CARLOS ROBERTO MASSA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: RATINHO
Nome Completo: CARLOS ROBERTO MASSA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:

RATINHO

*dep. fed. PR 1991-1995

Carlos Roberto Massa nasceu em Águas de Lindóia (SP) no dia 15 de fevereiro de 1956, filho de Domingos Massa e de Maria Talarico Massa.

Técnico de raios X, bancário, e radialista, iniciou sua carreira na TV como repórter policial do programa Cadeia, do ex-deputado estadual Luiz Carlos Alborghetti. Começou sua vida pública com apenas 21 anos, ao ser eleito vereador na cidade de Jandaia do Sul (PR), no pleito de novembro de 1976, na legenda da Aliança Renovadora Nacional (Arena), partido de apoio ao regime militar instalado no país em abril de 1964. Entre 1977 e 1979, foi primeiro-secretário da Câmara Municipal.

Com o fim do bipartidarismo em novembro de 1979 e a conseqüente reorganização partidária, ingressou no Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB). Em 1980, tornou-se vice-presidente da mesa da Câmara Municipal. Foi ainda membro da Comissão de Economia, Finanças e Fiscalização. Em novembro de 1982, foi reeleito para mais um mandato de vereador. Pouco depois de sua posse, ocorrida em fevereiro de 1983, licenciou-se para ocupar o cargo de oficial-de-gabinete da Secretaria de Cultura e Esporte do Paraná durante a gestão de José Richa (1983-1986), ficando nessa função até 1986, quando reassumiu seu cargo de vereador.

Sua permanência na capital do estado por três anos habilitou-o a concorrer a uma vaga na Câmara Municipal de Curitiba nas eleições de novembro de 1988, dessa vez na legenda do Partido da Reconstrução Nacional (PRN). Vitorioso, iniciou seu mandato de vereador constituinte em fevereiro de 1989, integrando as comissões de Economia, Finanças e Fiscalização, Constitucional, de Segurança Pública; e de Segurança Pública e Defesa de Direitos Civis, em 1989 e 1990. Neste último ano, deixou as referidas comissões e, utilizando-se do espaço de que dispunha como repórter policial na TV paranaense OM, de propriedade do então deputado federal e fiel partidário de Fernando Collor de Melo, José Carlos Martinez, concorreu, na legenda do PRN, a uma cadeira de deputado federal. Eleito, tomou posse em fevereiro de 1991, abrindo mão de seu mandato de vereador. Tornou-se titular da Comissão de Informática e suplente da Comissão de Economia, Indústria e Comércio. Ainda em 1991, abandonou essas comissões.

Na sessão da Câmara dos Deputados de 29 de setembro de 1992, Carlos Massa foi um dos 441 parlamentares que votaram a favor da abertura do processo de impeachment contra o presidente Fernando Collor, acusado de crime de responsabilidade por ligações com um esquema de corrupção liderado pelo ex-tesoureiro de sua campanha presidencial, Paulo César Farias. Afastado da presidência após a votação na Câmara, Collor renunciou ao mandato em 29 de dezembro de 1992, pouco antes da conclusão do processo pelo Senado, sendo efetivado na presidência da República o vice Itamar Franco, que já vinha exercendo o cargo interinamente desde 2 de outubro.

Nas principais matérias constitucionais apresentadas na Câmara dos Deputados ao longo da legislatura 1991-1995, esteve ausente em quase todas as votações importantes. Contudo, votou a favor da criação do Fundo Social de Emergência (FSE), que permitia ao governo retirar recursos de áreas como saúde e educação para ter maior liberdade de administração das verbas.

Não tendo se candidatado à reeleição em outubro de 1994, encerrou seu mandato ao final da legislatura, em janeiro de 1995. Passou a se dedicar ao programa 190 urgente, da rede de televisão CNT, também paranaense, que já vinha apresentando desde o ano anterior com a alcunha de Ratinho.

No comando de um programa marcado pelo sensacionalismo, ganhou notoriedade nacional ao fazer apologia da pena de morte e estimular a violência policial. Seu programa foi acusado de violar os direitos humanos e de promover a truculência policial, pela excessiva exposição de humilhações sofridas por criminosos e vítimas nas reportagens que apresentava. Em 1997, transferiu-se para a Rede Record onde estreou em setembro o programa Ratinho livre. Expondo deficientes físicos, apresentando imagens de sexo explícito e continuando a incitar a violência, seu novo programa excedeu o anterior no que tange ao recurso ao sensacionalismo para garantir índices elevados de audiência. Consciente do baixo nível de seu programa, Ratinho costumava responder às críticas que lhe eram feitas com frases como “Eu faço o pior programa da televisão brasileira, mas o povo gosta de mim. O Chico Buarque é bom, mas só vende 20 mil discos.” Em 27 de agosto de 1998, mudou-se da Record para o Sistema Brasileiro de Televisão (SBT), de propriedade de Sílvio Santos. Essa mudança de emissora representou um dos mais vultosos contratos da história da televisão brasileira, que incluía cerca de dez milhões de reais em luvas e rendimentos mensais em torno de 1,2 milhão de reais.

Estreou no SBT no dia 8 de setembro de 1998, mantendo o mesmo estilo de seus programas anteriores. Em seus primeiros meses de exibição, imprimiu forte conteúdo político ao programa, alternando quadros policiais com variedades musicais e casos bizarros, motivo pelo qual recebeu várias advertências judiciais. A partir de 2001, devido às sucessivas interpelações da justiça e do ministério público, o programa passou a concentrar-se em quadros voltados ao entretenimento com calouros e intercalados com “exames de DNA” onde pessoas tiravam dúvidas sobre a paternidade dos filhos não-assumidos pelos pais, que na maioria das vezes culminavam com confrontos físicos entre os familiares no palco. Devido à progressiva diminuição dos índices de audiência ao longo dos anos, o programa saiu do ar em 2006. A partir de janeiro de 2007, Carlos Massa iniciou a apresentação de seu novo programa, o Jornal da Massa, e em março do mesmo ano apresentou o programa Você é o Jurado, sendo substituído na segunda temporada pelo cantor Supla. Fez ainda sucessivas tentativas de retorno à televisão mas sem obter o mesmo sucesso de seus primeiros programas.

Ao longo de todo esse período, Ratinho investiu o capital que acumulou nos seus vultosos contratos profissionais em diversas atividades econômicas tornando-se um grande produtor rural com cerca de 19 fazendas no Paraná e Mato Grosso do Sul num total de mais de 26 mil hectares de terra. Formou também uma grande conglomerado empresarial denominado Grupo Carlos Massa, com atuação em vários segmentos de negócios tais como a agropecuária Café no Bule, com faturamento de cerca de R$ 50 milhões por ano, atuando ainda nos ramos de comunicações, ração canina, hotelaria, cervejas, tintas e gestão de marcas.

Em novembro de 2007 adquiriu do ex-governador Paulo Pimentel, por cerca de R$ 70 milhões, as redes de TV integrantes de seu grupo de comunicações composta pelas emissoras TV Iguaçu (Curitiba), TV Tibagi (Apucarana), TV Naipi (Foz do Iguaçu) e TV Cidade (Londrina), que serviram de base para a formação da Rede Massa de Televisão.

Retornou com o Programa do Ratinho no SBT em 5 de maio de 2009, depois de três anos de ausência, sendo transmitido no final da tarde e misturando jornalismo e entretenimento. Na ocasião, o apresentador recebeu várias homenagens, inclusive o telefonema do então governador de São Paulo, José Serra. Em julho desse mesmo ano, Ratinho fez sua estreia como ator de novela, atuando em Vende-se um véu de noiva, de Íris Abravanel. Em seguida, começou a comandar um programa que até então era apresentado por Sílvio Santos, Nada além da verdade. Entre 2011 e 2013 o Programa do Ratinho misturou uma série enorme de atrações, tendo apresentado desde circo caseiro até informativo, até se concentrar no formato humorístico, e em janeiro de 2015 passou a ser exibido em alta-definição (HDTV), após uma série de reformas para adequá-lo a tecnologia.

Em 2011, Ratinho comprou quase todo o acervo de cinejornais e documentários dirigidos por Jean Manzon, entre as décadas de 1950 e 1970; cerca de 400 documentários. Nesse mesmo ano, colocou à venda as quatro emissoras que possuía no Paraná, que retransmitiam a programação da SBT, venda essa que acabou não se concretizando. Em agosto de 2012, a Rede Massa passou a contar com cinco emissoras afiliadas no Paraná: TV Iguaçu (Curitiba), TV Tibagi (Apucarana e Maringá), TV Cidade (Londrina), TV Naipi (Foz do Iguaçu) e a TV Guará (Ponta Grossa). Também fazem parte do grupo as rádios Massa FM de Curitiba, Maringá, Londrina Paranaguá, Cascavel e Campos Gerais.

Durante a campanha eleitoral de 2012, Ratinho entrevistou o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, em sua primeira aparição pós-tratamento do câncer. Teria sido uma tentativa de incentivar a campanha do candidato petista, Fernando Haddad, para a prefeitura de São Paulo. Afinal, as eleições municipais deste ano vinham sendo marcadas pela concomitância entre a campanha e o julgamento do caso “mensalão”, o que ficou evidente no resultado das urnas, que apresentaram o PSB como principal surpresa positiva, conquistando cinco capitais e mantendo o controle de Belo Horizonte. O PSDB manteve-se à frente de quatro capitais, e, o mais importante, o PT, partido da presidente Dilma Rousseff conquistou duas a menos do que em 2008, embora conseguisse reaver a de São Paulo.

Em 2013, o Grupo Massa, comandado por Ratinho, se associou ao grupo japonês Mitsui & Co com a marca Café do Bule, e teriam como meta alcançar 5% do mercado de café torrado e moído no Brasil.

Com a proximidade do início das campanhas eleitorais voltadas para a eleição presidencial de 2014, Ratinho recebeu em seu programa, desde meados do ano anterior, os principais candidatos: Aécio Neves, Eduardo Campos, Marina Silva, e até mesmo a presidente Dilma Rousseff, que foi entrevistada pelo apresentador no Palácio Alvorada.

Casou-se com Solange Martinez Massa, com quem teve três filhos. Seu filho primogênito Carlos Roberto Massa Júnior (Ratinho Júnior) foi eleito deputado estadual em 2002 e deputado federal nas eleições de 2006 e de 2010.

 

 

FONTES: CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1991-1995); Folha de S. Paulo (18/09/1994); Veja (26/11/1997, 02/09/1998, 16/09/1998, 28/10/1998 e 24/03/1999); Portal Folha de S. Paulo. Disponível em: <http://www.folha.uol.com.br>. Acesso em 12/11/2009; Portal Grupo Massa. Disponível em: <http://www.grupomassa.com.br>. Acesso em 12/11/2009; Portal Isto É. Disponível em: <http://www.istoe.com.br/capa>. Acesso em 14/11/2009; Portal Rede Massa. Disponível em: <http://www.redemassa.com.br>. Acesso em 12/11/2009 e 08/08/2015; Portal Sistema Brasileiro de Televisão. Disponível em: <http://www.sbt.com.br/home>. Acesso em 08/08/2015; Portal UOL. Disponível em: <http://www.uol.com.br>. Acesso em 08/08/2015; Portal Veja. Disponível em: <http://veja.abril.com.br>. Acesso em 08/08/2015.

 

 

 

 

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados