Florisvaldo Fier

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: DOUTOR ROSINHA
Nome Completo: Florisvaldo Fier

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:

DOUTOR ROSINHA

*dep.fed. PR 1999-2003, 2003-2007, 2007-2011, 2011-

 



Florisvaldo Fier, também conhecido como Dr. Rosinha, nasceu em Rolândia (PR) no dia 12 de novembro de 1950, filho de Sebastião Basílio Fier e Uracy Sanches Fier. Seu pai foi agricultor familiar na região de Rolândia.

Começou a trabalhar ainda adolescente como agricultor familiar ao mesmo tempo em que se dedicava aos estudos. Em 1969 mudou-se para Curitiba, onde concluiu o ensino médio e, a partir de 1971, freqüentou o curso de medicina na Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Paraná formando-se em 1976. Após formar-se trabalhou como médico pediatra na clínica de pediatria e puericultura do Hospital da Criança César Perneta em Curitiba (PR) entre 1977 e 1978 e exerceu a medicina em bairros da periferia da capital paranaense. A partir do exercício de suas atividades profissionais e de seu contato com problemas sanitários da população de baixa renda, Dr. Rosinha começou a atuar em movimentos sociais dos bairros da capital paranaense. A partir de 1980 tornou-se médico concursado da prefeitura de Curitiba, ao mesmo tempo em que iniciou suas atividades sindicais na categoria. No mesmo ano foi um dos fundadores tornando-se posteriormente presidente do Centro Brasileiro de Estudos da Saúde (CEBES) em Curitiba, cargo que exerceu até 1982.

Juntamente com suas atividades sindicais participou da fundação do Partido dos Trabalhadores (PT) e da Central Única dos trabalhadores (CUT) no Paraná, filiando-se ao partido em 1981. Em 1984 foi eleito secretário-geral da Associação dos Servidores Municipais de Curitiba, exercendo a presidência da entidade entre 1985 e 1987. Neste último ano, tornou-se membro do Diretório Estadual do PT no estado do Paraná. No pleito de 1988 elegeu-se vereador de Curitiba com 4.441 votos, tendo sido líder do partido na Câmara de Vereadores até 1991 quando renunciou ao mandato para assumir uma cadeira de deputado estadual na Assembléia Legislativa do Paraná (ALEP), para a qual havia sido eleito em outubro do ano anterior. Entre 1988 e 1990, simultaneamente com seu mandato como vereador, exerceu também a vice-presidência da Associação dos Servidores Municipais de Curitiba.

No pleito de outubro de 1992 candidatou-se à prefeitura de Curitiba pelo PT mas não conseguiu eleger-se obtendo a quarta colocação com 40.567 votos. No mesmo ano tornou-se membro da Comissão Executiva do PT no estado do Paraná permanecendo no cargo até 1995. Em outubro de 1994 reelegeu-se deputado estadual com 10.145 votos exercendo o mandato até 1998. Em 1995 foi eleito para a direção nacional do SEBES. Durante seus mandatos como deputado participou ativamente das lutas de diversas categorias de trabalhadores, tais como servidores públicos, professores, estudantes, trabalhadores sem-terra e sem-teto

No pleito de outubro de 1998 Dr. Rosinha foi eleito para o seu primeiro mandato de deputado federal com 34.769 votos. Nessa legislatura foi vice-líder do PT na Câmara dos Deputados entre 2001 e 2002, membro da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Nike e da Comissão Parlamentar Conjunta do Mercosul participando ativamente das articulações voltadas à formação do mercado comum com os países da América do Sul e posicionando-se veementemente contrário à adesão do Brasil à Área de Livre Comércio das Américas (Alca). Votou ainda a favor do fim dos juízes classistas, da restrição à emissão de Medidas Provisórias, da demissão dos servidores públicos por insuficiência de desempenho, da proibição do nepotismo, e foi contra a recriação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), o fator previdenciário, e a desvinculação das receitas da união.

Nas eleições de outubro 2002 foi reeleito com 124.126 votos, num contexto de grande crescimento do PT a nível nacional. No mesmo pleito Luis Inácio Lula da Silva, do PT, elegeu-se presidente da República derrotando seu oponente José Serra, do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB). Assumiu o mandato em fevereiro de 2003 ocupando a presidência da Comissão Parlamentar do Mercosul e participando ativamente das articulações visando à formação do Parlamento do Mercosul. No final deste ano lançou-se pré-candidato à prefeitura de Curitiba pela ala esquerda de seu partido, contrapondo-se à facção que defendia uma aliança com o PMDB nas eleições municipais. No entanto, sua candidatura foi derrotada na convenção municipal do PT por Ângelo Vanhoni, que defendia uma coligação com o PMDB no plano municipal e estadual. No ano seguinte, Dr. Rosinha foi eleito um dos parlamentares mais influentes do Congresso Nacional em publicação do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (DIAP). Ainda no final de 2004, juntamente com outros parlamentares do PT descontente com os rumos do governo Lula, especialmente na área econômica, foi um dos signatários da “Carta aos Petistas”, pedindo mudanças na política econômica, mais participação popular nas decisões de governo e a retomada do diálogo com os movimentos sociais.

Em maio de 2005 por ocasião das denúncias de corrupção na Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, foi um dos signatários juntamente com outros dezessete deputados do PT do requerimento propondo uma CPMI para investigar a denúncia de pagamento de propinas na instituição. Na ocasião, sua postura foi duramente criticada por dirigentes partidários que consideravam que a CPMI era um mero instrumento da oposição com o objetivo de desgastar o governo Lula e lideranças do partido envolvidas no escândalo no “mensalão” como ficou conhecido o pagamento a parlamentares por líderes governistas em troca de apoio nas votações em plenário. Em setembro do mesmo ano foi candidato derrotado da tendência Democracia Socialista na disputa pela presidência do Diretório Estadual do PT no Paraná.

Em outubro de 2006, após longas negociações das quais Rosinha participou ativamente, o Congresso Nacional aprovou a criação do Parlamento do Mercosul (Parlasul) e do Fundo para a Convergência Estrutural e Fortalecimento da Estrutura Institucional do Mercosul (Focem), destinado a financiar programas para reduzir as diferenças estruturais, jurídicas e econômicas entre os países do Mercosul. No mesmo mês elegeu-se para o terceiro mandato consecutivo de deputado pelo PT com 69.349 votos.

Assumindo o mandato em fevereiro do ano seguinte nessa legislatura foi membro das comissões de Relações Exteriores e de Defesa Nacional, e de Seguridade Social e Família. Em 7 de maio de 2007, foi eleito vice-presidente do Parlamento do Mercosul. Nessa condição, manifestou-se amplamente favorável à entrada da Venezuela, presidida por Hugo Chávez, no Mercosul, sendo ainda um dos principais articuladores da entrada deste país no bloco comercial. Em outubro deste ano, na condição de relator da mensagem do Executivo favorável à entrada da Venezuela no Mercosul, Rosinha deu parecer favorável a esta medida, contrapondo-se à tese de alguns parlamentares oposicionistas de que não seria possível a entrada da Venezuela no Mercosul por não existir democracia neste país.

No dia 28 de junho de 2008 Dr. Rosinha assumiu a presidência do Parlamento do Mercosul em cerimônia realizada na província de Tucumán, Argentina. Após tomar posse no cargo, participou ativamente do processo de formação da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila), com sede em Foz do Iguaçu, e previsão de iniciar suas atividades no início de 2010.

Em agosto de 2009, Dr. Rosinha apresentou um projeto de Resolução interrompendo a tramitação no Congresso Nacional de todos os acordos firmados entre Brasil e Honduras, enquanto durasse o golpe de Estado contra o presidente Manuel Zelaya, afastado do cargo após a tentativa de organizar um referendo para prorrogar o seu mandato à revelia do parlamento daquele país. Nesse período, também posicionou-se veementemente contrário à proposta da bancada ruralista de se instalar uma CPMI para investigar os supostos repasses irregulares feitos pelo governo ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Em 2010, assumiu a vice-liderança do PT na Câmara e, em Outubro, foi candidato a um novo mandato. Na ocasião, obteve mais de 90 mil votos, tendo sido reeleito e empossado na nova legislatura iniciada em Fevereiro de 2011.

No primeiro ano do novo mandato, posicionou-se de maneira crítica ao texto proposto por Aldo Rebelo para um novo Código Florestal Brasileiro, ao qual se opôs e caracterizou como um retrocesso. Ainda em 2011, buscou viabilizar sua pré-candidatura à prefeitura de Curitiba nas eleições de 2012, porém, acabou preterido pelo PT, que optou por integrar a coligação com o pedetista Gustavo Fruet. Na continuidade do exercício do mandato, em 2012, apresentou uma proposta de emenda à Constituição, segundo a qual concedia aos eleitores requererem regime de urgência para a tramitação e votação de determinados projetos.   No ano seguinte, assumiu a presidência da Comissão Permanente de Seguridade Social e Família.

 

 

FONTES: Portal da Câmara dos Deputados. Disponível em: <http://www2.camara.gov.br>. Acesso em 12/10/2009 e 27/08/2014; Portal Congresso Aberto. Disponível em: <http://www.congressoaberto.com.br>. Acesso em 14/10/2009; Portal Congresso em Foco. Disponível em: <http://congressoemfoco.ig.com.br>. Acesso em 14/10/2009 e 27/08/2014; Portal O Estado de São Paulo. Disponível em: <http://www.politica.estadao.com.br/noticias/>. Acesso em 27/08/2014; Portal Folha de S. Paulo. Disponível em: <http://www.folha.uol.com.br>. Acesso em 12/10/2009; Portal Paraná Online. Disponível em: <http://www.parana-online.com.br>. Acesso em 12/10/2009; Portal pessoal de Dr. Rosinha. Disponível em: <http://drrosinha.com.br>. Acesso em 27/08/2014; Portal do Tribunal Superior Eleitoral. Disponível em: <http://www.tse.gov.br>. Acesso em 12/10/2009 e 27/08/2014; Portal Vigilantes da Democracia. Disponível em: <http://www.vigilantesdademocracia.com.br>. Acesso em 14/10/2009.

 


Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados