CORREIA, Luís Felipe de Seixas

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: CORREIA, Luís Felipe de Seixas
Nome Completo: CORREIA, Luís Felipe de Seixas

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
FRAGOSO, JOÃO CARLOS

CORREIA, Luiz Felipe de Seixas

*diplomata; emb. Bras. Argentina 1997-2002; emb. Bras. Alemanha 2005-.

 

Luiz Felipe de Seixas Correia nasceu no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, no dia 16 de julho de 1945, filho de Miguel João Luís de Seixas Correia e Maria Celina Leão Teixeira de Seixas Correia.

Em 1965, ingressou no curso preparatório à carreira diplomática do Instituto Rio Branco, formando-se terceiro-secretário em março de 1967. Por ter sido o primeiro colocado no final do curso recebeu os prêmios “Lafayette Carvalho Silva” eRio Branco”. Ainda em 1967, tornou-se assistente da Divisão da América Meridional e bacharelou-se em Direito pela Universidade Cândido Mendes, no Rio de Janeiro.  Em 1969, realizou o curso de aperfeiçoamento de diplomatas (CAD) do Instituto Rio Branco, sendo promovido a segundo-secretário em junho do mesmo ano e, ainda em 1969, nomeado assistente na Divisão da Amazônia.

Destacado para a embaixada brasileira na Alemanha Ocidental em 1970,no ano seguinte, serviu em missão junto à ONU. Em 1974, foi removido para a embaixada em Buenos Aires, sendo promovido a primeiro-secretário em 18 de maio de 1975. Nos anos subseqüentes, atuou como assistente na Divisão da América Setentrional (1976), assessor no Departamento de Organismos Internacionais (1977) e assessor no Departamento da Ásia, África e Oceania (1978).

Em março de 1979, foi promovido a conselheiro e enviado para a embaixada em Washington. Retornou ao Brasil em 1982, quando realizou o curso de altos estudos do Instituto Rio Branco e escreveu o trabalho Da confrontação a confrontação: as relações EUA-URSS: o Brasil e as superpotências. Em 1983, assumiu o posto de assessor do ministro-chefe do Gabinete Civil da Presidência da República, João Leitão de Abreu, sendo promovido a ministro de segunda classe em junho do mesmo ano.

Ministro-conselheiro da delegação brasileira junto à UNESCO, em 1985, em Paris, foi promovido a ministro de primeira classe em dezembro de 1987. Dois anos depois, publicou o artigo “As relações internacionais do Brasil em direção ao ano 2000”, em Temas de Política Externa Brasileira, FUNAG.

Embaixador do Brasil no México entre 1989 e 1992, neste último ano retornou ao país, para atuar como secretário-geral adjunto na Secretaria-Geral de Política Exterior e como secretário-geral na Secretaria-Geral de Relações Exteriores. Em 1993, assumiu o posto de embaixador em Madri, e tornou-se sócio titular do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Nos anos seguintes, publicou dois artigos: “As Conferências de Cúpula Ibero-Americanas: um formato em busca de substância”, em Temas de Política Externa Brasileira II, IPRI (1994) e “A política externa de José Sarney”, em Sessenta anos de política externa brasileira: 1930-1990 (1996).

Em 1997, tornou-se embaixador em Buenos Aires e, em 2002, foi removido para o posto de embaixador e representante permanente na delegação permanente do Brasil em Genebra. Em 2005, foi novamente transferido e passou a ocupar o cargo de embaixador em Berlim. Em 2007, publicou O Brasil nas Nações Unidas: 1946-2006.

 

FONTE: MIN. REL. EXT. Anuário (2008).

 

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados