CAVALCANTI, ROBERTO ANDERSEN

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: CAVALCANTI, Roberto Andersen
Nome Completo: CAVALCANTI, ROBERTO ANDERSEN

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
CAVALCANTI, ROBERTO ANDERSEN

CAVALCANTI, Roberto Andersen

*militar; ch. EMA 1980-1981; min. STM 1981-1991.

Roberto Andersen Cavalcanti nasceu no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, no dia 26 de maio de 1921, filho de Torquato Bezerra Cavalcanti e de Helga Andersen Cavalcanti.

Sentou praça em março de 1938, sendo promovido quatro anos depois a guarda-marinha. Em fevereiro de 1943 foi promovido a segundo-tenente e, em novembro do ano seguinte, a primeiro-tenente. Ainda nesse mês foi comandante da corveta Barreto de Meneses. Em março de 1946 recebeu a promoção a tenente-capitão e três meses depois deixou o comando da corveta para tornar-se imediato da Base Naval de Salvador, onde permaneceu de julho de 1946 a abril de 1947.

De outubro de 1949 a janeiro de 1951 foi imediato do rebocador Tridente, sendo promovido a capitão-de-corveta em março de 1953. Em novembro de 1956 foi designado comandante do contratorpedeiro Bocaina, permanecendo no cargo até maio de 1958. Em maio do ano seguinte, promovido a capitão-de-fragata, passou a exercer a função de ajudante da Divisão de Legislação de Organização do Estado-Maior da Armada (EMA). Em setembro do ano seguinte, assumiu o posto de oficial de Ligação da Missão Naval Americana no Brasil, no qual permaneceu durante um ano, quando então se desligou para assumir o comando do contratorpedeiro Greenhalgh, que exerceu até o início do ano de 1965.

Ainda em 1965, foi oficial-de-gabinete do ministro da Marinha e membro da Comissão Especial de Estudos da Reforma Administrativa. De fevereiro a dezembro de 1966, chefiou a 2ª Seção da Secretaria-Geral do Conselho de Segurança Nacional, assumindo, a partir de outubro, o comando do navio-escola Custódio de Melo, permanecendo neste posto até novembro de 1967. No mês seguinte, assumiu a Capitania dos Portos do Amazonas, Acre e Territórios Limítrofes. Em março de 1969, tornou-se comandante naval de Manaus, função que exerceu cumulativamente com a de capitão dos portos. Em dezembro, assumiu o cargo de coordenador regional do ensino profissional marítimo na área de jurisdição da Capitania dos Portos do Amazonas, Acre e Territórios Limítrofes. Durante o mês de janeiro de 1970 comandou interinamente o 4º Distrito Naval (4º DN), sediado em Belém, e assumiu a subchefia para informação do EMA. Deixando este último cargo, passou a desempenhar a função de subchefe de Planejamento Administrativo do EMA.

De agosto de 1971 a março de 1972, participou da delegação brasileira da Comissão Militar Mista Brasil-Estados Unidos, como representante do EMA. Ainda nesse ano, cursou a Escola Superior de Guerra (ESG), concluindo o curso em dezembro. Em março de 1973, foi indicado para o comando efetivo do 4º DN, sendo em junho designado para o Conselho Deliberativo da Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia, como representante do Estado-Maior das Forças Armadas (EMFA). Em outubro de 1974 tornou-se inspetor-chefe da Comissão de Inspeção Distrital.

Em julho de 1977, deixou o comando do 4º DN, assumindo no mês seguinte a diretoria do Departamento Geral de Pessoal da Marinha. Permaneceu nesse cargo até abril do ano seguinte, quando assumiu o Comando de Operações Navais e a Diretoria Geral de Navegação. Em dezembro de 1979 foi afastado dessas funções, assumindo em seguida a chefia do EMA. De janeiro a junho de 1980, assumiu interinamente o Ministério da Marinha e no mês seguinte, o cargo de ministro-chefe do EMFA. Participou também da delegação brasileira à X Conferência Naval Interamericana.

Em janeiro de 1981, quando deixou o EMA, foi nomeado ministro do Supremo Tribunal Militar (STM), sendo transferido em junho seguinte para o Quadro Suplementar do Corpo da Armada. Permaneceu no STM por dez anos, aposentando-se como ministro ao final deste período.

Casou-se com Zenith Bailly Andersen Cavalcanti, com quem teve dois filhos.

FONTES: CURRIC. BIOG.; Estado de S. Paulo (18/5/80, 8/5, 1/7 e 19/8/81); Globo (13/11/79); INF. BIOG.; Jornal do Brasil (1/8/77, 23/8/79 e 8/1/80).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados