CURY, AMADEU

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: CURY, Amadeu
Nome Completo: CURY, AMADEU

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
CURY, AMADEU

CURY, Amadeu

*reitor UnB 1971-1976.

 

Amadeu Cury nasceu em Guaxupé (MG) no dia 13 de maio de 1917, filho de Espir Cury e de Nazaré Cury.

Cursou os estudos básicos no Liceu de Uberlândia e Ginásio Mineiro de Uberlândia, em Minas Gerais. Formou-se em 1942 pela Faculdade de Medicina da Universidade do Brasil (UB), da qual seria, mais tarde, professor titular, e ainda nesse ano começou a trabalhar no Instituto Osvaldo Cruz, aí exercendo as funções de químico-analista, tecnologista e biólogo. Tendo realizado cursos de formação e especialização em sua área de interesse, tornou-se em 1954 membro da Academia Brasileira de Ciências. No ano seguinte, foi nomeado diretor do setor de pesquisas biológicas do Conselho Nacional de Pesquisas, mais tarde Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), função que exerceu até 1956. Nesse ano, viajou para os Estados Unidos como bolsista, aí concluindo novo curso de pós-graduação em 1957.

De volta ao Brasil, foi designado assessor da divisão técnico-científica do CNPq, ocupando esse cargo até 1960, quando assumiu a vice-diretoria do Instituto de Microbiologia da UB. Em 1961, foi eleito secretário-geral da Academia Brasileira de Ciências, tornando-se no ano seguinte professor do Instituto Osvaldo Cruz e em 1963 membro da comissão coordenadora dos cursos de pós-graduação da UB. Reeleito ainda em 1963 secretário-geral da Academia de Ciências, foi nomeado em 1964 vice-presidente do CNPq. Durante esse ano, participou da Comissão Educacional Brasil-Estados Unidos e realizou conferências no Instituto de Medicina Tropical de Lisboa. Em 1965 deixou a secretaria geral da Academia Brasileira de Ciências, sendo designado em 1966 coordenador da seção de ciências biológicas dessa instituição. Nesse mesmo ano, tornou-se membro da comissão executiva permanente do Conselho Interamericano de Educação, Ciência e Cultura (CIECC) da Organização dos Estados Americanos (OEA), e do conselho deliberativo da Coordenação para o Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e do CNPq. Ainda em 1966, elegeu-se diretor do Instituto de Microbiologia da UB e passou a integrar o Conselho de Pesquisa e Ensino para graduados na mesma universidade, que em março de 1967 passou a se chamar Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Em 1968, Amadeu Cury exerceu a presidência do Conselho de Pesquisa e Ensino e tornou-se professor dos cursos de pós-graduação em microbiologia da UFRJ, deixando a comissão coordenadora dos referidos cursos. Tornou-se também membro do Conselho Universitário e do Conselho Superior da Coordenação Executiva da UFRJ, participando ainda do conselho diretor da Fundação Universidade de Brasília (UnB).

Em 1969, elegeu-se presidente da comissão de pós-graduação do CNPq e vice-presidente da Academia Brasileira de Ciências, representando o Brasil na Reunião para a Reestruturação dos Centros Nacionais de Microbiologia, realizada em Caracas, na Venezuela, sob o patrocínio da OEA. Tornou-se também representante da Academia de Ciências junto ao Conselho de Ciência e Tecnologia do Estado da Guanabara, do qual foi vice-presidente nos anos 1970 e 1971. Nesse mesmo período, exerceu a presidência do conselho deliberativo da Capes e foi delegado brasileiro à segunda reunião ordinária do CIECC, realizada em 1971 na cidade de Lima, no Peru.

Ainda em 1971, foi nomeado reitor da UnB e tornou-se presidente do conselho diretor da UNB, deixando a coordenação de ciências biológicas da Academia Brasileira de Ciências e as funções que exercia na UFRJ. Foi também membro do grande júri do Prêmio Moinho Santista. Nesse mesmo ano, tornou-se membro do diretório da Liga de Defesa Nacional de Brasília e assumiu a presidência do Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras (CRUB), posto que manteria até o ano seguinte, quando assumiu as responsabilidades do Conselho Nacional de Pós-Graduação (CNPG). Em 1975, junto com as atividades do CNPG, integrou o Conselho Científico e Tecnológico do CNPq.

Em maio de 1976, poucos dias antes de deixar o cargo de reitor e já desligado daqueles conselhos, puniu 13 estudantes da UnB por protestarem contra a suspensão das eleições para os diretórios acadêmicos e a proibição de debates sobre o Decreto nº 477 e o Ato Institucional nº 5 (AI-5). No dia 25 desse mês, encerrou sua gestão na reitoria da UnB, sendo substituído pelo vice-reitor, comandante José Carlos Azevedo. Ainda em 1976, deixando a presidência do conselho diretor da UnB, tornou-se professor titular e decano de pesquisa e pós-graduação na mesma universidade. Em 1977, deixou a vice-presidência da Academia Brasileira de Ciências, assumindo de 1979 a 1980 o cargo de diretor do CNPq. Em 1980 passou a compor, por cinco anos, o Conselho Técnico-Científico do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), no qual permaneceria por cinco anos. Em 1981 deixou o conselho deliberativo do CNPq.

Em 1990, quando deixou de lecionar na UnB, continuou suas atividades acadêmicas participando de diversos conselhos e comissões. A partir de 1991, fez parte da Comissão Coordenadora Regional de Pesquisas na Amazônia (Corpam) representando a Capes, num projeto que visava à formação de recursos humanos de alto nível tecnológico para essa região, e do júri do Prêmio José Reis de Divulgação Científica. Integrou os conselhos Superior da Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal e do Técnico Científico do INPA. Em outubro de 1999 foi o presidente de honra do XX Congresso da Sociedade Brasileira de Microbiologia, realizado em Salvador.

Em julho de 2000 respondia pelas funções de assessor especial da presidência e consultor especial da Capes para assuntos da Região Amazônica. Também em Brasília, representava a Academia Brasileira de Ciências.

Casou-se com Gilda de Góis Cury, com quem teve uma filha.

Membro de diversas sociedades científicas e autor de cerca de 60 trabalhos de investigação científica publicados em periódicos nacionais e estrangeiros, publicou em colaboração com Gilberto Guimarães Vilela o livro Fatores de crescimento e microorganismos (1956).

Faleceu em Brasília no dia 17 de maio de 2008.

               

 

FONTES: CURRIC. BIOG.; INF. BIOG.; Jornal do Brasil (26 e 27/5/76); Perfil (1972); MEC – Portal Capes; Jornal da Ciência - SBPC.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados