CARVALHO, Olavo Monteiro de

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: CARVALHO, Olavo Monteiro de
Nome Completo: CARVALHO, Olavo Monteiro de

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
CARVALHO, Olavo Monteiro de

CARVALHO, Olavo Monteiro de

*pres. ACRJ 2005-2009.

 

Olavo Egydio Monteiro de Carvalho nasceu no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, no dia 24 de fevereiro de 1942, filho de Alberto Monteiro de Carvalho e de Maria Salamanca Monteiro de Carvalho, da nobreza espanhola. Após a morte de seu pai em 1947, foi adotado por Olavo Egydio de Sousa Aranha Júnior, sócio de Alberto Monteiro de Carvalho e Silva, seu avô paterno, na empresa de engenheira Monteiro Aranha, que mais tarde veio a se transformar no Grupo Monteiro Aranha S.A. Da família materna, herdou o título de marquês de Salamanca. Sua prima Lilibeth Monteiro de Carvalho foi casada com Fernando Collor de Mello antes da eleição deste para a presidência da República.

Estudou no tradicional Colégio Santo Inácio, e em seguida foi para a Europa, onde permaneceu por seis anos. Na Alemanha trabalhou como auxiliar na fábrica da Volkswagen e fez o curso de engenharia mecânica da Techniscle Hoschule, em Munique. Também estagiou no J. Henry Schroder Bank, em Londres e Nova Iorque.

Em 1978 tornou-se presidente da Monteiro Aranha S.A. e dois anos depois conduziu um grande negócio para um grupo privado na época: a venda da metade da participação acionária da Monteiro Aranha na Volkswagen do Brasil para o governo do Kuwait. A partir da transação da Volkswagen, o grupo, que já possuía investimentos em diversos setores, expandiu ainda mais seus negócios, abrangendo desde investimentos nas áreas automobilística, de telecomunicações e saneamento, até o setor financeiro e petroquímico. Na década de 1980, passou a fazer parte de seu conselho de administração o ex-ministro Mário Henrique Simonsen.

Olavo Monteiro de Carvalho foi membro fundador do Instituto de Estudo para o Desenvolvimento Industrial (IEDI), entidade empresarial criada no final dos anos 1980 por um grupo de empresários representantes de grandes empresas nacionais com a proposta de discutir estratégias para o desenvolvimento do país. Nas eleições presidenciais de 1989, apoiou a candidatura de Fernando Collor, tendo sido o responsável por apresentar o candidato a Mário Henrique Simonsen, Daniel Dantas e André Lara Resende.

Em 1996, deixou a presidência do grupo Monteiro Aranha e assumiu a presidência de seu conselho de administração. Fundou, em 1997, o Instituto Marquês de Salamanca (IMDS). Ainda nesse ano, o grupo Monteiro Aranha adquiriu o Banco Boavista. Em 2005, recebeu do rei da Espanha o título de conde de Los Llanos.

Eleito em 2005 presidente da Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ), foi reeleito em 2007. Em suas gestões, como parte do projeto de revitalização do Centro do Rio de Janeiro, restaurou a fachada do prédio da ACRJ, o histórico palácio do Comércio que fora inaugurado em 1940. Criou o Fórum do Rio, com o objetivo principal de formalizar micro e pequenos empreendedores, e atuou também a favor da Lei do Simples nacional. As ações do Fórum se desdobraram na formulação do projeto Rede Ello Empreendedor, realizado em parceira com o Sebrae do Rio de Janeiro, e destinado a facilitar o acesso de micro e pequenos empresários aos meios de pagamento eletrônicos e a serviços financeiros. Ainda em parceria com o Sebrae, concebeu o Plano de Dinamização Econômica para as comunidades atendidas pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

À frente da ACRJ, também participou da campanha de eleição do Cristo Redentor como uma das sete maravilhas do mundo moderno e do Conselho Executivo Rio 2016, como um dos representantes do Conselho Empresarial Rio 2016, onde trabalhou pela eleição da cidade do Rio de Janeiro como sede das Olimpíadas de 2016, o que acabaria ocorrendo em 2009. Iniciou as obras do Centro de Informação e Memória da entidade, visando a preservar seu acervo e disponibilizá-lo para a sociedade Além disso, firmou parceria com o Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC), da Fundação Getúlio Vargas, e publicou o livro A Casa do Empresário – trajetória da Associação Comercial do Rio de Janeiro, em 2009.

Deixou a presidência da ACRJ em 2009. Em seu discurso de transmissão do cargo a José Luís Alquéres, destacou a relação positiva entre os governos federal, estadual e municipal no Rio de Janeiro, nas figuras do presidente Lula, do governador Sérgio Cabral e do prefeito Eduardo Pais. Segundo ele, “o Rio de Janeiro carecia há décadas desse entendimento”, que contou com o apoio da ACRJ em diversos projetos resultantes de parcerias, como o arco rodoviário, a revitalização da Zona Portuária e a despoluição da bacia de Jacarepaguá e Barra da Tijuca.

Além da atuação no Grupo Monteiro Aranha, Olavo Monteiro de Carvalho investiu em outros negócios como a empresa EcoAqua Soluções, de saneamento industrial, e Bioexton, de tratamento de resíduos orgânicos, e tornou-se exportador de cavalos mangalarga marchador. Foi também membro do conselho de administração da Klabin e da Ultrapar.

 

Fabrícia Guimarães

 

FONTES: ENTREV.BIOG.; IstoÉ (13/3/02); Portal da Assoc. Comer. do Rio de Janei- ro. Disponível em : <http://www.acrj.org.br>; Portal Monteiro Aranha. Disponível em : <http://www.monteiroaranha.com.br>; Rev. Assoc. Comer. Rio de Janeiro (n. 1399, maio/jun. 2009); Valor Econômico (9/9/09); Veja (2/7 e 22/10/80).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados