JOHN HUGH CRIMMIS

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: CRIMMINS, John
Nome Completo: JOHN HUGH CRIMMIS

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
CRIMMINS, JOHN

CRIMMINS, John

*diplomata norte-americano; emb. EUA no Brasil 1973-1978.

John Hugh Crimmins nasceu no estado de Massachusetts, nos EUA, no dia 26 de novembro de 1919.

Formado pela Universidade Harvard de em 1941, desse ano até 1946 serviu ao Exército de seu país, tendo participado da Segunda Guerra Mundial (1939-1945) com a patente de tenente-coronel. Atuou no teatro de operações da Itália junto à II Divisão Blindada do V Corpo do Exército norte-americano, ao qual se subordinou também a Força Expedicionária Brasileira (FEB).

Após deixar o Exército, ingressou no Departamento de Estado como oficial de informações da Assessoria de Projetos Especiais, desempenhando ainda em 1946 a função de assistente político de informações. Permaneceu no Serviço de Informações do Departamento de Estado até 1951, exercendo em seguida, até 1954, a chefia da Seção das Repúblicas Americanas da Assessoria de Projetos Especiais. Passou depois à função de encarregado de investigações de informações, que desempenhou até 1957.

Nesse ano, foi nomeado primeiro-secretário da embaixada norte-americana no Brasil, então sediada no Rio de Janeiro, àquela época Distrito Federal. Após ocupar esse posto, tornou-se em 1961 diretor do Escritório de Negócios para o México e o Caribe no Departamento de Estado, exercendo a função até 1963. Coordenador de negócios cubanos de 1963 a 1966, nesse ano foi nomeado conselheiro da embaixada norte-americana em São Domingos, assumindo em seguida as funções de encarregado de negócios e, depois, de embaixador, pelas quais respondeu até 1969. Desse ano até 1973 exerceu em Washington a função de vice-assistente para assuntos interamericanos do secretário de Estado.

Embaixador no Brasil

Em 1973, Crimmins foi nomeado embaixador no Brasil, assumindo o posto em agosto desse ano em substituição a Richard Rountree. Como embaixador, participou da negociação do memorando de entendimentos entre o Brasil e os EUA, assinado por Henry Kissinger durante sua visita ao Brasil, em fevereiro de 1976, estabelecendo que os dois governos deveriam realizar consultas semestrais sobre problemas relativos à política externa e a qualquer questão específica que viesse a ser levantada.

No início de novembro de 1976, com a chegada dos primeiros resultados das eleições presidenciais norte-americanas ao Brasil, Crimmins comemorou abertamente a vitória de seu candidato, o democrata Jimmy Carter, e, durante as comemorações do bicentenário da independência dos EUA, em sessão realizada pela Assembléia Legislativa de Minas Gerais no dia 23 daquele mês, declarou: “Quando os governos deixam de satisfazer aos propósitos para os quais foram criados, ou negam os direitos inalienáveis dos cidadãos aos quais devem sua razão de ser, eles podem ser mudados ou em última instância depostos.” Afirmou ainda que a comemoração do bicentenário constituía um momento de reflexão dos norte-americanos sobre seus erros passados e de retomada dos princípios e ideais emanados da independência, referindo-se veladamente à mudança da política externa dos EUA prometida pelo novo presidente Jimmy Carter.

Conforme noticiou a imprensa na época, setores do Itamarati receberam muito mal as declarações de Crimmins, que foram consideradas “provocadoras”. O embaixador revelou-se surpreso com as repercussões, observando que as declarações consideradas provocadoras eram transcrições de textos com mais de duzentos anos: a Declaração de Independência dos EUA, sua Constituição e sua Declaração de Direitos, as quais se referiam exclusivamente ao contexto norte-americano.

As relações entre o Brasil e os EUA, que se haviam mantido tensas desde a eleição de Carter para a presidência, entraram numa séria crise em 4 de março de 1977, quando foi entregue ao Itamarati a cópia de um relatório sobre os direitos humanos enviado pelo Departamento de Estado ao Congresso norte-americano e elaborado com subsídios fornecidos pela embaixada daquele país no Brasil. O documento referia-se à situação dos direitos humanos no país, citando a morte do jornalista Vladimir Herzog, a prática de torturas, as prisões ilegais, as perseguições políticas e a falta de liberdade de imprensa, e foi devolvido pelo Itamarati, que o considerou “indigno” de constar de seus arquivos. O relatório era exigência de lei assinada em 1976, que determinava a apresentação desse tipo de documento relativo a cada um dos países que recebessem ajuda militar dos EUA, à exceção dos que fossem considerados estratégicos para os interesses de Washington, cada vez que o Congresso votasse a renovação da ajuda militar a tais países.

O governo brasileiro considerou a apresentação do relatório uma “ingerência em assuntos internos”, vendo nessa atitude uma forma de pressionar o Brasil para recuar no acordo nuclear firmado com a República Federal da Alemanha em 27 de junho de 1975, apesar da objeção dos EUA. Em nota distribuída pelo Itamarati, o Brasil abriu mão do acordo militar que mantinha com os EUA desde 1952, não aceitando qualquer ajuda que dependesse de condições prévias. Crimmins divulgou então nova nota justificando a atitude norte-americana como uma exigência da legislação de seu país. No dia 7 de março, após audiência com o ministro das Relações Exteriores, Antônio Azeredo da Silveira, acompanhando o senador Charles Mathias em visita ao Brasil, Crimmins negou a existência de crise nas relações entre os dois países. Uma semana depois, o porta-voz da embaixada declarou que a versão do relatório divulgado pela imprensa não correspondia na íntegra ao texto que fora entregue ao Ministério das Relações Exteriores.

Durante a visita da primeira-dama dos EUA, Rosalynn Carter, ao Brasil, em junho de 1977, foi-lhe entregue, entre outras, uma carta atribuída a estudantes brasileiros contendo denúncias sobre a situação dos direitos humanos no país. O deputado arenista Álvaro Vale denunciou a carta como forjada e alguns jornais veicularam a versão de que a embaixada norte-americana e a Central Intelligence Agency (CIA) estariam por trás do episódio. Crimmins classificou a acusação como “uma mentira total e uma fabricação de idéias”. Para aprofundar o episódio, Álvaro Vale endereçou carta a Rosalynn Carter denunciando a situação trabalhista irregular dos funcionários brasileiros que trabalhavam na embaixada norte-americana em Brasília. Crimmins não respondeu diretamente à carta do deputado, defendendo o direito deste de “expressar suas idéias”, embora “se tratando de assunto interno da embaixada e do governo norte-americano”.

No dia 12 de setembro de 1977, durante solenidade em São Paulo no Centro de Comércio dos EUA, Crimmins anunciou a visita do secretário de Estado Cyrus Vance ao Brasil, confirmou a continuidade da política de direitos humanos da administração Carter e classificou as relações de seu país com o Brasil de muito boas. Na mesma ocasião demonstrou preocupação quanto ao financiamento para as empresas estrangeiras instaladas no país e expressou suas esperanças de que “o Brasil continuasse receptivo aos capitais estrangeiros”. Ainda em setembro, no dia 19, foi chamado ao gabinete do ministro Azeredo da Silveira, onde recebeu nota do governo brasileiro denunciando os últimos acordos militares que o país mantinha com os EUA, extinguindo a Comissão Naval Americana, a Comissão Mista Brasil-Estados Unidos e a Comissão de Defesa do Brasil nos EUA. Crimmins afirmou que a decisão não causou surpresa, que não iria influir nas relações entre os dois países e que seu país a aceitava com “equanimidade e serenidade”. Pouco depois, em outubro seguinte, a vinda do secretário de Estado ao Brasil iria proporcionar certa melhora nas relações bilaterais.

Crimmins teve sua substituição no cargo de embaixador no Brasil anunciada em 9 de fevereiro de 1978, pouco antes da visita do presidente Carter ao país. Foi nomeado para substituí-lo Robert Marion Sayre. Circularam na imprensa versões de que seu afastamento significava uma concessão do governo norte-americano, removendo um “elemento incômodo” nas relações entre os dois países. Crimmins, por sua vez, minimizou a importância do acontecimento, explicando sua remoção do posto como um fato “rotineiro e perfeitamente normal” e ressaltando que sua decisão fora tomada de comum acordo com o Departamento de Estado e decorria de seu pedido de aposentadoria. Ainda segundo suas declarações, “a visita do presidente seria uma oportunidade preciosa para inaugurar as atividades do novo embaixador”. No dia 25 daquele mês deixou definitivamente a embaixada, retornando aos EUA.

Durante conferência que pronunciou em setembro de 1978 no Centro de Altos Estudos Internacionais Woodrow Wilson, o ex-embaixador acusou o Brasil de ter “nítidas pretensões hegemônicas sobre a América do Sul”, segundo notícias publicadas na imprensa. Ainda segundo essas mesmas fontes, sua conferência foi muito mal recebida pelo Itamarati.

Faleceu em Maryland, nos Estados Unidos, no dia 12 de dezembro de 2007.

Casou-se com Margueriti Virginia Carlson, com quem teve dois filhos.

FONTES: Estado de S. Paulo (24 e 26/11/76 e 6/3/77); Jornal do Brasil (3/9/76; 8 e 15/3, 11 e 15/6, 13 e 29/9/77; 10, 11 e 25/2 e 25/9/78); REIS, A. Poetas; Veja (15/2//78); Who’s who in America.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados