JUVENCIO ANTONIO VERGOLINO DIAS

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: DIAS, Juvêncio
Nome Completo: JUVENCIO ANTONIO VERGOLINO DIAS

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
DIAS, Juvêncio

DIAS, Juvêncio

*dep. fed. PA 1967-1979; sen. PA 1992-1993, 1998-1999.

 

                Juvêncio Antônio Vergolino Dias nasceu em Belém no dia 16 de outubro de 1929, fi­lho de Juvêncio de Figueiredo Dias e de Ma­ria Dorila Vergolino Dias.

            Formado pela Faculdade de Medicina da Universidade do Pará em 1953, fez cursos de pós-graduação no Instituto Penido Burnier, de Campinas (SP), no Hospital das Clínicas de São Paulo e na Clínica Kós, do Rio de Ja­neiro.

            Em novembro de 1966, elegeu-se deputa­do federal pelo Pará na legenda da Aliança Renovadora Nacional (Arena), partido de apoio ao regime militar instalado em abril de 1964, assumindo o mandato em fevereiro de 1967.  Reeleito em 1970, a partir de 1971 integrou as comissões de Transportes, de Comunicações e Obras Públicas e de Valorização Econômica da Ama­zônia da Câmara. Novamente reeleito em 1974, a partir do ano seguinte tornou-se mem­bro da Comissão de Agricultura e Política Ru­ral, além de suplente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara. Candidatou-se à reeleição em novembro de 1978, mas, obten­do apenas uma suplência, deixou a Câmara em janeiro de 1979.

            Em seguida, tornou-se diretor do Banco da Amazônia, cargo que ocupou até 1990. Neste último ano, no pleito de outubro, elegeu-se suplente de senador, na chapa do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) encabeçada por Coutinho Jorge.

No início de outubro de 1992, Itamar Franco assumiu o governo, em caráter interino, após a Câmara dos Deputados aprovar a admissibilidade de abertura do  processo de afastamento do presidente Fernando Collor (1990-1992), acusado de várias irregularidades. Com a nomeação de Coutinho Jorge, pelo presidente recém-empossado, para o novo Ministério da Amazônia Legal e Meio Ambiente, Juvêncio Dias assumiu a cadeira do titular no Senado. Quando do julgamento do impeachment de Collor, em 29 de  dezembro desse ano, por essa casa do Congresso, pouco antes da votação, o presidente afastado apresentou sua renúncia, que não foi aceita pela Mesa do Senado. Horas depois, com voto favorável de Juvêncio Dias, o plenário da Câmara Alta aprovou o afastamento definitivo de Fernando Collor, que, em conseqüência, teve seus direitos políticos suspensos por oito anos. Com esse resultado, Itamar foi efetivado na chefia do Executivo brasileiro.

            Com o retorno de Coutinho Jorge ao Senado em setembro de 1993, Juvêncio Dias voltou à condição de suplente. Em junho de 1998, mais uma vez assumiu o mandato de senador, desta vez devido à saída de Coutinho Jorge para o Tribunal de Contas do Estado do Pará. Em janeiro de 1999, ao término da legislatura, deixou o Senado.

            Foi casado com Anete Teixeira Dias, com quem teve dois filhos. Seu filho André Teixeira Dias foi vereador em Belém pelo PMDB entre 1993 e 1994, ano em que se elegeu deputado estadual na legenda do Partido da Frente Liberal (PFL). Reelegeu-se, no mesmo partido, em outubro de 1998.

 

FONTES: CÂM. DEP. Deputados Brasileiros. Repertórios (1967-1971, 1971-1975 e 1975-1979); INF. Jacqueline Dias; Jornal do Senado (25/6/98); NÉRI, S. 16; Perfil (1972).

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados