HERBERT MAIA DE VASCONCELOS

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: VASCONCELOS, Herbert
Nome Completo: HERBERT MAIA DE VASCONCELOS

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
VASCONCELOS, HERBERT

VASCONCELOS, Herbert

*militar; dep. fed. SP 1951-1955.

 

Herbert Maia de Vasconcelos nasceu em Sete Lagoas (MG) no dia 14 de junho de 1888, filho de Filipe de Castro e Vasconcelos e de Loiola Maia Vasconcelos.

Após diplomar-se pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, então Distrito Federal, ingressou, em dezembro de 1917, no serviço de saúde do Exército, ocupando a patente de primeiro-tenente. Concluiu o curso de aperfeiçoamento da Escola de Saúde em 1921, assim como o curso de cardiologia e tisiologia. Promovido a capitão em julho de 1922, logo em seguida participou ao lado das forças legalistas da repressão à Revolta de 5 de Julho de 1924, ocorrida em São Paulo. Major em 1936 e tenente-coronel em agosto de 1941, durante a Segunda Guerra Mundial organizou um plano preventivo de socorro à população de Recife, que esteve várias vezes ameaçada pelo perigo de ataques aéreos. Nessa ocasião organizou e foi o diretor do Hospital Militar daquela cidade, tendo também chefiado interinamente o serviço de saúde da 7ª Região Militar (7ª RM).

Ao fim do conflito mundial, exerceu o cargo de vice-diretor do Hospital Central do Exército, onde foram recolhidos e tratados quase dois mil expedicionários que regressaram feridos ao Brasil. Em dezembro de 1945 foi promovido a coronel e dois anos depois foi nomeado chefe do serviço de saúde da 2ª RM. Exerceu ainda os cargos de diretor do Hospital Militar de São Paulo e de secretário de Saúde Pública e Assistência Social do estado de São Paulo, sendo promovido em 1948 a general-de-brigada e passando pouco depois para a reserva.

No pleito de outubro de 1950 elegeu-se suplente de deputado federal por São Paulo na legenda do Partido Social Progressista (PSP), tendo sido, ao longo do período legislativo, convocado inúmeras vezes. Quando das discussões a respeito da criação da Petrobras, participou de uma comissão especial da Câmara dos Deputados encarregada de examinar e dar parecer sobre as 32 emendas propostas pelo Senado ao projeto da União Democrática Nacional (UDN). A comissão manifestou-se, de modo geral, pela manutenção do projeto inicial, não aceitando as emendas que possibilitavam o controle da Petrobras pela iniciativa privada. A Câmara aprovou os pareceres da comissão e, finalmente, em outubro de 1953, Getúlio Vargas sancionou a lei resultante do Projeto nº 2.004, relativa à política do petróleo e à criação da Petrobras.

Tentou a reeleição em outubro de 1954, ainda na legenda do PSP, alcançando apenas uma suplência. Abandonando então a vida parlamentar, não assumiu mais nenhum cargo público, dedicando-se somente ao exercício da medicina.

Faleceu em São Paulo no dia 24 de outubro de 1978.

Era casado com Noêmia Guimarães Vasconcelos, com quem teve duas filhas.

 

FONTES: CISNEIROS, A. Parlamentares; COHN, G. Petróleo; INF. Lílian Guimarães de Vasconcelos; DEP. PESQ. ESTADO DE SÃO PAULO; TRIB. SUP. ELEIT. Dados (2 e 3).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados