ARNALDO DE CASTRO NOGUEIRA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: NOGUEIRA, Arnaldo
Nome Completo: ARNALDO DE CASTRO NOGUEIRA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
NOGUEIRA, ARNALDO

NOGUEIRA, Arnaldo

*dep. fed. GB 1963-1970.

 

Arnaldo de Castro Nogueira nasceu em Franca (SP) no dia 6 de setembro de 1920, filho de Adelino Nogueira — um dos líderes da campanha de Armando de Sales Oliveira para a presidência da República em 1937 — e de Amélia de Castro Nogueira.

Formou-se em 1944 pela Faculdade de Ciências Econômicas Álvares Penteado, na capital paulista. Ainda em 1944 começou a trabalhar em Londres como tradutor e comentarista da rede de rádio e televisão inglesa BBC, onde esteve durante quatro anos. De volta ao Brasil, passou a apresentar na televisão o programa Falando francamente, que obteve grande audiência.

Vereador da União Democrática Nacional (UDN) à Câmara Municipal do Distrito Federal a partir de 1955, reelegeu-se em 1958. Em 1960, quando da transferência da capital do país para Brasília, participou dos trabalhos de constituição do novo estado da Guanabara e em dezembro elegeu-se deputado constituinte estadual na legenda da UDN. Após a promulgação da Carta estadual, permaneceu no exercício do mandato ordinário, exercendo até 1962 a presidência da UDN carioca.

No pleito de outubro de 1962 elegeu-se deputado federal pela Guanabara na legenda da UDN. Deixou a Assembleia Legislativa em janeiro e foi empossado na Câmara no mês seguinte. Deposto o presidente João Goulart pelo movimento político-militar de 31 de março de 1964, foi o único parlamentar udenista a votar contra a prorrogação do mandato do presidente Humberto Castelo Branco, aprovada em julho do mesmo ano pelo Congresso Nacional. Após a extinção dos partidos políticos pelo Ato Institucional nº 2 (27/10/1965) e a posterior instauração do bipartidarismo, filiou-se à Aliança Renovadora Nacional (Arena), partido de sustentação ao regime militar.

Concorreu à reeleição na legenda da Arena em novembro de 1966 e obteve a segunda suplência. Encerrou o mandato em janeiro de 1967, e voltou à Câmara de junho do mesmo ano a julho de 1970. Nas eleições de novembro desse ano obteve de novo uma suplência, mas não exerceu o mandato na legislatura 1971-1975.

Foi diretor-geral da Rádio Nacional do Rio de Janeiro. Também dirigiu a sucursal de O Globo, em Brasília.

Faleceu em Brasília no dia 11 de agosto de 2006.

Casado com Maria Aparecida do Carmo Nogueira, teve cinco filhos.

Publicou Falando francamente – Memórias de Arnaldo Nogueira (2006)

 

FONTES: CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1967-1971); Jornal do Brasil (28/10/66 e 12/6/77); MIS-Franca; NÉRI, S. 16; TRIB. SUP. ELEIT. Dados (6, 8 e 9).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados