Júlio César Delgado

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: DELGADO, Julio
Nome Completo: Júlio César Delgado

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:

DELGADO, Júlio

*dep. fed. MG 1999-2000 e 2003-2007, 2007-2011, 2011-

 


 

Júlio César Delgado nasceu em Juiz de Fora (MG) no dia 18 de novembro de 1966, filho de Raymundo Tarcísio Delgado e de Aloysa Rosa Delgado. Seu pai foi deputado federal por Minas (1975-1983 e 1991-1995) e prefeito de Juiz de Fora (1983-1988).

Filiou-se ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) em 1985, mesmo ano em que ingressou na faculdade. Formou-se em direito pela Universidade Federal de Juiz de Fora em 1990, e no ano seguinte fez uma pós-graduação em processo legislativo na Universidade de Brasília (UnB). Nesse período trabalhou como assessor parlamentar na Câmara dos Deputados.

Em 1994 disputou pela primeira vez um cargo eletivo, como candidato a deputado federal, mas não conseguiu se eleger. No ano seguinte aceitou o convite do recém-eleito governador de Minas Gerais, Eduardo Azeredo, do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), para assumir o cargo de secretário-adjunto da Secretaria Estadual do Trabalho e Assistência Social. Ainda em 1995 fez o curso de administração de fundos de pensão promovido pela Organização dos Estados Americanos (OEA) em Santiago do Chile. Em 1997 foi vice-presidente do diretório municipal do PMDB em Juiz de Fora, e no ano seguinte tornou-se primeiro-secretário do diretório estadual do partido.

Afastou-se da Secretaria do Trabalho em 1998 para candidatar-se novamente à Câmara dos Deputados nas eleições de outubro, e obteve uma suplência. Exerceu pela primeira vez o mandato de deputado federal de setembro de 1999 a dezembro de 2000. Em 2001 filiou-se ao Partido Popular Socialista (PPS).

Em 2002, mais uma vez candidatou-se a uma cadeira na Câmara dos Deputados. Vitorioso, tomou posse em fevereiro de 2003. Foi líder do PPS na Câmara em 2004, mas no ano seguinte deixou esse partido e filiou-se ao Partido Socialista Brasileiro (PSB). Nessa legislatura participou da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania; da Comissão de Constituição e Justiça e de Redação; da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional; da Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público, e da Comissão de Defesa do Consumidor, da qual foi terceiro vice-presidente. Participou ainda do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados, no qual presidiu e foi relator do processo que levou à cassação do mandato do então deputado federal licenciado e ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, do Partido dos Trabalhadores (PT), em 1º de dezembro de 2005. A cassação foi motivada pelo escândalo do “mensalão”, como ficou conhecida a grave crise política aberta por denúncias feitas em 7 de junho de 2005 pelo deputado Roberto Jefferson, do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB-RJ), de que haveria um esquema, que seria capitaneado por Dirceu, de compra, pelo PT, de votos de parlamentares da base aliada do governo. O relatório de Júlio Delgado serviu de base para o pedido de indiciamento de 40 pessoas feito pelo procurador-geral da República, Antônio Fernandes de Sousa, em 11 de abril de 2006.

Em outubro de 2006, concorreu à reeleição na legenda do PSB em coligação com o Partido Social Cristão (PSC) e o Partido Humanista da Solidariedade (PSH). Reeleito com mais de 75 mil votos, tomou posse em fevereiro de 2007. Nessa legislatura, foi membro da Comissão de Finanças e Tributação, da Comissão de Direitos Humanos e Minorias, e da Comissão de Defesa do Consumidor, da qual foi segundo vice-presidente. Atuou como vice-líder do bloco parlamentar formado pelo PSB, Partido Comunista do Brasil (PCdoB), Partido da Mobilização Nacional (PMN) e Partido Republicano Brasileiro (PRB). 

Em 2007 e 2009, esteve entre os premiados pelo Portal Congresso em Foco como um dos principais deputados, sendo o único representante de Minas Gerais entre os escolhidos por jornalistas e votação popular.

Nas eleições de outubro de 2010, candidatou-se a reeleição, tendo sido eleito com 70.945 votos. Nesta legislatura, iniciada em fevereiro de 2011, atuou como titular na Comissão de Defesa do Consumidor e dedicou-se às discussões acerca de possíveis mudanças políticas e eleitorais, além de ter integrado o Conselho de Ética da Câmara.

Em janeiro de 2013, concorreu à presidência da Câmara dos Deputados para o biênio que se iniciava, mas os 165 votos que recebeu lhe renderam uma segunda colocação, quando foi eleito o candidato Henrique Eduardo Alves, do PMDB.

Casou-se com Luciana Moreira Borges e teve dois filhos

 

 


FONTES: Portal da Câmara dos Deputados. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br>. Acesso em 4/10/2013; Portal do Congresso em Foco. Disponível em: <http://www.congressoemfoco.uol.com.br/>. Acesso em 4/10/2013; Portal do jornal Folha de São Paulo. Disponível em: <http://www.folha.uol.com.br>. Acesso em 4/10/2013; Portal pessoal de Júlio Delgado. Disponível em: <http://www.juliodelgado.com.br>. Acesso em 4/10/2013; Portal do Tribunal Superior Eleitoral. Disponível em: <http://www.tse.jus.br>. Acesso em 4/10/2013.

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados