GURGEL, MARIO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: GURGEL, Mário
Nome Completo: GURGEL, MARIO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
GURGEL, MÁRIO

GURGEL, Mário

*dep. fed. ES 1967-1969.

 

Mário Gurgel nasceu em Porto Velho no dia 12 de junho de 1922, filho de Luís Gurgel e de Flora Campos Gurgel.

Comerciário, radicou-se no Espírito Santo, onde iniciou sua carreira política em 1951 como vereador à Câmara Municipal de Vitória. Reeleito em 1954, bacharelou-se no ano seguinte em ciências jurídicas e sociais pela Faculdade de Direito do Espírito Santo, dedicando-se também ao magistério. Nesse mesmo ano afastou-se durante alguns meses da Câmara de Vereadores para ocupar o cargo de oficial-de-gabinete do governador Francisco Lacerda de Aguiar (1955-1959). De volta à Câmara, ainda em 1955, ocupou a sua presidência até junho de 1957, quando assumiu a prefeitura de Vitória em virtude do afastamento do prefeito Adolfo Poli Monjardim. Permaneceu no cargo até agosto de 1958, sendo substituído por Osvaldo Cruz Guimarães e retornando então à Câmara de Vereadores.

No pleito de outubro de 1958 elegeu-se deputado estadual no Espírito Santo na legenda do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), assumindo o mandato em fevereiro do ano seguinte. Reeleito em outubro de 1962 na legenda do Partido Social Progressista (PSP), após o movimento político-militar de 31 de março de 1964, com a extinção dos partidos políticos pelo Ato Institucional nº 2 (27/10/1965) e a posterior instauração do bipartidarismo, filiou-se ao Movimento Democrático Brasileiro (MDB), de oposição ao regime militar. Nessa legenda elegeu-se deputado federal pelo Espírito Santo em novembro de 1966, sendo o candidato mais votado de seu partido no estado. Assumiu a cadeira na Câmara dos Deputados em fevereiro de 1967, após haver deixado a Assembléia Legislativa no mês anterior.

Em fevereiro de 1969 teve o mandato cassado e os direitos políticos suspensos por dez anos com base no Ato Institucional nº 5 (AI-5), editado em 13 de dezembro do ano anterior.

Após a sua cassação, advogou em Brasília, Rio de Janeiro e Vitória, em escritórios particulares, e no Grupo Buas S.A. Em agosto de 1979, teve seus direitos políticos restabelecidos em virtude da assinatura da Lei da Anistia pelo presidente da República, general João Batista Figueiredo. Organizador e primeiro presidente do Partido Democrático Trabalhista (PDT) no Espírito Santo, agremiação liderada nacionalmente por Leonel Brizola, entre 1983 e 1984 foi presidente do Instituto Estadual para o Bem-Estar do Menor, sediado em Vitória. Foi secretário de Ação Social da Prefeitura de Vitória de 1986 a 1987.

A partir de então afastou-se da vida pública, dedicando-se ao exercício da advocacia e à Casa do Menino, entidade criada por ele na capital capixaba e voltada para a proteção de menores abandonados.

Faleceu em Vitória no dia 4 de janeiro de 1996.

Era casado com Heli Ferreira Gurgel, com quem teve cinco filhos.

 

FONTES: ARQ. DEP. PESQ. JORNAL DO BRASIL; CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1967-1971); COUTINHO, A. Brasil; DERENZI, L. Biografia; INF. Antônio de Pádua Ferreira Gurgel; NOVAIS, M. História; TRIB. SUP. ELEIT. Dados (4, 6 e 8).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados