JOSE BINA MACHADO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: MACHADO, Bina (2)
Nome Completo: JOSE BINA MACHADO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
MACHADO, BINA (2)

MACHADO, Bina (2)

*militar; ch. Gab. Mil. Pres. Rep. 1955.

 

José Bina Machado nasceu em Porto Alegre no dia 14 de dezembro de 1896, filho de Antônio Vilhena Machado e de Maria da Anunciação Bina Machado. Seu irmão, João Bina Machado, também militar, foi comandante do IV Exército em 1971, do I Exército, de 1971 a 1972, e da Escola Superior de Guerra, de 1972 a 1974.

Ingressou na carreira militar matriculando-se, em março de 1916, na Escola Militar do Realengo, no Rio de Janeiro, então Distrito Federal. Aspirante-a-oficial da arma de artilharia em dezembro de 1918, quando concluiu o curso, foi promovido a segundo-tenente em dezembro de 1919. No Rio Grande do Sul de 1920 a 1926, foi promovido a primeiro-tenente em janeiro de 1921 e até julho de 1923 serviu no 3º Grupo de Obuses. Passou a capitão em setembro desse ano e de então até 1926 serviu no Serviço de Material Bélico da 3ª Região Militar (RM), sediada em Porto Alegre.

Concluiu o curso da Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais, no Rio de Janeiro, em 1927, passando em seguida a instrutor na mesma escola. De 1928 a 1930, fez o curso da Escola de Estado-Maior do Exército e, enquanto aluno, estagiou no 1º Regimento de Infantaria. De dezembro de 1930 a julho de 1932 foi comandante da 4ª Bateria de Artilharia de Costa do forte da Laje, no Rio de Janeiro. Neste último ano, participou da conspiração, junto com outros militares lotados no Rio, que resultou na Revolução Constitucionalista de São Paulo. Suspenso do comando do forte da Laje, serviu como adido na Diretoria da Artilharia de Costa, sendo transferido em seguida para o comando do 4º Grupo de Artilharia de Costa, no forte de Óbidos, no Pará. De dezembro de 1932 a julho de 1933, durante o conflito entre Peru e Colômbia provocado pela disputa do território colombiano de Letícia, chefiou o estado-maior do Destacamento de Observação da Fronteira Brasileira da 8ª RM, sediada em Belém.

Transferido em setembro de 1933 para o estado-maior da 4ª RM, em Minas Gerais, permaneceu nessa unidade até março de 1934. De maio a agosto serviu no Centro de Instrução de Artilharia de Costa, no Rio de Janeiro, sendo promovido a major nesse último mês. Concluiu o curso de instrução de artilharia de costa em 1935 e chefiou o estado-maior da 6ª RM, sediada em Salvador, de novembro de 1937 a janeiro de 1938, quando, nomeado por decreto, passou a ocupar o cargo de secretário do Interior e Justiça da Bahia, na interventoria de Antônio Dantas.

Primeiro adido militar brasileiro nos Estados Unidos, serviu nesse país de setembro de 1938 a novembro de 1941. Nesse período, foi promovido a tenente-coronel em março de 1940. Retornando ao Brasil ocupou o cargo de comandante do 1º Grupo do 3º Regimento de Artilharia em Bajé (RS), de janeiro de 1942 a maio de 1943, tendo alcançado o posto de coronel em abril deste último ano. De julho de 1943 até o final do ano seguinte foi adjunto de gabinete do ministro da Guerra, general Eurico Gaspar Dutra, acompanhando-o à Itália, em setembro de 1944, em visita à Força Expedicionária Brasileira (FEB), quando de sua campanha durante a Segunda Guerra Mundial, ao lado dos Aliados. Ocupou o cargo de chefe de gabinete do ministro Eurico Dutra de janeiro a outubro de 1945, mostrando-se nesse período favorável à política que vinha sendo desenvolvida desde 1942 pelo ministro das Relações Exteriores, Osvaldo Aranha, de aproximação do Brasil com os Estados Unidos e as demais nações aliadas. Ainda nesse período, apoiou a criação do Serviço de Assistência Religiosa das Forças Armadas.

Com a posse do general Eurico Dutra na presidência da República em janeiro de 1946, voltou a ocupar o cargo de adjunto de gabinete do ministro da Guerra, general Canrobert Pereira da Costa, de janeiro a setembro de 1946. Do final desse ano a dezembro de 1947 foi comandante do 1º Grupo de Obuses, no Rio de Janeiro.

Promovido a general-de-brigada em junho de 1948, foi comandante da 7ª Divisão de Infantaria (DI), então sediada em Natal, dessa data até março de 1949. Desse ano a 1950 ocupou o cargo de subchefe do Estado-Maior das Forças Armadas (EMFA), no Rio de Janeiro e, entre 1951 e 1952, fez o curso da Escola Superior de Guerra (ESG). De janeiro de 1953 a dezembro de 1954 foi membro da Junta Interamericana de Defesa, em Washington, órgão da Organização dos Estados Americanos (OEA) responsável pelo planejamento de defesa do continente americano. De volta ao Brasil, foi comandante da 7ª RM e da 7ª DI, em Recife, de dezembro de 1954 a abril de 1955.

Assumiu o cargo de chefe do Gabinete Militar da Presidência da República em abril de 1955, no governo de João Café Filho, em substituição ao general Juarez Távora, que deixara o cargo para concorrer à presidência nas eleições marcadas para outubro daquele ano. Afastou-se da chefia do Gabinete Militar em outubro, sendo substituído pelo general José Canavarro Pereira. Dessa data até abril de 1957 serviu como adido na Secretaria do Ministério da Guerra, assumindo, em seguida, o cargo de diretor de Artilharia de Costa Antiaérea. Ainda em 1957 passou para a reserva e no ano seguinte recebeu as promoções de general-de-exército e marechal.

Faleceu no dia 7 de agosto de 1964, no Rio de Janeiro.

Foi casado com Florinda Kohler Machado, com quem teve cinco filhos.

 

 

FONTES: ARQ. MIN. EXÉRC.; BRAYNER, F. Verdade; CORRESP. GAB. MIL. PRES. REP.; FIGUEIREDO, E. Contribuição; MELO, A. Cartilha; SODRÉ, N. História militar; SODRÉ, N. Memórias.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados