CELSO GABRIEL DE RESENDE PASSOS

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: PASSOS, Celso
Nome Completo: CELSO GABRIEL DE RESENDE PASSOS

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
PASSOS, Celso

PASSOS, Celso

* dep. fed.  MG 1963-1969.

 

Celso Gabriel de Resende Passos nasceu em Belo  Horizonte no dia 28 de março de 1927, filho de Gabriel de Resende Passos e de Amé­lia Gomes de Resende Passos.  Seu pai foi constituinte em 1934, procurador-geral da Re­pública de 1936 a 1945, deputado federal por Minas Gerais de 1946 a 1951 e de 1955 a 1961, e ministro das Minas e Energia de 1961 a 1962. Seu avô materno, Jaime Gomes Lemos, foi deputado federal por Minas Gerais de 1912 a 1920.

Radicado no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, Celso Passos cursou o secundário nos colégios São José e Andrews e bacharelou-se em 1950 pela Faculdade Na­cional de Direito da Universidade do Brasil.  Viajou em seguida para a França, como bolsis­ta do governo daquele país, a fim de fazer o curso de doutorado na Faculdade de Direito da Universidade de Paris, de 1951 a 1952.  Voltando ao Brasil, em 1955 tornou-se assistente do procurador-geral da República, Plínio de Frei­tas Travassos.

Em 1961, quando seu pai assumiu o Minis­tério das Minas e Energia do governo parla­mentarista de João Goulart, foi nomeado seu chefe de gabinete e subsecretário da pasta.  Com a morte de Gabriel Passos, ocorrida em junho de 1962, permane­ceu interinamente à frente do ministério até o mês seguinte, quando foi substituído por João Mangabeira.  Já durante a gestão de Elie­zer Batista da Silva, sucessor de João Manga­beira na formação do terceiro gabinete do go­verno Goulart, voltou a responder interina­mente pela pasta, entre outubro e dezembro de 1962.

Ainda em outubro de 1962 elegeu-se depu­tado federal pelo estado de Minas Gerais na legenda da União Democrática Nacional (UDN), assumindo o mandato em fevereiro de 1963.  Durante essa legislatura, foi vice-líder da UDN na Câmara a partir de abril de 1963 e vice-presidente da Comissão de Minas e Ener­gia.  Integrou a ala nacionalista de seu partido, denominada "Bossa Nova", que se caracteriza­va pela defesa de reformas políticas em oposi­ção à linha tradicional da UDN.

Depois do movimento político-militar de março de 1964, que depôs João Goulart, com a extinção dos partidos políticos pelo Ato Ins­titucional n°.2 (27/10/1965) e a posterior instauração do bipartidarismo, filiou-se ao Movimente Democrático Brasileiro (MDB), que congregou os elementos de oposição ao governo. Foi reeleito em novembro de 1966 nessa legenda e dois anos depois integrou a delegação brasileira presente à III Conferência Geral da Agência Internacional de Energia Atômica, realizada em Viena, Áustria. Permaneceu na Câmara até janeiro de 1969, quando foi aposentado e teve o mandato cassado e o direitos políticos suspensos por dez anos pelo Ato Institucional n°.5 (13/12/1968). Durante sua atuação parlamentar, criou as comissões parlamentares de inquérito (CPIs) sobre problemas relativos ao minério de ferro e energia nuclear e foi relator da lei de estruturação do Ministério das Mina e Energia.

Afastado da vida política durante anos, em 1986 ingressou no Partido Democrático Trabalhista (PDT), por cuja legenda disputou uma vaga de deputado federal constituinte no pleito de novembro daquele ano. Obteve, contudo, apenas uma suplência. Em 1991, ingressou no Tribunal Regional Federal da 2ª Região, no Rio de Janeiro, aposentando-se em outubro de 1999.

Substituto por diversas vezes do procurador-geral da República, pertenceu à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e foi membro da Associação do Ministério Público do Brasil e do Comitê Nacional de Direito Comparado.

Por ter doado o acervo documental de seu pai ao Cpdoc da FGV, passou a integrar o conse­lho de doadores dessa instituição.

Casou-se com Elsa Peixoto de Resende Pas­sos, com quem teve três filhos. Seu sogro, Manuel Inácio Peixoto Filho, foi deputado federal por Minas Gerais entre 1951 e 1955.

Publicou O quadrilátero ferrífero de Minas Gerais e a Hanna é Política do minério de ferro.

O arquivo de Celso Passos encontra-­se depositado no Centro de Pesquisa e Docu­mentação de História Contemporânea do Bra­sil (Cpdoc) da Fundação Getúlio Vargas.

FONTES:  ANDRADE, F. Relação; ARQ.  DEP.  PESQ.  JORNAL DO BRASIL; ASSEMB. LEGISL. MG. Dicionário biográfico; CÂM. DEP.  Deputados; CÂM.  DEP.  Deputados bra­sileiros.  Repertório (1963-1967 e 1967-1971); CÂM.  DEP.  Rela­ção nominal dos senhores; COUTINHO, A. Brasil, Encic.  Mirador; INF. BIOG.; Rev. Arq.  Públ- Minei­ro.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados