Marcos Antônio de Barros

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: JESUS, Marcos de
Nome Completo: Marcos Antônio de Barros

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:

JESUS, Marcos de

*dep.fed. PE 1999-2007

 

Marcos Antônio de Barros nasceu no Recife (PE), em 24 de outubro de 1958, filho de Severino de Barros e de Maria Dalva de Barros.

Trabalhou como técnico-profissional auxiliar de enfermagem, por volta de 1983.

Em 1990 tornou-se pastor da Igreja Universal do Reino de Deus na cidade do Recife.

Filiou-se ao Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) em 1997, e por esta legenda elegeu-se deputado federal por Pernambuco em 1998, para a legislatura 1999-2003. Nela, integrou a chamada bancada evangélica, formada por parlamentares evangélicos de diferentes partidos. Transferiu-se para o Partido Social Trabalhista (PST) em 1999. Em 2000, filiou-se a outra agremiação, o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), mudando ainda no mesmo ano para o Partido Liberal (PL). Neste último partido até 2005, assumiu a função de presidente regional do PL, em Pernambuco, e por esta legenda obteve um segundo mandato em 2002.

Ao assumir seu novo mandato na legislatura 2003-2007, passou a integrar a base aliada ao recém empossado governo de Luís Inácio Lula da Silva (2003-2007). Apresentou-se como pré-candidato do PL às eleições de 2004 para a prefeitura do Recife, mas o partido terminou por não indicar candidato próprio.

Em 2005, transferiu-se novamente, desta vez para o Partido da Frente Liberal (PFL).

Na Câmara dos Deputados, assumiu a segunda vice-presidência da Comissão Permanente de Relações Exteriores e de Defesa Nacional em março de 2005. De março a junho de 2005 foi titular e relator da comissão especial que examinou o tema do acesso à Internet. Em junho de 2005, passou a integrar como membro titular outra comissão especial, esta sobre o consumo de bebidas alcóolicas. Em março de 2006, passou a integrar como terceiro vice-presidente a Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional. Também em 2006 integrou as comissões permanentes de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática, e de Seguridade Social e Família. Assumiu a segunda vice-presidência da Comissão Permanente de Fiscalização Financeira e Controle, e, nas comissões especiais, integrou como membro titular a que debateu o número de vereadores e a da Lei Nacional da Adoção, bem como a comissão de Normas Gerais para Instituição de Regime de Previdência Complementar.

Das comissões externas participou como titular da comissão de Enchentes em Recife e integrou o Grupo de Trabalho de Transposição do Rio São Francisco – uma das metas do Governo de Luís Inácio Lula da Silva. Fez parte, ainda da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) sobre extermínio no Nordeste.

Durante o seu segundo mandato como deputado federal, em 2006, foi investigado pelo Ministério Público Federal, por ter sido acusado de envolvimento no chamado “escândalo dos sanguessugas”, junto com outros deputados da bancada evangélica, pelo relatório parcial da CPI que investigou o caso. O episódio referia-se à venda irregular de ambulâncias operada por uma quadrilha, que as vendia superfaturadas a prefeituras de diversos estados do país, e que, segundo o relatório da CPI, contava com apoios na Câmara dos Deputados, no Ministério da Saúde e da Associação dos Municípios de Mato Grosso. O processo do deputado Marcos de Jesus, assim como o de outros deputados, não foi concluído pelos relatores da CPI. O Partido Verde formulou uma Representação na Câmara contra o deputado em agosto de 2006, mas ela foi arquivada. Em abril de 2007, Conselho de Ética da Câmara decidiu que não iria abrir processos contra deputados acusados de irregularidades em legislaturas anteriores.

Concorreu, sem êxito, ao cargo de vereador da cidade do Recife nas eleições de outubro de 2008 pela legenda do Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB), para o qual se transferira após a sua saída do PFL em 2006, e que integrou a coligação Frente Trabalhista do Recife, formada, ainda, pelo Partido Trabalhista Nacional (PTN) e pelo Partido da República (PR).

 

 

FONTES: Portal do Blog Fernando Holanda. Disponível em: <http://fernandodeholanda.com>. Acesso em 28/01/2009; Portal da Câmara dos Deputados. Disponível em: <http://www.camara.gov.br>. Acesso em 22/01/2009 e 20/03/2009; Portal CONAMP. Disponível em: <http://www.conamp.org.br>. Acesso em 28/01/2009; Portal do Congresso em Foco. Disponível em: <http://www.congressoemfoco.ig.com.br>. Acesso em 28/01/2009; Portal Guia do Eleitor. Disponível em <http://www.guiadoeleitor.com.br>. Acesso em 28/01/2009; Portal do Jornal do Commercio – Pernambuco. Disponível em <http://www2.uol.com.br>. Acesso em 28/01/2009; Portal do jornal Diário de Pernambuco. Disponível em: <http://www.pernambuco.com/diario/2003/08/11/politica3_0.html,>. Acesso em 28/01/2009; Portal do jornal Estado de São Paulo. Disponível em: <http://www.estadao.com.br>. Acesso em 28/01/2009; Portal do jornal Folha de São Paulo. Disponível em: <http://www.1.folha. uol.com.br>. Acesso em 28/01/2009.


Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados