foi nomeado capitão-dos-portos do estado de São Paulo, cargo que deixou em agosto de 1957, um mês antes de assumir o comando do navio-transporte Barroso Pereira.

Em janeiro de 1959 foi promovido a contra-almirante e designado subchefe para informações e operações do Estado-Maior da Armada (EMA). Posteriormente, ocupou a presidência da Comissão de Marinha Mercante, retornando em abril de 1961 às suas funções no EMA, que exercia no dia 25 de agosto, quando o presidente Jânio Quadros renunciou.

Aprovada a Emenda Constitucional nº 4 e empossado João Goulart na presidência da República no dia 7 de setembro de 1961, ainda nesse mês Ângelo Nolasco foi nomeado ministro da Marinha do primeiro gabinete parlamentarista, chefiado por Tancredo Neves. Em abril de 1962, no exercício do cargo, foi promovido a vice-almirante, tendo permanecido no ministério até 26 de junho seguinte, quando todo o gabinete renunciou em virtude da radicalização da crise política no país.

Após sair do Ministério da Marinha, onde foi substituído pelo almirante da reserva Heitor Doyle Maia, Ângelo Nolasco integrou o Conselho do Almirantado, como membro conselheiro, e foi nomeado delegado da Marinha na Junta Interamericana de Defesa, em Washington, e assessor do embaixador brasileiro junto à Organização dos Estados Americanos (OEA), Ilmar Pena Marinho. Em dezembro de 1965, já após o movimento político-militar de 1964 e durante o governo do marechal Humberto Castelo Branco, ao ser preterido na promoção a almirante, pediu transferência para a reserva, sendo promovido, concomitantemente, a almirante-de-esquadra e a almirante.

Em 1986, concedeu entrevista ao setor de história oral do Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (Cpdoc) da Fundação Getulio Vargas do Rio de Janeiro.

Durante sua carreira militar, fez ainda os cursos de especialização em máquinas para oficiais, preliminar de comando e superior da Escola de Guerra Naval.

Faleceu no Rio de Janeiro, no dia 8 de julho de 1996.

Era casado com Neusa Saya Nolasco de Almeida. Não teve filhos.

 

FONTES: CORRESP. SERV. DOC. GER. MAR.; CURRIC. BIOG.; Encic. Mirador; ENTREV. BIOG.; Grande encic. Delta; MIN. MAR. Almanaque (1965); PEIXOTO, A. Getúlio; SERV. DOC. GER. MARINHA.

 

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados