HENRIQUE RODRIGUES VALE

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: VALE, Henrique
Nome Completo: HENRIQUE RODRIGUES VALE

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
VALE, HENRIQUE

VALE, Henrique

*diplomata; emb. Bras. URSS 1964-1968; emb. Bras. OEA 1969 e 1970.

 

Henrique Rodrigues Vale nasceu em Corumbá (MS), então no estado de Mato Grosso, no dia 26 de maio de 1915, filho de Henrique Lopes Vale, guarda-mor da alfândega, e de Adelgícia Rodrigues Vale.

Ingressando na carreira diplomática, em março de 1939 foi designado cônsul de terceira classe e em janeiro de 1942 tornou-se secretário da Seção de Segurança Nacional do Ministério das Relações Exteriores. Também nesse ano integrou a delegação do Brasil à III Reunião de Consulta dos Ministros das Relações Exteriores das Repúblicas Americanas, realizada no Rio de Janeiro, então Distrito Federal. Removido para Nova Iorque, aí exerceu provisoriamente as funções de vice-cônsul até fevereiro de 1945, quando se transferiu para a embaixada do Brasil em Washington como terceiro-secretário. Secretariou a delegação brasileira à Conferência Interamericana sobre Problemas da Guerra e da Paz, no México, e a representação brasileira na conferência da Organização Internacional, atual Organização das Nações Unidas (ONU), em São Francisco, Estados Unidos, no mês de abril. De julho a dezembro de 1945 serviu como terceiro-secretário na embaixada brasileira em Londres, onde secretariou a delegação brasileira à Reunião do Comitê Executivo da Comissão Preparatória da Organização Internacional das Nações Unidas, realizada em agosto. Promovido a segundo-secretário em dezembro desse ano, permaneceu na capital inglesa até 1946.

Segundo-secretário da missão brasileira junto às Nações Unidas no período de março de 1946 a julho de 1949, ainda em 1946 secretariou a delegação brasileira à I Sessão da Assembléia Geral da ONU, em Nova Iorque. No ano seguinte integrou as delegações do Brasil à Sessão Extraordinária da Assembléia Geral da ONU, realizada no mês de abril em Nova Iorque, e à II Sessão da Assembléia Geral da entidade, realizada na mesma cidade, em setembro. De fevereiro de 1947 até o ano seguinte, foi membro da Comissão brasileira junto ao Conselho de Segurança da ONU. Em janeiro de 1948, integrou a delegação do Brasil no Comitê Interino da ONU, em Nova Iorque, e, em setembro, a delegação enviada à III Sessão da Assembléia Geral da entidade, em Paris. Em setembro de 1949 participou da delegação brasileira que compareceu à IV Sessão daquela assembléia, realizada em Nova Iorque.

Auxiliar do chefe do Departamento Político e Cultural do Itamarati em março de 1950, tornou-se em junho seguinte chefe interino da Comissão de Organismos Internacionais. Ainda nesse mês foi promovido a primeiro-secretário e em setembro integrou a delegação brasileira à IV Sessão da Assembléia Geral da ONU. Em março de 1951 ficou à disposição do Estado-Maior das Forças Armadas para cursar a Escola Superior de Guerra (ESG). Em dezembro desse ano transferiu-se para a embaixada brasileira em Santiago do Chile, tendo integrado em fevereiro de 1952 a delegação brasileira à Reunião da Comissão Econômica para a América Latina (CEPAL) da ONU, reunida naquela cidade. Alternou-se na função de encarregado de negócios com o embaixador do Brasil no Chile, Ciro de Freitas Vale, entre novembro de 1952 e maio de 1955. Nesse período, atuou como delegado brasileiro à reunião da CEPAL e, em fevereiro de 1954, tornou-se conselheiro da embaixada. Ocupou esse posto até fevereiro do ano seguinte, quando foi promovido a ministro de segunda classe. Ainda em 1955 foi nomeado cônsul-geral em Nova Orleans, nos Estados Unidos. Em junho de 1956 tornou-se ministro-conselheiro do Brasil em Washington. Em agosto seguinte participou da X Sessão da Assembléia Geral da ONU, em Nova Iorque, na qualidade de delegado-suplente. Nesse período exerceu, em diversas oportunidades, a função de encarregado de negócios nos Estados Unidos durante as freqüentes viagens do embaixador Ernâni Amaral Peixoto ao Brasil. Em julho de 1959 tornou-se chefe do gabinete do ministro da Viação e Obras Públicas, Amaral Peixoto (1959-1961), função que exerceu até janeiro de 1961. Em setembro desse ano foi promovido a ministro de primeira classe e, em dezembro, tornou-se secretário-geral adjunto para Assuntos Americanos do Itamarati, função que exerceria até 1963.

Em janeiro de 1962 atuou como delegado do Brasil à VIII Reunião de Consulta dos Ministros das Relações Exteriores das Repúblicas Americanas, em Santiago do Chile. Em março foi secretário-geral interino de Política Exterior do Itamarati. Em agosto chefiou a delegação brasileira ao segundo período de sessões da Conferência das Partes Contratantes do Tratado de Montevidéu, na cidade do México. No mês seguinte atuou como representante suplente da delegação do Brasil às primeiras reuniões anuais do Conselho Interamericano Econômico e Social (CIES), também na cidade do México. Em outubro tornou-se chefe da Sessão de Segurança Nacional do Itamarati e em dezembro novamente secretário-geral interino de Política Exterior. Ainda em 1962, integrou a Comissão de Planejamento Político do Itamarati. Em fevereiro de 1963 foi nomeado chefe do gabinete do ministro das Relações Exteriores, Hermes Lima (1962-1963). Nesse mesmo mês integrou a Comissão de Nacionalização das Empresas Concessionárias de Serviços Públicos. Em maio exerceu a função de secretário-geral de Política Exterior do Itamarati e, do mês seguinte até julho, a de ministro de Estado interino, em substituição ao titular Evandro Lins e Silva (1963).

Ainda em 1963 presidiu o Grupo de Estudo e Reforma do Ministério das Relações Exteriores para o plano de execução da Reforma Administrativa do Serviço Público da União. Em março de 1964 assumiu o posto de embaixador do Brasil na União Soviética, em substituição a Miguel Álvaro Osório de Almeida. Em junho de 1965 participou da Reunião de Chefes de Missão do Leste Europeu, em Viena, na Áustria, encontro que se estendeu até o mês seguinte. Em janeiro de 1969, deixou a embaixada da União Soviética, sendo substituído por Ilmar Pena Marinho. Nesse mesmo ano atuou como embaixador junto à Organização dos Estados Americanos (OEA), função que tornaria a exercer no ano seguinte. Também em 1970 chefiou a delegação brasileira à Reunião Extraordinária do Conselho Interamericano para a Educação, Ciência e Cultura (CIECC), realizada em Washington. Em seguida tornou-se embaixador do Brasil em Copenhague, na Dinamarca, cargo que ocupou até 1972, quando passou para a Secretaria de Estado, onde permaneceu até o ano seguinte.

Faleceu no Rio de Janeiro em 29 de janeiro de 1979.

Foi casado com Gissa Rodrigues Vale, com quem teve dois filhos.

 

 

FONTES: Encic. Mirador; Jornal do Brasil (31/1/79); MENDONÇA, R. Dic.; MIN. REL. EXT. Anuário (1964, 1968 e 1973).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados