CUNHA NETO, AUGUSTO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: CUNHA NETO, Augusto
Nome Completo: CUNHA NETO, AUGUSTO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
CUNHA NETO, AUGUSTO

CUNHA NETO, Augusto

*pres. UNE 1954-1955

 

Augusto Cunha Neto nasceu em Cataguases (MG) no dia 19 de fevereiro de 1929, filho de Edgar Cunha e de Alzira do Carmo Cunha.

Fez o curso primário no Grupo Escolar Coronel Vieira em sua cidade natal e os cursos ginasial e secundário em Cataguases, Petrópolis (RJ) e Leopoldina (MG).

Anos depois de se transferir para São Paulo, ingressou curso de direito da Universidade de São Paulo (USP). Em julho de 1954 participou do XVII Congresso da União Nacional dos Estudantes (UNE), sendo eleito presidente da entidade, no lugar de João Pessoa de Albuquerque, numa época em que a direção da UNE não se identificava com as correntes políticas de esquerda. Cunha Neto foi substituído na presidência da entidade ao final do mandato, em julho de 1955, por Carlos Veloso de Oliveira.

Em janeiro de 1957 bacharelou-se em direito pela USP e passou a trabalhar no Banco do Brasil. De volta à sua cidade natal, atuou como advogado. Fundador, em Minas Gerais, do Movimento Democrático Brasileiro (MDB) — partido de oposição ao regime militar instaurado no país em abril de 1964 —, concorreu a uma cadeira na Câmara de Vereadores de Cataguases no pleito de novembro de 1966. Eleito, assumiu o mandato no início do ano seguinte.

Cunha Neto foi reeleito vereador nos pleitos de novembro de 1970, 1972 e 1976. Como a Câmara se reunisse apenas esporadicamente, de acordo com a vontade do prefeito, durante seus mandatos Cunha Neto fez campanha para a realização de reuniões periódicas dos vereadores e propôs a criação da “tribuna livre”, franqueando a palavra a qualquer cidadão. Nas eleições de novembro de 1978 candidatou-se a uma cadeira na Assembléia Legislativa de Minas Gerais, mas não conseguiu se eleger. Com o fim do bipartidarismo (29/11/1979) e a conseqüente reformulação partidária, ingressou no Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), agremiação que deu continuidade à ação política do MDB. Reeleito vereador em novembro de 1982, assumiu novo mandato no início do ano seguinte. Em fevereiro de 1983, foi eleito presidente da Câmara de Vereadores, derrotando o candidato do Partido dos Trabalhadores (PT), Balduíno Simões, por 11 votos a um. No dia 6 desse mês, Cunha Neto foi assassinado com nove tiros por João Gonçalves de Sousa, o “Luquinha”. Na ocasião, o assassino declarou à polícia que Cunha Neto fora culpado pela perda de seu emprego numa firma em Cataguases em 1976 e pela sua dispensa da prefeitura em 1983.

Cunha Neto foi também presidente da 6ª Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil de Cataguases e fundador do Lions Clube de Cataguases.

Era casado com Maria Gilda Andrade Cunha, com quem teve quatro filhos.

 

FONTES: CONSULT. RAMOS, P.; COSTA, M. Cronologia; INF. FAM.; POERNER, A. Poder.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados