LENZI, ELOI

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: LENZI, Elói
Nome Completo: LENZI, ELOI

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
LENZI, ELÓI

LENZI, Elói

*dep. fed. RS 1971-1983.

 

Elói Lenzi nasceu em Lagoa Vermelha (RS) no dia 22 de setembro de 1924, filho do industrial do setor madeireiro José Luís Lenzi e da dona de casa Madalena Toaldo Lenzi.

Aos 13 anos de idade, transferiu-se para Passo Fundo (RS), onde estudou no Colégio Conceição, dos Irmão Maristas.

Cursou a Faculdade de Direito de Florianópolis entre 1953 e 1955, bacharelando-se pela Faculdade de Direito da Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Rio Grande do Sul em 1957. Realizou ainda cursos de doutrina social católica e de direito canônico na PUC de seu estado.

Foi vereador à Câmara Municipal de Lagoa Vermelha em duas legislaturas e, no pleito de novembro de 1970, elegeu-se deputado federal pelo Rio Grande do Sul na legenda do Movimento Democrático Brasileiro (MDB), partido de oposição ao regime militar instaurado no país em abril de 1964, assumindo o mandato em fevereiro de 1971. Integrante do grupo dos “autênticos” do MDB — movimento parlamentar que aglutinou a oposição de centro-esquerda do partido —, ainda em 1971 foi membro efetivo das comissões de Orçamento e de Desenvolvimento da Região Sul e suplente das comissões de Economia e de Constituição e Justiça, tornando-se em 1973 membro efetivo da Comissão de Comunicações da Câmara dos Deputados.

Em fins de 1973, os “autênticos” lançaram a anti-candidatura presidencial do deputado Ulisses Guimarães para denunciar o regime militar e a eleição indireta. No entanto, descumprindo o acordo de depois renunciar à candidatura, Ulisses decidiu participar do Colégio Eleitoral reunido em janeiro do ano seguinte, ocasião em que foi eleito presidente o general Ernesto Geisel. Juntamente com os outros deputados do grupo, Lenzi se absteve de votar no Colégio, afirmando que o estava fazendo “por se tratar (...) de um simulacro de eleição”.

Reeleito em novembro de 1974, sempre na legenda do MDB, voltou a integrar no ano seguinte, como membro efetivo, as comissões de Comunicações e de Desenvolvimento da Região Sul, além de participar, como suplente, da Comissão de Agricultura e Política Rural da Câmara. Tornando a se reeleger no pleito de novembro de 1978, com a extinção do bipartidarismo em 29 de novembro de 1979 e a conseqüente reformulação partidária, filiou-se ao Partido Democrático Trabalhista (PDT), liderado pelo ex-governador gaúcho Leonel Brizola. Passou a integrar em 1980, como membro efetivo, a Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados.

Nas eleições de novembro de 1982, candidatou-se mais uma vez à Câmara dos Deputados pelo estado do Rio Grande do Sul na legenda do PDT. Organizando o partido no Norte do país a pedido de Brizola, acabou obtendo apenas uma suplência. Anos mais tarde, em depoimento registrado no livro Autênticos do MDB: semeadores da democracia, Lenzi acusou o senador Pedro Simon, do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), de ter sido um dos responsáveis por sua derrota. Segundo o deputado, Simon teria traído sua confiança ao conquistar o apoio de vários prefeitos e diretórios regionais do PDT, cooptando sua base eleitoral.

Lenzi deixou a Câmara em janeiro de 1983, ao final da legislatura. Vítima de quatro derrames, não mais retornou à vida pública, deixando de exercer também a advocacia.

Faleceu no dia 21 de dezembro de 1997.

Foi casado com Fidélia Sansão Lenzi e, posteriormente, com Marisa Helena Alves da Silva Lenzi. Teve três filhos.

 

FONTES: CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1971-1975 e 1975-1979); IPC. Relação de ex-parlamentares falecidos; NADER, A. B. Autênticos.; NÉRI, S. 16; Perfil (1972).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados