JOSE RUFINO RIBEIRO TAVARES BISNETO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: TAVARES, Ribeiro
Nome Completo: JOSE RUFINO RIBEIRO TAVARES BISNETO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
TAVARES, RIBEIRO

TAVARES, Ribeiro

*dep. fed. BA 1991-1995.

José Rufino Ribeiro Tavares Bisneto nasceu em Candeal (BA) no dia 13 de maio de 1951, filho de Agnaldo Tavares Carneiro e de Emilina Ribeiro Carneiro.

Iniciou suas atividades políticas em 1970, ocupando em sua cidade natal o cargo de presidente do diretório da Aliança Renovadora Nacional (Arena), partido de sustentação do regime militar instaurado no país em abril de 1964. De 1971 a 1973 cursou o segundo grau no Colégio Santo Antônio, em Feira de Santana.

Pecuarista, elegeu-se prefeito de sua cidade natal no pleito de novembro de 1976, na legenda da Arena, e assumiu o mandato no início do ano seguinte. Com o fim do bipartidarismo em novembro de 1979 e a consequente reformulação partidária, filiou-se ao Partido Democrático Social (PDS), que sucedeu à Arena. Deixou a prefeitura em 1982 para candidatar-se a uma cadeira na Assembleia Legislativa da Bahia em novembro daquele ano, na legenda do PDS. Eleito, assumiu o mandato em fevereiro de 1983. Participou dos trabalhos legislativos como titular das comissões de Proteção ao Meio Ambiente, de Orçamento e Finanças e de Saúde e suplente das comissões de Redação Final e de Agricultura. Em 1985 participou do XXII Encontro Nacional de Vereadores, promovido pela União dos Vereadores do Brasil (UVB).

Novamente eleito deputado estadual constituinte em novembro de 1986, dessa vez na legenda do Partido da Frente Liberal (PFL), iniciou novo mandato em janeiro seguinte, participando dos trabalhos legislativos como quarto secretário da mesa de 1987 a 1989. Em 1987 participou do II Congresso Municipalista do Brasil, realizado em Brasília, e no ano seguinte da Conferência Internacional sobre Auto-Organização dos Estados e a Democracia, em Salvador. Deixou o PDS em 1990 para filiar-se ao Partido Liberal (PL), participando como titular da Comissão de Desenvolvimento Econômico e Agricultura.

Eleito deputado federal em outubro de 1990 como o candidato mais votado do PL, com cerca de 30 mil votos, assumiu o mandato em fevereiro do ano seguinte e participou dos trabalhos legislativos como titular da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática e suplente da Comissão de Viação e Transportes, Desenvolvimento Urbano e Interior. Participou também da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) sobre a reforma administrativa e o fechamento de agências e postos de serviços do Banco do Brasil.

Faltou à sessão da Câmara dos Deputados de 29 de setembro de 1992, que aprovou a abertura do processo de impeachment do presidente Fernando Collor de Melo, acusado de crime de responsabilidade por ligações com um esquema de corrupção liderado pelo ex-tesoureiro de sua campanha presidencial, Paulo César Farias. Afastado da presidência logo após a votação na Câmara, Collor renunciou ao mandato em 29 de dezembro de 1992, pouco antes da conclusão do processo pelo Senado Federal, sendo então efetivado na presidência da República o vice Itamar Franco, que já vinha exercendo o cargo interinamente desde o dia 2 de outubro.

Faltou também à votação da criação do Imposto Provisório sobre Movimentação Financeira (IPMF), imposto de 0,25% sobre transações bancárias criado como fonte complementar de recursos para a saúde. Votou a favor da criação do Fundo Social de Emergência (FSE), que permitia ao governo retirar recursos de áreas como saúde e educação para ter maior liberdade de administração das verbas, e manifestou-se contra o fim do voto obrigatório.

Candidatou-se no pleito de outubro de 1994, na legenda do PL, mas não conseguiu se reeleger. Deixou a Câmara em janeiro do ano seguinte, ao fim da legislatura. No pleito de outubro de 1998 candidatou-se a uma cadeira na Assembleéia Legislativa da Bahia, na legenda do Partido Social Cristão (PSC), mas não obteve sucesso.

Em 2004 elegeu-se novamente prefeito de Candeal, dessa vez na legenda do PFL. Em 2007, quando esse partido mudou seu nome para Democratas (DEM), ingressou na nova agremiação.

Teve três filhos.

 

FONTES: CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1991-1995 e 1995-1999); Folha de São Paulo (18/9/94); TRIB. SUP. ELEIT. Dados (1998); Portal da Assembléia Legislativa da Bahia (http://www.al.ba.gov.br/v2/biografia.cfm?varCodigo=214; acessado em 21/07/09); Portal Folha online (http://eleicoes.folha.uol.com.br/folha/especial/2004/eleicoes/34274p1.html; acessado em 21/07/2009).

FONTES: APURAÇÃO; CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1991-1995 e 1995-1999); Folha de São Paulo (18/9/94); Portal da Assembléia Legislativa da Bahia. Disponível em : <http://www.al.ba.gov.br/v2/biografia.cfm?varCodigo=214>. Acesso em 21 jul. 2009.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados