DUTRA, OSMAR

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: DUTRA, Osmar
Nome Completo: DUTRA, OSMAR

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
DUTRA, OSMAR

DUTRA, Osmar

*dep. fed. SC 1963, 1966 e 1967-1969.

Osmar Dutra nasceu em Florianópolis no dia 20 de fevereiro de 1918, filho de Francisco Dutra Júnior e de Vitória Vieira Dutra.

Bacharel em direito pela Universidade de Santa Catarina, foi fiscal da Fazenda do estado, incorporador da Companhia Siderúrgica de Santa Catarina e acionista majoritário da Companhia Melhoramentos de Blumenau.

No pleito de outubro de 1962, elegeu-se primeiro-suplente de deputado federal por Santa Catarina na legenda da União Democrática Nacional (UDN), vindo a exercer o mandato de agosto a dezembro de 1963 e integrando-se à Frente Parlamentar Nacionalista, coligação suprapartidária que se batia pelas reformas de base e por restrições ao capital estrangeiro. Após a instalação do regime militar em abril de 1964, a extinção dos partidos políticos pelo Ato Institucional nº 2 (27/10/1965) e a posterior instauração do bipartidarismo, filiou-se à Aliança Renovadora Nacional (Arena), agremiação governista, e retornou à Câmara dos Deputados de maio a setembro de 1966. Ainda em 1966 foi designado pelo Ministério do Trabalho para representar o Poder Executivo da União nos atos de criação da Siderúrgica Santa Catarina (Sidesc), empresa de economia mista que estava sendo constituída.

Eleito em novembro de 1966 deputado federal por Santa Catarina na legenda da Arena, iniciou novo mandato em fevereiro de 1967. Em 16 de janeiro de 1969, contudo, teve seu mandato cassado e seus direitos políticos suspensos por dez anos com base no Ato Institucional nº 5, promulgado em 13 de dezembro do ano anterior, sob a acusação de apropriação indébita de recursos públicos ocorrida na constituição da Sidesc. Além da perda do mandato, também teve confiscados dois apartamentos, uma casa, um terreno, um hotel e dois barcos, que, segundo a Comissão de Investigação, teriam sido comprados com os recursos públicos. Após essa data, abandonou definitivamente a vida pública, passando a exercer a profissão de advogado em Brasília. Em 1972 transferiu-se para Curitiba e, posteriormente, retornou à Santa Catarina, onde continuou advogando nos municípios de Jaraguá do Sul e Camboriú.

Buscando de recuperar os bens confiscados, em 1986 obteve sentença favorável do Tribunal de Contas da União. Em 1987, o presidente José Sarney assinou decreto que lhe devolvia os bens. Três meses mais tarde, porém, alegando que as explicações de Dutra não eram esclarecedoras, Sarney assinou um segundo decreto anulando o primeiro.

No governo Fernando Henrique Cardoso (1995-1999), escreveu ao presidente e conseguiu apoio para a sua causa de Nelson Jobim, na época ministro da Justiça. Em agosto de 1997, o Senado aprovou um projeto determinando a restituição de seus bens. O Ministério Público Federal recorreu, contudo, à Justiça Federal, que no ano seguinte declarou nula a norma do Legislativo e determinou ao governo que se abstivesse de transferir os bens confiscados. Osmar Dutra voltou a recorrer da sentença, e em 2003 o Tribunal Regional Federal da 4ª Região confirmou o veredicto anterior, impedindo que a União lhe devolvesse os bens confiscados durante o regime militar.

Foi ainda fiscal da Fazenda.

Faleceu em Camboriú no dia 27 de agosto de 2009.

Casado com Maria Ventura Dutra, teve dois filhos.

Publicou Das nulidades dos atos jurídicos no direito civil (1954).

 

FONTES: ARQ. DEP. PESQ. JORNAL DO BRASIL; BALTHAZAR, R. Regime militar; CABRAL, O. Era; CABRAL, O. História; CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1963-1967 e 1967-1971); INF. BIOG.; Movimento de 5; OBITUÁRIO; PIAZZA, W.F. Dicionário político catarinense; TRIB. SUP. ELEIT. Dados (6 e 8); UNIÃO.

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados