Heródoto de Sousa Barbeiro

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: BARBEIRO, Heródoto
Nome Completo: Heródoto de Sousa Barbeiro

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:

BARBEIRO, Heródoto

*jornalista

 

Heródoto de Sousa Barbeiro nasceu em 28 de março de 1946 em São Paulo capital, filho de pai advogado e mãe, dona de casa. Cresceu no Parque Pedro II, região central da capital paulista.

Fez o curso de História e tentou fazer carreira universitária, concluindo o mestrado e o doutorado em história pela Universidade de São Paulo (USP), na qual lecionaria por quase 12 anos, e também no Curso Objetivo. Isto explica a grande produção de livros didáticos de história por ele publicados.

Paralelamente ao curso de História fez o curso de Direito na Faculdade Metropolitana Unidas, tendo obtido o registro na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Durante o período que fez o curso de História estudou também na USP, Línguas Orientais, durante dois anos, fez o curso de japonês.

No início da década de 1970, Heródoto estreou carreira na televisão, no programa Show de Ensino transmitido pela TV Gazeta, que explicava fatos históricos juntando jornalistas e professores. Poucos anos depois, já em 1974, envolveu-se também com a política, concorrendo a uma cadeira na Câmara dos Deputados pela Aliança Renovadora Nacional (Arena), partido de sustentação do regime militar. Os quase 26 mil votos recebidos, no entanto, não foram suficientes para elegê-lo. O país vivia então o início do processo de redemocratização determinado pelo então presidente da República, general Ernesto Geisel.

Passou a exercer a profissão de jornalista quando foi convidado para trabalhar como comentarista de política internacional, na rádio Jovem Pan em 1975, o que o levou a cursar jornalismo na Faculdade Casper Líbero.

Paralelamente deu continuidade às suas atividades políticas, aproveitando-se do retorno do país ao sistema multipartidário a partir de 1979, quando foi decretada a extinção dos partidos políticos então vigentes, a Arena e o Movimento Democrático Brasileiro (MDB). No ano seguinte, em 1980, Heródoto Barbeiro participou da criação do Partido Democrático Trabalhista (PDT) em São Paulo, junto com Leonel Brizola e Terezinha Zerbini. Já em 1982, foi o candidato mais votado do partido, embora não tenha conseguido voto de legenda suficiente. Quatro anos depois, afastou-se do PDT, filiando-se ao Partido dos Trabalhadores (PT), quando foi convidado a candidatar-se mais uma vez à Câmara dos Deputados. Nesta ocasião, obteve apenas a terceira suplência da bancada partido.

Afastado da Jovem Pan, Heródoto trabalhou na Rádio Globo e em seguida na rádio CBN, de cuja criação participou em outubro de 1991. Nela foi âncora, tendo chegado a gerente de jornalismo do Sistema Globo de Rádio. Foi também para a televisão onde apresentou um programa de ensino na TV Gazeta, que é hoje a Rede CNT. Em seguida foi para a TV Cultura, onde permaneceu por 17 anos, apresentou por sete anos o programa Vox Populis e o Roda Viva, este entre 1994 e 1995. Ao deixar este programa dedicou-se à implantação do jornalismo na SBT, passando a ser o editor-chefe do jornal local. Voltou para a TV Cultura, como editor de política. Nessa empresa foi repórter, apresentador, produtor, redator, editor. É o apresentador do programa Opinião Nacional, programa de debates. Também na TV Cultura, voltaria mais tarde a apresentar o programa Roda Viva (2009-2010).

Toda a sua experiência como jornalista foi essencialmente nas rádios, onde dava ênfase à transmissão de informações do cotidiano, além da participação na televisão. Na imprensa, no entanto, trabalhou apenas em jornais regionais como a Gazeta de Pinheiros, Gazeta Butantã, etc., nunca tendo chegado a trabalhar em grandes jornais.

Em 1991 ajudou a criar a empresa de jornalismo CBN, em São Paulo, tornando-se gerente regional de jornalismo. Sua atuação ajudou a colocar a rádio como pioneira na transmissão de informações para as principais cidades do país nos estados de São Paulo (e interior), Minas Gerais, Paraná, Mato Grosso, Rio de Janeiro, etc. A CBN tem frequência AM e FM, e está na Internet. Verificou que muitos ouvintes não pegam a CBN no rádio ou querem trabalhar no computador, decidiu então colocar um canal da Net na CBN para que o ouvinte possa ter acesso à programação da rádio.

Deixou o partido em janeiro de 2002, mês em que o presidente Luís Inácio Lula da Silva, presidente eleito pelo PT, assumiu a presidência da República. Nesta ocasião, Heródoto Barbeiro considerou que sua permanência no PT poderia criar um conflito de interesse com a profissão de jornalista.

Em 2011, Heródoto deixou a rádio CBN e a TV Cultura para trabalhar na Record News, como âncora e editor do “Jornal da Record News”. No ano seguinte estreou na mesma emissora o programa “Brasil em discussão”, de entrevistas. Atualmente, mantém também o Blog do Barbeiro – Barba, Bigode e Cabelo, no portal R7, dirige seu próprio site e produz uma newsletter.

Publicou 40 livros que tratam de temas como história, comunicação e política, destacando-se entre eles: O que Pensam os Presidenciáveis (Lula, Maluf, Covas, Brizola, Freire, Afif. (1989); Manual de Telejornalismo. (2002; 2013), escrito com Paulo Rodolfo; Manual de Radiojornalismo. (2003, 3ª ed.), também com Paulo Rodolfo; e Manual de Jornalismo Esportivo, em co-autoria com Patrícia Rangel. É autor também do livro Budismo (2014), religião que abraçou.

Ao longo de sua trajetória no jornalismo, recebeu inúmeros prêmios, devendo-se destacar: o prêmio APCA de Jornalismo (1997, 1998, 1999, 2002 e 2003); o prêmio APCA de Melhor Âncora (2002); o prêmio Pensamento Nacional das Bases Empresariais (2002); o Comunique-se (2003; e 2007) e o ABECIP de Jornalismo (2012).

É casado, em segundas núpcias, com Walquíria dos Santos, com quem é sócio da HW Serviços de Comunicação, empresa criada para cuidar de contratos e palestras. De seu primeiro casamento tem dois filhos.

 

Alzira Alves de Abreu

 

FONTES: Entrevista ao CPDOC Fundação Getulio Vargas. São Paulo, 8 de dezembro de 1997; Portal Brasileiros. Disponível em: <http://brasileiros.com.br>. Acesso em 12/01/2015; Portal dos Jornalistas. Disponível em: <http://www.portaldosjornalistas.com.br>. Acesso em: 14/08/2014; Portal Terceiro Tempo. Disponível em: <http://terceirotempo.bol.uol.com.br>. Acesso em 12/01/2015; Portal Wikipedia. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki>. Acesso em 14/08/2014.

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados