Neide Aparecida da Silva

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: APARECIDA, Neide
Nome Completo: Neide Aparecida da Silva

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
APARECIDA, Neide

APARECIDA, Neide


*dep. fed. GO 2003-2007

 

Neide Aparecida da Silva nasceu em Quirinópolis (GO) no dia 6 de setembro de 1952, filha de Antonio Alves da Silva e Anésia Naves da Silva.

Em 1976 tornou-se professora de ensino de 1º e 2º graus da Secretaria Estadual de Educação de Quirinópolis.  Em 1978, ingressou na Faculdade de Filosofia de Rio Verde, em Rio Verde (GO), e concluiu o curso em 1981. Em 1983, cursou pós-graduação em orientação educacional, na Fundação Educacional Severino Sombra, em Vassouras (RJ). De 1984 a 1985, deu aula na Faculdade de Ensino Superior de Rio Verde.

Em 1985, filiou-se ao Partido dos Trabalhadores (PT). De 1997 a 2001, foi diretora executiva do Diretório Metropolitano do partido em Goiânia, e de 2001 a 2003, ocupou o cargo de diretora executiva do Diretório Regional do PT em Goiânia.

No pleito de 2002, elegeu-se deputada federal pelo estado de Goiás, na legenda do PT, para a legislatura de 2003 a 2007. Nesta legislatura, tornou-se vice-líder do PT na Câmara dos Deputados, e foi titular das comissões permanentes de Direitos Humanos; Educação e Cultura, da qual foi presidente, e de várias comissões especiais, entre elas, as relativas ao Programa Universidade para Todos,  e à Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste (SUDECO).

Em setembro de 2005, seu nome figurou na lista da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Correios, que indicava o seu escritório em Goiânia como uma das bases de operação de Delúbio Soares, ex-tesoureiro do PT, acusado de envolvimento em um esquema de remessas de dinheiro do partido, cujo destino seria o pagamento de parlamentares da base aliada do governo, em troca de apoio político, esquema que ficou popularmente conhecido como “mensalão”. Neide Aparecida foi acusada por crime de falsidade ideológica pelo procurador-geral da República, Antônio Fernando de Souza, segundo o qual, durante sua gestão como presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Goiás (Sintego), Neide teria falsificado as declarações de freqüência de Delúbio Soares para que ele continuasse a receber o salário de professor, mesmo sem ter trabalhado. De 1994 a 1995 e de 2001 a janeiro de 2005, Delúbio teria recebido, indevidamente, salário mensal de aproximadamente mil reais.

Em abril de 2006, Neide Aparecida que era suplente da deputada Ângela Guadagnin no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, foi nomeada para ocupar o lugar da titular que fora afastada , acusada de ferir o decoro parlamentar ao dançar no plenário da Câmara comemorando a absolvição do deputado João Magno (PT), acusado de envolvimento no esquema do “mensalão”. A atuação de Neide Aparecida no Conselho de Ética, ao longo do processo de julgamento dos envolvidos no “mensalão”, seguiu a linha dotada por Ângela Guadagnin, caracterizando-se por defender os deputados acusados de envolvimento com o “mensalão” e por provocar atraso nas votações dos pedidos de cassação, por meio de pedidos de vista dos processos.

Em setembro de 2007, foi nomeada pelo Conselho de Ética como relatora do processo contra a deputada Almerinda de Carvalho, do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB-RJ), acusada de envolvimento na chamada “máfia das ambulâncias”, esquema de fraude em que eram compradas ambulâncias superfaturadas com dinheiro de emendas ao orçamento.

No pleito de outubro 2006, Neide Aparecida candidatou-se novamente à Câmara dos Deputados pelo estado de Goiás, na legenda do PT, mas obteve apenas uma suplência. Deixou a Câmara dos Deputados em 2007, após o final do seu mandato.

Em 2009, foi nomeada secretária Municipal de Desenvolvimento Econômico de Goiânia, na gestão do prefeito Íris Resende (2005-2010) Deixou o posto em 2011, quando passou a ocupar a Secretaria Municipal de Educação.

 

 FONTES: Portal da Câmara dos Deputados. Disponível em: <http://www2.camara.gov.br>. Acesso em 11/11/2009; Portal da Câmara dos Deputados. Disponível em: <http://www2.camara.gov.br>.  Acesso em 28/12/2009; Portal do Jornal O Estado do Paraná. Disponível em: <http://www.parana-online.com.br>. Acesso em 28/12/2009. Portal da Prefeitura de Goiânia. Disponível em: <http://www.goiania.go.gov.br>. Acesso em 03/06/2013; Portal da Revista Isto É. (7/2005 e 28/6/2006). Disponível em: <http://www.terra.com.br/istoe/>. Acesso em 11/11/2009; Portal da Revista Veja. Disponível em: <http://veja.abril.com.br>. Acesso em: 28/12/2009; Portal do TSE. Disponível em: <http://www.tse.gov.br>. Acesso em 11/11/ 2009.

 


Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados