CARLOS MANUEL MUNIZ

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: MUÑIZ, Carlos Manuel
Nome Completo: CARLOS MANUEL MUNIZ

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
MUÑIZ, CARLOS MANUEL

MUÑIZ, Carlos Manuel

*diplomata argentino; emb. Argentina no Brasil 1959-1962.

 

Carlos Manuel Muñiz nasceu em Buenos Aires no dia 2 de fevereiro de 1922, filho de Manuel Muñiz e de Eva Clara Firpo.

Fez seus estudos na Faculdade de Direito e Ciências Sociais da Universidade de Buenos Aires, tendo sido delegado estudantil junto ao conselho da faculdade, presidente de seu centro acadêmico e diretor da Gazeta Universitária. Bacharelando-se em 1946, tornou-se professor de direito constitucional no mesmo estabelecimento e de direito político e história na Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais da Universidade do Prata.

Foi subsecretário do Interior no Ministério do Interior e Justiça da Argentina entre setembro e novembro de 1955 e, ainda nesse ano, tornou-se subsecretário do mesmo ministério, cargo que ocupou até 1956. Neste último ano presidiu o I Congresso Nacional, Policial e de Segurança, realizado na Câmara Nacional dos Deputados, e tornou-se embaixador extraordinário e plenipotenciário na Bolívia, onde permaneceu até 1959. Transferido para o Brasil, ocupou o cargo de embaixador argentino entre outubro de 1959 e maio de 1962 sucedendo a Felipe Espil e sendo substituído por Carlos Alberto Fernandez. Em outubro deste último ano foi nomeado ministro das Relações Exteriores, função que ocupou até maio de 1963.

Dedicando-se ao magistério superior, foi professor titular de direito internacional e relações internacionais da Universidade Católica de La Plata (até 1969), professor titular de direito internacional público na Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais da Universidade Nacional de La Plata e diretor do Instituto de Direito Internacional Público e Relações Internacionais dessa mesma universidade (até 1973). Na carreira diplomática, foi embaixador da Argentina nos Estados Unidos entre 1971 e 1973.

Em junho de 1978, foi um dos fundadores e o principal idealizador do Conselho Argentino para as Relações Internacionais (CARI), instituição que reunia representantes do âmbito diplomático e de outras esferas da vida cultural argentina e da qual viria a ser presidente.

Professor titular de direito público (até 1982), no curso de doutorado, e de direito constitucional na Faculdade de Direito e Ciências Sociais da Universidade Nacional de Buenos Aires (até 1987), foi representante permanente da Argentina na Organização das Nações Unidas (ONU), entre 1982 e 1986, acumulando esse cargo com o de embaixador do seu país em Bahamas e Barbados (1983-1986).

Carlos Manuel Muñiz faleceu em Buenos Aires, no dia 31 de outubro de 2007.

Ao longo de sua carreira, tornou-se membro do Instituto Argentino de Direito Penal, do Instituto de Direito Comercial e da Comissão de Difusão Jurídica do Colégio de Advogados de Buenos Aires, além de membro titular da Sociedade Argentina de Criminologia, da Associação Argentina de Ciência Política e da Associação Argentina de Direito Comparado. Secretário-geral do Instituto Argentino de Investigações Jurídicas e Sociais, participou do Seminário de Estudos da Democracia Cristã e da História Argentina, como também da fundação do Comitê Argentino do Congresso pela Liberdade e Cultura. Foi ainda colaborador junto ao Instituto de História do Direito Argentino e na Comissão de Liberdade de Expressão. Dirigiu a revista de literatura e sociologia Ciudad e tomou parte, ao lado de Jorge Eduardo Coll, na defesa dos primeiros processos contra o diário La Prensa, da capital.

Publicou Desde esta tierra (1956), Esa que llaman vida (1958), Las relaciones exteriores en el derecho constitucional argentino (1964), La Declaración Universal de los Derechos Humanos y el principio de igualdad (1968), Bases nacionales para una política internacional (1969), Los funcionarios del Servicio Exterior de la Nación, condiciones de idoneidad y permanencia en sus cargos (1977), Las relaciones entre Argentina y Brasil (1979), Diplomacia e diplomáticos (1979), La conducción de las relaciones exteriores, El rol del ministro: atribuciones constitucionales y legales (1990), Nuevo rol de las Naciones Unidas en la consolidación del orden jurídico internacional (1991), além de diversos trabalhos sobre literatura, sociologia e política e de artigos em periódicos argentinos.

FONTES: CORRESP. EMB. ARGENTINA.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados