GLICERIO ALVES DE OLIVEIRA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: ALVES, Glicério
Nome Completo: GLICERIO ALVES DE OLIVEIRA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
ALVES, GLICÉRIO

ALVES, Glicério

*rev. 1930; rev. 1932; const. 1946; dep. fed. RS 1946-1951.

 

Glicério Alves de Oliveira nasceu em Rio Pardo (RS) no dia 8 de setembro de 1893, filho do pecuarista, coronel da Guarda Nacional e líder político no interior gaúcho Manuel Alves de Oliveira e de Rosália de Oliveira. Seu irmão Ernesto Alves foi propagandista da República.

Glicério Alves realizou os estudos universitários na Faculdade de Direito de Porto Alegre e, ainda acadêmico, atuou, em 1915, como juiz distrital em Ijuí (RS). Bacharelando-se em 1917, no ano seguinte passou a exercer a função de promotor público em Cachoeira, atual Cachoeira do Sul (RS).

Subchefe de polícia da 4ª Região, numa época em que as rivalidades políticas gaúchas chegavam ao auge, acabando por conduzir à deflagração da Revolução de 1923, filiou-se ao Partido Republicano Rio-Grandense (PRR). Membro de sua comissão executiva em Cachoeira, foi eleito conselheiro municipal nessa cidade e, em 1929, assumiu uma cadeira na Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul. Em agosto do mesmo ano passou a integrar a Frente Única Gaúcha (FUG), formada nesse mês a partir da coligação entre o PRR e o Partido Libertador (PL) com o objetivo de dar apoio à candidatura de Getúlio Vargas à presidência da República, lançada pela Aliança Liberal.

Participou da Revolução de 1930 como integrante da coluna chefiada pelo líder republicano gaúcho José Antônio Flores da Cunha, tendo presenciado o encontro, realizado na cidade paulista de Itararé, entre as forças revolucionárias e legalistas, que resultou na rendição das últimas quando souberam da deposição, no Distrito Federal, do presidente Washington Luís. Em 1932 incorporou-se às forças gaúchas que apoiaram o movimento constitucionalista de São Paulo, atuando em abril desse ano como emissário do líder republicano Antônio Augusto Borges de Medeiros ao Rio de Janeiro, a São Paulo e a Minas Gerais com a finalidade de sondar as condições para a deflagração de uma revolução. Iniciado o movimento insurrecional em São Paulo em julho de 1932, atuou em operações militares no Rio Grande do Sul, tendo participado, juntamente com Lindolfo Collor, João Batista Luzardo e mais 40 homens, da depredação da linha férrea entre Santa Maria e Tupãciretã. Com a derrota do movimento em outubro de 1932, exilou-se por dois anos no Uruguai.

Após o fim do Estado Novo (1937-1945), elegeu-se, em dezembro de 1945, deputado pelo Rio Grande do Sul à Assembléia Nacional Constituinte (ANC) na legenda do Partido Social Democrático (PSD), assumindo sua cadeira em fevereiro de 1946. Favorável à manutenção da Constituição de 1937, opôs-se à proposta da União Democrática Nacional (UDN) de se elaborar um projeto de normas gerais em substituição à Carta ainda vigente. Como constituinte, combateu o comunismo e o Partido Comunista Brasileiro (PCB), tendo sido favorável à invocação da “proteção de Deus” no preâmbulo da Constituição. Foi contrário à anistia, ao direito de greve e à participação obrigatória dos trabalhadores nos lucros das empresas, tendo sugerido a criação de um imposto social em sua substituição. Defendeu a adoção do parlamentarismo e apresentou emenda extinguindo as polícias militares estaduais. Após a promulgação da nova Carta (18/9/1946), permaneceu no exercício do mandato ordinário até janeiro de 1951, tendo integrado nessa legislatura a Comissão Permanente de Diplomacia da Câmara dos Deputados.

Após a vitória do movimento político-militar de 31 de março de 1964, foi presidente do PSD no Rio Grande do Sul.

Glicério Alves foi ainda pecuarista, consultor jurídico do Banco do Brasil e secretário de Educação do estado do Rio Grande do Sul.

Faleceu no dia 10 de setembro de 1967.

Era casado com Antonieta Pires Alves, com quem teve quatro filhos. Publicou diversos trabalhos jurídicos e políticos, além de ter sido colaborador do Suplemento Rural do Correio do Povo de Porto Alegre.

 

 

FONTES: Álbum; BRAGA, S. Quem foi quem; CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1947-1951); CÂM. DEP. Relação dos deputados; CÂM. DEP. Repertório biográfico (1946-1967); Diário do Congresso Nacional; DULLES, J. Getúlio; ENTREV. PEIXOTO, A.; GIRÃO, R. Ceará; SILVA, G. Constituinte; SILVA, H. 1930; TRIB. SUP. ELEIT. Dados (1).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados