FABRICIO, JOSE DAUDT

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: FABRÍCIO, José Daudt
Nome Completo: FABRICIO, JOSE DAUDT

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
FABRÍCIO, JOSÉ DAUDT

FABRÍCIO, José Daudt

*militar; comte. ESG 1960-1961.

 

José Daudt Fabrício nasceu em Porto Alegre no dia 20 de abril de 1898, filho de José Luís Fabrício Júnior e de Ida Daudt Fabrício.

Ingressou na Escola Militar do Realengo no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, em fevereiro de 1916, tornando-se aspirante em dezembro de 1918. Foi promovido a segundo-tenente em dezembro de 1919, a primeiro-tenente em janeiro de 1921, a capitão em dezembro de 1922 e a major em outubro de 1934.

Recebendo a patente de tenente-coronel em março de 1940, passou a coronel em abril de 1943, exercendo nesse posto, de 1948 a 1949, a chefia de gabinete do general Canrobert Pereira da Costa, então ministro da Guerra. Promovido em fevereiro deste último ano a general-de-brigada, comandou a Escola de Comando e Estado-Maior do Exército (ECEME) em 1951 e a Infantaria Divisionária da 5ª Região Militar (RM), sediada em Curitiba, em 1952. Em 1954 assumiu o comando da 5ª RM.

Foi promovido a general-de-divisão em junho de 1955, ocupando nesse ano a primeira subchefia do Estado-Maior do Exército. Atingiu a patente de general-de-exército em julho de 1959 e em março do ano seguinte foi nomeado comandante da Escola Superior de Guerra (ESG), sucedendo ao marechal Artur Hescket Hall. Exerceu essa função até outubro de 1961, transferindo o cargo ao almirante Luís Teixeira Martins. Em julho de 1963, foi promovido a marechal.

José Daudt Fabrício foi ainda engenheiro-chefe e comandante do 1º Batalhão Rodoviário, adido militar junto à embaixada do Brasil na Argentina e diretor de Armas do Exército. Fez os cursos de engenharia, de aperfeiçoamento de oficiais, de estado-maior do Exército, de geodésia e astronomia e de grandes estruturas da Escola Nacional de Engenharia. Bacharelou-se em matemática e ciências físicas e cursou a Escola Superior de Guerra. Foi o responsável pela construção da rodovia que liga Curitiba a Ponta Grossa, no Paraná, e da hidrelétrica de Piquete, no Rio de Janeiro. Bacharelou-se em ciências físicas e cursou a ESG.

Faleceu no Rio de Janeiro, no dia 2 de dezembro de 1991.

Era casado com Marina Ferraz Fabrício, com quem teve uma filha adotiva.

 

 

FONTES: CORRESP. ESC. SUP. GUERRA; FICHÁRIO PESQ. M. AMORIM; Jornal do Brasil (3/12/91); MIN. GUERRA. Almanaque (1946).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados