LUCA, VALMOR DE

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: LUCA, Valmor de
Nome Completo: LUCA, VALMOR DE

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
LUCA, VALMOR DE

LUCA, Valmor de

*dep. fed. SC 1975-1991; const. 1987-1988.

 

Valmor Paulo de Luca nasceu em Criciúma (SC) no dia 22 de março de 1938, filho de Jorge Elias de Luca e de Gilia Rizzieri de Luca.

Fez os estudos primários e secundários em sua cidade natal e transferiu-se para Curitiba, onde ingressou na Faculdade de Farmácia da Universidade do Paraná. Destacado líder estudantil, diplomou-se farmacêutico-bioquímico em 1962, passando a exercer suas atividades profissionais no município de Içara (SC).

Filiado ao Movimento Democrático Brasileiro (MDB), partido de oposição ao regime militar instalado no país em abril de 1964, iniciou sua carreira política ao eleger-se vereador de Içara. Empossado no início de 1967, foi líder do seu partido na Câmara Municipal até o final da legislatura, em 1970. Em novembro de 1974 elegeu-se deputado federal por Santa Catarina, sempre na legenda emedebista, tendo recebido expressiva votação de toda a região mineira carbonífera do estado. Assumiu o mandato em fevereiro de 1975, tornando-se vice-presidente da Comissão de Minas e Energia, suplente da Comissão de Saúde e vice-presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) sobre aquisição de hospitais pelo Instituto Nacional de Previdência Social (INPS). Em novembro de 1978 reelegeu-se deputado federal na mesma legenda, iniciando seu segundo mandato em fevereiro do ano seguinte.

Com a extinção do bipartidarismo em 29 de novembro de 1979 e a conseqüente reformulação partidária, filiou-se ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), legenda oposicionista que deu continuidade ao MDB. Em 1980 integrou a missão parlamentar brasileira que visitou o Líbano e a Síria, a convite da Organização para a Libertação da Palestina (OLP). No ano seguinte, fez nova viagem ao exterior, dessa vez como delegado observador à II Conferência da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre o direito do mar, realizada em Nova Iorque. Na Câmara dos Deputados, foi quarto-secretário (1979-1981) e vice-líder do PMDB (1981-1982).

Em novembro de 1982 reelegeu-se deputado federal, assumindo sua cadeira em fevereiro de 1983. Ao longo de toda a legislatura (1983-1987), foi membro da Comissão de Finanças e integrou também a CPI sobre minerais estratégicos (1985-1986) e a CPI sobre o pólo petroquímico do Sul do país (1986). Permaneceu como um dos vice-líderes do PMDB na Câmara até 1986, ano em que foi eleito segundo-tesoureiro da executiva nacional do partido. Ainda em 1986, fez parte de uma missão parlamentar que visitou Angola a convite do governo daquele país.

Nos primeiros meses de 1984, teve início uma ampla campanha popular pelo restabelecimento de eleições diretas para a escolha do sucessor do general João Figueiredo (1979-1985) na presidência da República, que ficou conhecida como movimento das Diretas Já. No Congresso Nacional, tramitava o projeto de emenda constitucional apresentado pelo deputado Dante de Oliveira (PMDB-MT), propondo o restabelecimento do pleito direto para novembro daquele ano. Em 25 de abril de 1984, Valmor de Luca manifestou-se a favor da emenda Dante de Oliveira, que, apesar do clamor popular por sua aprovação, não alcançou na Câmara o quórum necessário para que pudesse ser encaminhada à apreciação pelo Senado, faltando 22 votos.

Em 15 de janeiro de 1985, quando o Colégio Eleitoral se reuniu para escolher o novo presidente da República, Valmor de Luca votou no candidato oposicionista Tancredo Neves, eleito pela Aliança Democrática — coligação formada pelo PMDB e pela dissidência da legenda governista Partido Democrático Social (PDS), abrigada na Frente Liberal. Tancredo, contudo, adoeceu, e não chegou a ser empossado na presidência, vindo a falecer em 21 de abril de 1985. Seu substituto foi o vice José Sarney, que já vinha exercendo interinamente o cargo desde 15 de março.

Em novembro de 1986 foi eleito deputado federal constituinte na legenda do PMDB, assumindo seu novo mandato em fevereiro do ano seguinte, quando tiveram início os trabalhos da Assembléia Nacional Constituinte. Ainda em 1987, foi membro titular da Subcomissão do Sistema Financeiro, da Comissão do Sistema Tributário, Orçamento e Finanças. Nas principais votações da Constituinte, pronunciou-se a favor da legalização do aborto, da estabilidade no emprego, do rompimento diplomático com países que adotavam uma política de discriminação racial, da limitação do direito de propriedade privada, do turno ininterrupto de seis horas, da unicidade sindical, do voto aos 16 anos, da estatização do sistema financeiro e da limitação dos juros reais em 12% ao ano. Foi contra o mandato de cinco anos para o presidente José Sarney, a pena de morte e a jornada semanal de 40 horas. Parlamentarista, propôs a dissolução do Congresso após a promulgação da nova Carta e a convocação de eleições gerais.

Disputou novo mandato em outubro de 1990, pelo PMDB, mas dessa vez obteve apenas uma suplência. Deixou a Câmara dos Deputados em janeiro de 1991, ao final da legislatura. Entre 1991 e 1992 foi assessor parlamentar do Ministério da Saúde de 1993 a 1995 presidente da Telecomuicações de Santa Catarina (TELESC).  Em janeiro de 2003 foi nomeado presidente da Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan) e também do Conselho de Administração da empresa. Em 2007, assumiu o cargo de diretor vice-presidente da Associação das Empresas de Saneamento Básico Estaduais (AESBE).

Casou-se com Ada Lili Faraco de Luca, filha do prefeito de Criciúma Vânio Faraco, cassado pelo movimento político-militar de 31 de março de 1964. Ada foi também deputada estadual eleita em 2006. O casal teve duas filhas.

Denise Duque Estrada

 

FONTES: ASSEMB. LEGISL. SC. Dicionário político; ASSEMB. NAC. CONST. Repertório (1987-1988); CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1975-1979 e 1979-1983); COELHO, J. & OLIVEIRA, A. Nova; Jornal do Brasil (18/11/74); NÉRI, S. 16.

http://abelardoluz.sc.gov.br/conteudo/?item=328&fa=1&cd=5640

http://www.casan.com.br/index.php?sys=21

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados