Carlos Marques Dunga

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: DUNGA, Carlos
Nome Completo: Carlos Marques Dunga

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:

DUNGA, Carlos

*dep. fed. PB 1999- 2007; sen. PB 2008-

  

Carlos Marques Dunga nasceu em Pombal (PB) no dia 7 de dezembro de 1945, filho de Pedro Marques Filho e de Judite Dunga Marques.

Proprietário rural no município de Boqueirão, situado no Cariri paraibano, entre 1962 e 1964 foi diretor do Colégio Comercial Padre Inácio, pertencente à Campanha Nacional de Escolas da Comunidade (CNEC) daquela cidade. No ano seguinte, assumiu a presidência da CNEC de Boqueirão, e nos anos de 1969 e 1970 foi gerente da Cooperativa Agrícola Mista do município.

Filiou-se em 1970 à Aliança Renovadora Nacional (Arena), partido de sustentação ao regime militar instaurado no país em abril de 1964. Em novembro de 1972, elegeu-se vice-prefeito de Boqueirão na chapa arenista encabeçada por Ernesto Heráclio do Rego, dando início à sua carreira política. Nesse mesmo ano, ingressou na Faculdade de Direito da Universidade Regional do Nordeste em Campina Grande (PB) e deixou a presidência da CNEC de Boqueirão.

Em novembro de 1976, lançou-se candidato do partido a prefeito de Boqueirão. Eleito com 3.716 votos cumpriu o mandato até 1980. Nesse período, no ano de 1978, formou-se advogado. Em 1982, filiou-se ao Partido Democrático Social (PDS), agremiação sucessora da Arena, elegendo-se, em novembro desse mesmo ano, deputado estadual pela Paraíba. Reelegeu-se em novembro de 1986, dessa vez filiado ao Partido da Frente Liberal (PFL). Ao longo da legislatura de 1987 a 1991, foi presidente e terceiro-vice-presidente da mesa, presidente da Comissão de Assuntos Fundiários e da Comissão de Economia e Finanças na Assembleia Legislativa paraibana. Em 1988, já filiado ao Partido Liberal, candidatou-se pela segunda vez a prefeito de Boqueirão, mas dessa vez foi derrotado perdendo a eleição por apenas 44 votos.

Em 1989, licenciou-se do mandato de deputado estadual para assumir a Secretaria da Agricultura, Irrigação e Abastecimento, no governo de Tarciso Buriti, permanecendo no cargo até o ano seguinte. Em 1990, filiou-se ao Partido da Renovação Nacional (PRN) e candidatou-se a mais um mandato de deputado estadual. Eleito, assumiu sua cadeira na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) em janeiro de 1991. No ano seguinte, transferiu-se para o Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB). Ainda em 1992, fez uma viagem a Cuba, em missão oficial, para tratar de assuntos e acordos nas áreas de saúde, agricultura e educação.

Líder do PMDB na Assembleia em 1993, licenciou-se do exercício do mandato por ter sido nomeado secretário de Cidadania e Justiça, na administração de Ronaldo Cunha Lima. Em outubro de 1994, candidatou-se pela quarta vez consecutiva a deputado estadual, pela legenda pemedebista, elegendo-se com a segunda maior votação do estado - 32.404 votos. Em 1996, foi designado delegado do diretório nacional do PMDB e no ano seguinte tornou-se líder do partido na ALPB.

A grande votação obtida no pleito estadual de 1994 foi um estímulo para candidatar-se a deputado federal em outubro de 1998, sempre pelo PMDB, tendo sido eleito com cerca de cinquenta mil votos. Encerrou o mandato de deputado estadual em janeiro de 1999 e foi empossado na Câmara dos Deputados em 1º de fevereiro seguinte

Participou como titular de algumas comissões especiais da Câmara dos Deputados, a saber: Fundo Nacional de Desenvolvimento do Semi-Árido; Benefícios aos Ex-Integrantes do Batalhão de Suez; Número de Vereadores; Regulamentação de Medidas Provisórias e Proteção dos Direitos da Juventude.

Filiado ao Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) em 2001, reelegeu-se deputado federal em outubro de 2002 e iniciou novo mandato em fevereiro de 2003. Entre 2005 e 2006, participou, na qualidade de titular, das comissões permanentes de Agricultura e Política Rural, Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural, e Viação e Transportes.

Em outubro de 2006, desistiu de disputar mais um mandato de deputado federal e candidatou-se a primeiro suplente de senador na chapa encabeçada por Cícero Lucena, do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), que se sagrou vitoriosa. Deixou a Câmara dos Deputados em janeiro de 2007, ao final da legislatura.

Em abril de 2008, tomou posse no Senado Federal na vaga de Cícero Lucena, afastado por licença médica. Na ocasião, ele adiantou que iria integrar a base de apoio do presidente Luís Inácio Lula da Silva, do Partido dos Trabalhadores (PT), para apresentar propostas na área de infraestrutura hídrica, medidas contra os efeitos da estiagem e transferência de recursos para a Paraíba. Com o retorno do titular, deixou o Senado em Julho de 2008.

Nas eleições de 2010, foi eleito deputado estadual em Pernambuco, com cerca de 18 mil votos.

Casou-se com Cícera de Castro Marques, com quem teve um filho, Carlos Marques Castro Júnior, o Dunga Júnior, eleito deputado estadual pelo PTB em outubro de 2006.

 

 

FONTES: Portal da Assembleia Legislativa do Estado da Paraíba. Disponível em: <http://www.al.pb.gov.br>. Acesso em 27/08/2013; Portal da Câmara dos Deputados. Disponível em: <http://www.camara.gov.br/>. Acesso em 27/08/2013; Portal do Jornal Paraíba Online. Disponível em: <http://www.paraibaonline.com.br>. Acesso em 27/08/2013; Portal do Senado Federal. Disponível em: http://www.senado.gov.br/. Acesso em 27/08/2013. Portal Terra. Disponível em: <http://www.terra.com.br>. Acesso em 27/08/2013.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados