FABIO CORREIA CAMARGO ARANHA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: ARANHA, Fábio Camargo
Nome Completo: FABIO CORREIA CAMARGO ARANHA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
ARANHA, FÁBIO CAMARGO

ARANHA, Fábio Camargo

*dep. fed. SP 1935-1937.

 

Fábio Correia de Camargo Aranha nasceu em Rio Claro (SP) em 1889, filho de José Correia de Camargo Aranha e Olívia Meira de Camargo Aranha, tradicional família paulista.

Formou-se na Faculdade de Direito do largo de São Francisco, em 1915.

No final da década de 1920, filiou-se ao Partido Democrático (PD) de São Paulo, que apoiou a candidatura de Getúlio Vargas à presidência da República nas eleições de março de 1930. Em janeiro desse ano, ainda durante a campanha eleitoral, participou da comitiva que recepcionou o candidato da Aliança Liberal em sua passagem por São Paulo.

Vitoriosa a Revolução de 1930 e instalado o Governo Provisório de Getúlio Vargas, Fábio Aranha foi eleito membro do diretório do PD durante o VII Congresso do partido, realizado em fevereiro de 1931. Por essa época já era grave o desentendimento entre o PD — frustrado em suas aspirações ao governo estadual — e o interventor federal João Alberto Lins de Barros. O conflito se radicalizou no dia 6 de abril, quando o partido lançou um manifesto rompendo com o interventor e pedindo a todos os seus membros que se demitissem dos cargos que ocupavam na administração estadual. Assinado entre outros por Fábio Aranha, o documento fora preparado no dia 24 de março, mas tivera sua publicação sustada a pedido de Vargas.

A substituição de João Alberto em julho de 1931 por Laudo Camargo não trouxe a pacificação a São Paulo, uma vez que os negócios do estado permaneceram sob o controle do governo federal. Já sob o governo de Manuel Rabelo, em 13 de janeiro de 1932 o PD lançou um manifesto rompendo definitivamente com Vargas e conclamando a população a lutar pela reconstitucionalização do país e o direito dos estados de escolherem seus governantes. Fábio Aranha foi um dos signatários desse novo documento e um dos articuladores da aproximação do PD com o Partido Republicano Paulista (PRP). Esses contatos resultaram na formação em 16 de fevereiro da Frente Única Paulista (FUP), cujo manifesto de lançamento foi também assinado por Fábio Aranha.

O confronto decisivo entre as forças paulistas e o governo federal se desencadeou em 9 de julho de 1932, com o início da Revolução Constitucionalista. Os revoltosos foram derrotados em outubro, mas a tese da reconstitucionalização prevaleceu, sendo convocadas no ano seguinte as eleições para a Assembléia Nacional Constituinte.

Nomeado interventor em São Paulo em agosto de 1933, Armando de Sales Oliveira fundou em fevereiro do ano seguinte o Partido Constitucionalista de São Paulo, continuador do PD. Após a promulgação da Constituição em julho, Fábio Aranha elegeu-se no pleito de outubro de 1934 suplente de deputado federal por São Paulo na legenda do Partido Constitucionalista. Assumiu o mandato no início da legislatura, em maio de 1935, e posteriormente, em 1937, aderiu à União Democrática Brasileira, coligação formada em âmbito nacional para apoiar a candidatura de Armando Sales à presidência nas eleições previstas para 1938. Exerceu o mandato até 10 de novembro de 1937, quando o golpe do Estado Novo suprimiu os órgãos legislativos do país.

Afastado da vida pública desde então, dedicou-se à advocacia e ao estudo da vida e obra de Álvares de Azevedo.

Faleceu em São Paulo em 1958.

Era casado com Mercedes Guimarães de Camargo Aranha, com quem teve dois filhos.

 

FONTES: Boletim Min. Trab. (5/36); CÂM. DEP. Deputados; Diário do Congresso Nacional; INF. FAM.; LEITE, A. História; LEITE, A. Martírio; LEITE, A. Memórias.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados