HERNANDES, Clodovil

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: HERNANDES, Clodovil
Nome Completo: HERNANDES, Clodovil

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
SOBRENOME, Nome

HERNANDES, Clodovil

* dep. fed. SP 2007-2009.

 

Clodovil Hernandes nasceu em Elisário (SP) no dia 17 de junho de 1937. Foi adotado por Domingos Hernandes e de Izabel Sanches Hernandes, casal de imigrantes espanhóis, sem nunca ter conhecido seus pais verdadeiros.

 Na infância, foi educado por padres católicos em um colégio interno. Iniciou sua carreira de estilista aos 16 anos, desenhando vestidos comprados pela gerente de uma loja no centro de São Paulo. Mudou para a capital paulista aos 20 anos e aí construiu uma sólida carreira de estilista na década de 1960. Conquistou como clientes personalidades como a cantora Elis Regina, a atriz Cacilda Becker e as famílias Diniz e Matarazzo. Juntamente com seu colega Dener Pamplona de Abreu, foi um dos pioneiros da “alta-costura” ou da “moda de ateliê” no Brasil, num período em que a alta sociedade importava a moda parisiense. Os dois estilistas alimentavam na mídia uma aberta rivalidade, interpretada por alguns profissionais da moda como uma jogada de marketing para autopromoção. Além da alta-costura, Clodovil lançou coleções prêt-à-porter, usando tecidos menos nobres e conquistando o mercado popular. Nos inúmeros programas de televisão de que participou, seja como entrevistado, seja como apresentador, defendeu a idéia de que a consciência estética não depende da condição social ou econômica.

Destacou-se em 1976, ao ganhar o prêmio máximo no programa de perguntas 8 ou 800?, da Rede Globo, respondendo questões sobre Dona Beja. Participou, em 1979, da novela Marron-Glacé, exibida pela mesma emissora. No ano seguinte, estreou um quadro no programa TV Mulher, também da Rede Globo, no qual desenhava modelos exclusivos, atendendo aos pedidos das telespectadoras. O programa era comandado por Marília Gabriela e contava com participações como a do psicanalista Eduardo Mascarenhas e da então sexóloga Marta Suplicy. Em 1983 iniciou o Programa Clodovil, na TV Bandeirantes. Também trabalhou como ator, tendo estreado em 1981 no espetáculo teatral Seda pura e alfinetadas e montado, em 1987, a peça Sabe quem dançou?.

No início da década de 1990 passou a dedicar-se preferencialmente à televisão, deixando em suspenso a carreira de estilista. Em 1992 foi contratado pela Rede Manchete para apresentar o programa Clodovil abre o jogo. Em 1998 passou a apresentar Clodovil Soft, na TV Bandeirantes. Em maio de 2001 integrou a equipe apresentadora da emissão Mulheres, na TV Gazeta, ao lado de Cristina Rocha. Dois anos depois, foi contratado pela Rede TV para comandar o programa A casa é sua. Polemista, conhecido por suas declarações controversas, foi alvo de diversos processos judiciais. Em março de 2004, ao entrevistar o cantor Agnaldo Timóteo, que se queixava de ser impedido pelos fiscais municipais de vender seus CDs no centro de São Paulo, afirmou: “Tem que vender disco na rua (...) Ele vai fazer o quê? Ele vai fazer o que todo crioulo faz no Brasil? Vai virar ladrão, bandido ou o quê?”. Diante dessa intervenção, a vereadora Claudete Alves da Silva Sousa, do Partido dos Trabalhadores (PT), entrou com uma representação contra o apresentador no Ministério Público, por racismo. Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, indagado a respeito do caso, Clodovil disparou: “Aposto que essa vereadora é uma macaca de tailleur metida a besta”. Pela declaração, foi condenado a pagar indenização por danos morais. Em janeiro de 2005, foi demitido da Rede TV após desentendimento com os humoristas do programa Pânico na TV. Nesse ano realizou uma cirurgia para a remoção de um tumor na próstata.

Em 2006 elegeu-se deputado federal por São Paulo na legenda do Partido Trabalhista Cristão (PTC), tendo sido o terceiro mais votado no estado, com 493.951 votos. Diante da eleição de um homossexual assumido para a Câmara dos Deputados, Luiz Mott, antropólogo e dirigente do Grupo Gay da Bahia, divulgou uma carta aberta a Clodovil Hernandes, convidando-o a ser um representante na Câmara do movimento gay. Para prestigiar sua posse, em fevereiro de 2007, uma caravana com 50 ônibus com representantes do movimento gay dirigiu-se a Brasília. O apresentador, entretanto, não atendeu aos apelos que lhe foram dirigidos, abstendo-se de atuar como defensor das reivindicações do movimento Gay, Lésbicas, Bissexuais e Travestis (GLBT).

Ainda em 2007, migrou para o Partido da República (PR). Em maio, protagonizou outra polêmica, ao afirmar no plenário da Câmara que as mulheres haviam se tornado muito “ordinárias, vulgares, cheias de silicone”, e na atualidade “trabalham deitadas e descansam em pé”. Diante do pedido de explicações da deputada Cida Diogo, do PT, que se sentiu afrontada pela declaração, respondeu que ela não deveria ofender-se por ser uma “mulher feia”, que não tinha condições de se prostituir. Dias depois, divulgou uma nota desculpando-se e reconhecendo ter expressado “pensamentos polêmicos” a respeito das mulheres, embora não tivesse a intenção de ofendê-las.

A despeito de sua atuação controversa como deputado federal, Clodovil foi objeto de declarações elogiosas por parte de colegas de plenário. O então líder do Senado, Artur Virgílio, do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), afirmou a seu respeito: “Ele é uma pessoa muito sincera, verdadeira, de boa fé. É uma figura ímpar.” Michel Temer, do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), então presidente da Câmara dos Deputados, declarou: “Foi uma passagem de muita presença porque ele é uma figura de muita personalidade e às vezes também gera muitas contestações. Mas, ao mesmo tempo em que foi uma atuação de muita personalidade, também teve uma atuação muito suave no que diz respeito às relações e à amizade, inclusive comigo.”

Na Câmara dos Deputados, participou das comissões de Direitos Humanos e Minorias, de Educação e Cultura e de Relações Exteriores e de Defesa Nacional. Foi suplente da Comissão de Seguridade Social e Família.

Faleceu no dia 17 de março de 2009, aos 71 anos, em Brasília, em decorrência de um acidente vascular cerebral (AVC), seguido de parada cardíaca. Seu corpo foi velado no Salão Nobre da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo e sepultado no Cemitério do Morumbi, na capital paulista.

 

Mariana Joffily

FONTES:

Fundação Seade, <www.seade.gov.br>, acesso em jul. 2009.

Câmara dos Deputados, <www.camara.gov.br>, acesso em jul. 2009.

Wikipédia, Clodovil Hernandes, <http://pt.wikipedia.org/wiki/Clodovil_Hernandes>, acesso em jul. 2009.

Folha Online especial 2006 eleições, <www1.folha.uol.com.br/folha/especial/2006/eleicoes/candidatos-deputado_federal-

sp-2222.shtml>, acesso em jul. 2009.

Revista Época, “Personagem da semana: Clodovil e seu gabinete”, 26/04/2007, <http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/1,,EDG77029-6001,00.html>, acesso em jul. 2009.

Revista Época, “Só córneas de Clodovil serão doadas”, 17/03/2009, <http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI64391-15223,00-SO+CORNEAS+DE+CLODOVIL+SERAO+DOADAS.html>, acesso em jul. 2009.

Estadão.com.br, “Clodovil morre aos 71 anos vítima de AVC”, 17/03/2009, <http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,equipe-medica-confirma-morte-cerebral-de-clodovil-,340367,0.htm> , acesso em jul. 2009.

G1, “Deputada acusa Clodovil de agressão verbal”, <http://g1.globo.com/Noticias/Politica/0,,MUL33982-5601,00.html>, acesso em jul. 2009.

Uol Notícias, “Clodovil Hernandes morre em Brasília: polêmica marcou carreira na TV e na política”, 17/03/2009, <http://noticias.uol.com.br/especiais/reportagens/2009/03/17/morre_clodovil.jhtm>, acesso em jul. 2009.

Consulte Já,  “Clodovil é condenado por chamar vereador a de macaca”, s/d,  <http://www.consulteja.com.br/index.php?option=com_content&task=view&id=337&Itemid=132> acesso em jul. 2009.

Folha Online. “Veja os principais fatos da vida e carreira de Clodovil”, 17/03/2009, <http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u535756.shtml>, acesso em jul. 2009.

Folha Online, “Clodovil conquistou fama na TV com talento e polêmica”, 17/03/2009, <http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u535430.shtml>, acesso em jul. 2007.

Folha Online, “Candidato a deputado, Clodovil volta ao teatro em SP”, 24/01/2006, <http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u57117.shtml>, acesso em jul. 2009.

Grupo gay da Bahia, “Carta aberta do decano do movimento homossexual brasileiro ao deputado Clodovil”, 17/03/2009, <www.ggb.org.br/carta_aberta_clodovil_2009.html>, acesso em jul. 2009.

Folha de S.Paulo, “Câmara: em nota, Clodovil pede desculpas”, 16/05/2007, <www1.folha.uol.com.br/fsp/brasil/fc1605200717.htm>, acesso em jul. 2009.

Folha de S.Paulo,13/01/2007, Painel, <www1.folha.uol.com.br/fsp/brasil/fc3101200701.htm>, acesso em jul. 2009.

Terra Magazine, “Clodovil foi um ‘gay alienado’, diz Luiz Mott”, 17/03/2009, <http://terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI3640479-EI6578,00-Clodovil+foi+um+gay+alienado+diz+Luiz+Mott.html>, acesso em jul. 2009.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados