FORTES, Márcio (2)

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: FORTES, Márcio (2)
Nome Completo: FORTES, Márcio (2)

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
ALMEIDA, Márcio Fortes de

FORTES, Márcio

*diplomata; min. Cidades 2005-

 

Márcio Fortes de Almeida nasceu no Rio de Janeiro no dia 9 de agosto de 1941, filho de Washington Augusto de Almeida e de Ângela Fortes de Almeida.

Estudou no Colégio Militar do Rio de Janeiro, cursou a Faculdade Nacional de Direito da Universidade do Brasil e fez o curso de preparação à carreira de diplomata do Instituto Rio Branco. Concluiu este último em 1963, sendo nomeado terceiro-secretário, bacharelou-se em ciências jurídicas e sociais em 1965 e fez o doutorado em direito público em 1967.

Em 1964, foi designado chefe substituto da Divisão das Nações Unidas do Ministério das Relações Exteriores (MRE) e tornou-se também assessor do exame para o Rio Branco. Assistente do secretário-geral do Itamaraty em 1965-1966, nesse último ano foi promovido a segundo-secretário. No período seguinte, até 1973, foi examinador e professor de português do Instituto Rio Branco e esteve à disposição da Assessoria Especial da Presidência da República. Foi assessor do ministro da Indústria e do Comércio Marcus Vinícius Pratini de Morais em viagens ao exterior entre 1970 e 1973, quando foi promovido a primeiro-secretário e passou a assessor-chefe do Gabinete do ministro. Serviu em Madri de 1974 a 1977 . Em licença de 1978 a 1980, assessorou nesse período a seção brasileira do Conselho Empresarial Brasil-Estados Unidos, e foi pesquisador e chefe da assessoria da Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior (Funcex), até 1987. De 1980 a 1988 esteve à disposição do Ministério da Fazenda, e nos anos seguintes serviu no Escritório de Representação do MRE no estado do Rio de Janeiro. Também nesse período, em 1981, foi promovido a conselheiro.

                Em 1992, no governo Fernando Collor de Mello (1990-1992), foi posto à disposição do Ministério de Minas e Energia e nomeado secretário-executivo da pasta, na gestão de Pratini de Morais. Nos governos Itamar Franco (1992-1994) e Fernando Henrique Cardoso (1995-2002), presidiu os conselhos de administração de várias estatais como Furnas, Companhia Siderúrgica Nacional, Eletrobrás, Embrapa e Companhia Nacional de Abastecimento; foi também secretário-executivo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, mais uma vez na gestão de Pratini de Morais (1999-2002).

Em 6 de janeiro de 2003, no início do governo Lula (2003-) foi nomeado secretário-executivo do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, sob o comando de Luís Fernando Furlan. Em fevereiro de 2003, foi investigado pelo Ministério Público Federal e pela Controladoria Geral da União (CGU) por supostas irregularidades cometidas, ainda no governo FHC, na contratação das empresas de informática Poliedro e TBA; de acordo com as denúncias, teria permitido a duplicidade dos contratos para a prestação de serviços considerados “desnecessários”, o que teria rendido 11,5 milhões de reais às duas empresas. Defendeu-se dizendo que, como secretário-executivo, apenas assinara os contratos após apresentação de pareceres técnicos e jurídicos; as irregularidades, observadas em sindicância que ele próprio abrira, haviam ocorrido durante a fase de execução. O então ministro da Agricultura Roberto Rodrigues o eximiu de responsabilidade no caso, o que não foi aceito pela CGU. Em abril de 2005, o Tribunal de Contas da União arquivou o processo.

                Em julho de 2005 foi nomeado ministro das Cidades em substituição a Olívio Dutra, após indicação do então presidente da Câmara dos Deputados, Severino Cavalcanti, do Partido Progressista (PP). Apesar de não ter filiação partidária, aproximara-se do PP por seu trabalho em conjunto com Pratini de Morais, quando obteve reconhecimento por seu perfil técnico. Com o lançamento do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) em 2007, o Ministério das Cidades ficou responsável pela maior parte dos convênios e obras a serem realizadas nos estados e municípios para a execução do programa.

Casou-se com Elma Fortes de Almeida e teve três filhos.

 

 

FONTES: Folha de S.Paulo (19/6/05 e 13/6/07); Folha de S.Paulo (online) 19 jul. 2005 e 13 jun. 2007. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult 96u70648.shtml>,<http://www1.folha.uol.com.br/fsp/brasil/fc1306200718.htm>. Aces- so em: 10 nov. 2009; MIN. REL. EXT. Anuário (1992); Portal Ministério das Cidades. Disponível em: <http://www.cidades.gov.br>. Acesso em: 10 nov. 2009; Portal Minis- tério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio. Notícias (6/1/03). Disponível em: <http://www.mdic.gov.br/sitio/interna/noticia.php?area=1&noticia=4988>; Currículo. Disponível em : <http://www2.desenvolvimento.gov.br/arquivo/ascom/curriculos/cv MarcioFortes.pdf>. Acesso em : 09 e 10 nov. 2009.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados