Edson Aparecido dos Santos

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: APARECIDO, Edson
Nome Completo: Edson Aparecido dos Santos

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
SANTOS, Edson Aparecido dos

APARECIDO, Edson


*dep. fed. SP 2007-


 

Edson Aparecido dos Santos nasceu na cidade de São Paulo no dia 15 de setembro de 1957, filho de Teresinha de Jesus Santos e de José Ursino dos Santos.

Iniciou sua trajetória política na década de 1970, no movimento estudantil secundarista de oposição ao regime militar. Graduou-se em História na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), e durante os anos de faculdade participou da reorganização do diretório estudantil da PUC-SP e da União Nacional dos Estudantes (UNE).

Sua militância partidária começou em 1977, no Partido Comunista do Brasil (PC do B), então na ilegalidade, ao qual se manteve ligado até 1985. Nesse período ingressou também no Movimento Democrático Brasileiro (MDB), partido de oposição à ditadura militar. Com a reorganização partidária ocorrida a partir de 1979, permaneceu vinculado ao PMDB, sucessor do MDB. Em 1988, quando uma cisão no PMDB deu origem ao Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), foi um dos fundadores dessa agremiação.

Em 1989 participou da coordenação da campanha de Mário Covas, do PSDB, para a presidência da República, e em 1990 voltou a colaborar com Covas em sua campanha para o governo do estado de São Paulo, ambas malsucedidas. Entre 1991 e 1993 foi secretário geral do PSDB de São Paulo e desse ano a 1997 foi vice-presidente do partido por dois mandatos consecutivos. Em 1994 – mesmo ano em que Fernando Henrique Cardoso foi eleito presidente da República e Mário Covas foi eleito governador de São Paulo – foi coordenador da campanha vitoriosa de José Serra para o Senado Federal. Assessor político do ministro das Comunicações Sérgio Motta de 1995 a 1997, foi um dos principais interlocutores do Ministério das Comunicações junto ao Congresso Nacional durante o processo de aprovação da Lei Geral das Telecomunicações, que resultou na privatização da Banda B da telefonia celular. Em 1998, foi eleito presidente do diretório estadual do PSDB de São Paulo. Também nesse ano foi eleito deputado estadual, no mesmo pleito em que Mário Covas foi reeleito governador do estado.

Em março de 1999 assumiu o mandato e logo se destacou como vice-líder do governo Covas na Assembleia Legislativa. Ainda em 1999, presidiu a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Telefônica, instalada para investigar as causas da queda na qualidade dos serviços prestados, sob concessão, pela Telefônica (antiga Telesp) no estado de São Paulo. Em 2001 foi reeleito, até 2003, presidente do diretório estadual do PSDB.

Em 2002, foi um dos coordenadores da campanha vitoriosa de Geraldo Alckmin, também do PSDB, para governador de São Paulo, e foi reeleito deputado estadual. Iniciou novo mandato em fevereiro de 2003, e nesse mesmo ano tornou-se presidente do diretório municipal do PSDB de São Paulo, com mandato de dois anos. Como líder do governo de 2005 a 2006, teve um papel fundamental de interlocução com a Assembleia para a aprovação de projetos do Executivo, como por exemplo o fim do ICMS para pão, massas e biscoitos, a nova Lei da Cultura, o apoio à microempresa, a punição aos postos de combustível que vendessem gasolina adulterada e o bônus da educação.

Em 2006, foi eleito deputado federal por São Paulo. Assumiu o mandato em fevereiro de 2007 e ao longo da legislatura foi membro Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania, e da Comissão Permanente de Fiscalização Financeira e Controle, e suplente das comissões de Seguridade Social e Família, de Minas e Energia, de Viação e Transporte, e de Relações Exteriores e de Defesa Nacional. Participou também de várias comissões especiais. Foi também vice-presidente do diretório nacional do PSDB entre 2007 e 2010, e vice-líder de seu partido na Câmara dos Deputados de 3 de junho de 2009 a 12 de março de 2010.

No dia 1° de janeiro de 2011, licenciou-se de seu mandato de deputado federal, para assumir a Secretaria de Desenvolvimento e Gestão Metropolitana do Estado de São Paulo, durante o governo de Geraldo Alckmin (PSDB). No mesmo ano, tomou posse de um novo mandato como deputado federal no dia 1° de fevereiro, para a Legislatura 2011-2015, licenciando-se dois dias depois para assumir o mesmo cargo de Secretário de Estado de São Paulo. Durante a sua gestão, foi aprovado pela Assembléia Legislativa, em maio daquele ano, um projeto de lei voltado à reorganização da Região Metropolitana do estado, de modo a promover soluções conjuntas entre as cidades da Grande São Paulo.

No dia 13 de junho de 2012, reassumiu o seu mandato de deputado federal, mas licenciou-se novamente em novembro para encabeçar a Secretaria de Desenvolvimento Metropolitano. No dia 17 do mesmo ano, porém, desligou-se da função para chefiar a Casa Civil do mesmo estado, nele permanecendo até julho de 2014, quando se afastou para coordenar a campanha de Geraldo Alckmin à reeleição para o governo de São Paulo. Para tanto, Edson Aparecido abriu mão de se candidatar à reeleição para mais um mandato como deputado federal, de modo a se dedicar plenamente à campanha de seu aliado político.

No dia 1° de janeiro de 2015, foi novamente empossado na Casa Civil de São Paulo pelo governador reeleito, Geraldo Alckmin, permanecendo neste cargo até a atualidade.

Em março de 2015 casou-se com Katia Silveira.

 

Leandro Batista Pereira

 

FONTE: CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (2011-2015); Diário do Grande ABC (11/06/2012); Folha de S. Paulo (02/03/2015); Portal Ass. de Imp. da Agência Metropolitana da Baixada Santista. Disponível em: <agem.sp.gov.br/>. Acesso em 20/07/2015; Portal da Câmara dos Deputados. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br>; Portal G1 de Notícias. Disponível em: <http://g1.globo.com/index.html>. Acesso em 15/07/2014 e 19/12/2014.

 


Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados