AUDALIO FERREIRA DANTAS

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: DANTAS, Audálio
Nome Completo: AUDALIO FERREIRA DANTAS

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
DANTAS, Audálio

DANTAS, Audálio 

* jornalista; dep. fed. SP 1979-1983.

 

Audálio Ferreira Dantas nasceu em Tanque d'Arca (AL) no dia 8 de julho de 1929, filho de Otávio Martins Dantas e de Rosalva Ferreira Dantas.

Filho de pequenos comerciantes, transferiu-se em 1936 para São Paulo onde trabalhou, aos 15 anos, como balconista de padaria. Iniciou sua carreira de jornalista aos 21 anos, trabalhando no laboratório fotográfico da Folha de São Paulo, sendo logo transferido para a redação, e mais tarde nas revistas O Cruzeiro, Quatro Rodas e Realidade, já nos anos 1960. Atuante no Sindicato dos Jornalistas desde 1965, em 1967 foi membro da Comissão de Liberdade de Imprensa, de oposição à diretoria do sindicato, e que lutava contra a rígida Lei de Imprensa implantada pelo regime militar instaurado no país a partir de abril de 1964.

Em 1975, enfrentando acusação e ameaças, elegeu-se presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo. Logo após a sua posse, iniciou uma luta pela liberdade de informação, protestando junto ao II Exército contra as prisões e outros atos arbitrários que atingiam a categoria, e que culminaram na morte do jornalista Vladimir Herzog em outubro de 1975 nas dependências do Departamento de Operações Internas do Centro de Operações e Defesa Interna (DOI-CODI). Nessa ocasião, atuou como porta-voz de seus colegas jornalistas, ganhando projeção nacional. Neste cargo conquistou benefícios para a categoria, como o aumento do piso salarial. Deixou a presidência do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de São Paulo em 1977, ao término do mandato.

No pleito de novembro de 1978 candidatou-se a deputado federal pelo estado de São Paulo, na legenda do Movimento Democrático Brasileiro (MDB), partido de oposição ao regime militar, elegendo-se com quase 60 mil votos. Assumiu sua cadeira na Câmara em fevereiro de 1979 e passou a defender o restabelecimento das liberdades democráticas, o pluripartidarismo, a anistia, a convocação da Assembléia Nacional Constituinte, o respeito aos direitos humanos e o combate à corrupção. Foi vice-líder da oposição ao governo do presidente João Batista Figueiredo (1979-1985).

Com a extinção do bipartidarismo e a conseqüente reformulação partidária, participou da comissão organizadora do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), agremiação que sucedeu o MDB. Nessa legislatura foi membro titular das comissões de Trabalho e Legislação Social e de Redação, e suplente da de Comunicação. Candidato à reeleição no pleito de novembro de 1982, obteve uma suplência. Deixou a Câmara dos Deputados em janeiro de 1983, ao final da legislatura.

Retornando às suas atividades de jornalista, foi eleito presidente da Federação Nacional dos Jornalistas Profissionais (Fenag) em abril de 1983. Nesta ocasião destacou, como principais lutas da categoria, a revogação dos instrumentos de censura que ainda perduravam, como a Lei de Segurança Nacional (LSN), e a revisão da legislação profissional. Permaneceu no cargo até 1986. No mesmo período, de 1983 a 1986, presidiu a Imprensa Oficial do estado de São Paulo.

Em novembro de 1986 disputou a vaga de deputado federal constituinte, sem êxito. Permaneceu filiado ao PMDB.

Entre 1986 e 1987 presidiu o conselho curador da Fundação Casper Líbero, entidade mantenedora de jornais e emissoras de televisão e da Faculdade de Comunicação Social Casper Líbero. Ainda em 1987 tornou-se superintendente de Comunicação da Eletropaulo, empresa pública de energia elétrica integrante do sistema Eletrobrás, desempenhando essas funções até 1995. Nesse último ano, fundou uma empresa de assessoria em comunicação em São Paulo, a Allcom-Serviços de Comunicações e Editora.

Tornou-se também colaborador do jornal paulistano Diário Popular, assinando uma coluna diária.

Casou-se com Maria Marta de Melo, com quem teve dois filhos.

Publicou Resistência, o circo do desespero (1976) e Repórteres (1998).

 

FONTES: ASSEMB. NAC. CONST. Repertório (1987); CÂM. DEP. Deputados Brasileiros. Repertório (1979-1983); Globo (28/4/83); Jornal do Brasil (19/11/78 e 10/4/79); Movimento (10/12/78).

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados