MACHADO, CAIO DE ALCANTARA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: MACHADO, Caio de Âlcantara
Nome Completo: MACHADO, CAIO DE ALCANTARA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
MACHADO, CAIO DE ALCÂNTARA

MACHADO, Caio de Alcântara

*pres. IBC 1968-1969.

Caio de Alcântara Machado nasceu na cidade de São Paulo no dia 30 de abril de 1926, filho de Brasílio Machado de Oliveira Neto e de Luísa Assunção Machado. Seu pai foi revolucionário em 1932, presidente da Confederação Nacional do Comércio nos períodos de 1952 a 1954 e de 1956 a 1959 e deputado federal por São Paulo entre 1955 e 1963. Seu avô, José de Alcântara Machado de Oliveira, foi professor da Faculdade de Direito de São Paulo, deputado à Constituinte de 1934 e senador por São Paulo de 1935 a 1937. Seu bisavô, Brasílio Machado de Oliveira, foi advogado e professor, e seu trisavô, José Joaquim Machado de Oliveira, destacou-se como político durante o período monárquico, tendo presidido várias províncias do Império. Seu tio, Antônio de Alcântara Machado (1901-1935), foi escritor modernista, autor, entre outros, dos volumes de contos Brás, Bexiga e Barra Funda (1927) e Laranja da china (1928).

Cursou o primário no Externato Ofélia Fonseca e o secundário nos colégios São Luís e Arquidiocesano, bacharelando-se pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo.

Começando a vida profissional como escrevente autorizado do 4º Tabelião de Protestos, logo iniciou suas atividades comerciais, participando da fundação e exercendo a superintendência das Lojas Assunção, cadeia pioneira de vendas a varejo que viria a ter destacado papel na difusão das práticas modernas de comercialização do gênero supermercado. Posteriormente, fundou e presidiu por vários anos a Alcântara Machado Publicidade, a primeira firma brasileira no ramo de propaganda e promoções a competir com as empresas norte-americanas instaladas no Brasil. Foi, ainda, diretor-presidente da Folha de S. Paulo e diretor-superintendente da Rádio Assunção.

Sua maior realização empresarial foi a Alcântara Machado Comércio e Empreendimentos, fundada em 1956. Como presidente e organizador da empresa, contribuiu decisivamente para a renovação das práticas de marketing na indústria nacional, lançando no Brasil a idéia de feira comercial e revolucionando o conceito generalizado de feiras e salões, ao trazer para suas mostras exemplares dos mais diferentes ramos da indústria e do comércio. Entre os empreendimentos promovidos por sua firma, figuram a Feira Nacional da Indústria Têxtil (Fenit), a Feira da Mecânica Nacional, a Feira Eletreletrônica, a Feira Nacional de Utilidades Domésticas (UD), a Feira de Artefatos de Couro, a Feira de Utensílios e Serviços de Escritório (USE), a Feira de Técnica Agrícola (Fetag), a Feira Internacional de Alimentação (FIA), o Salão de Artes Gráficas, Papel e Celulose, o Salão de Embalagens, o Salão da Criança e o Salão do Automóvel, todos de realização anual ou bienal. A partir desses empreendimentos, a Alcântara Machado seria designada para organizar o pavilhão brasileiro numa série de feiras internacionais.

À medida que sua empresa crescia, Alcântara Machado alcançou grande prestígio nos círculos empresariais. Em 1963, foi eleito o Homem de Vendas do Ano pela Associação dos Diretores de Vendas do Brasil e, no ano seguinte, recebeu o prêmio João Ramalho, conferido às dez personalidades que mais haviam contribuído para o desenvolvimento comunitário, além do troféu Assis Chateaubriand, atribuído ao comunicador do ano. Em 1967, recebeu o troféu O Mascate do Ano, outorgado pela Confederação Nacional do Comércio.

Em janeiro de 1968, assumiu a presidência do Instituto Brasileiro do Café (IBC), órgão responsável pela política e a comercialização desse produto, em substituição a Horácio Coimbra. Durante sua administração, a venda de café alcançou o ponto mais alto do século XX. Ainda em 1968, foi indicado como a Personalidade do Ano pela Associação Brasileira de Propaganda. Concluiu sua gestão à frente do IBC em dezembro de 1969.

No ano seguinte, montou o pavilhão brasileiro na Expo 70, em Montreal, Canadá, e recebeu o Edward Rihau Award, conferido pela Sales and Marketing Executives International, de Nova Iorque. Em colaboração com as Industrial and Trade Fairs International, que lhe confiaram também a montagem da Feira Industrial Britânica, em Buenos Aires, organizou a Feira Industrial Americana em 1971. Nesse ano recebeu ainda o prêmio Bandeirante do Turismo, outorgado pelo Sindicato dos Hotéis e Similares de São Paulo, e foi eleito membro da Comissão Executiva Central das Comemorações do Sesquicentenário da Independência do Brasil.

A Alcântara Machado Comércio e Empreendimentos organizou a Brasil-Export em 1972 e, nesse mesmo ano, seu presidente foi indicado para o prêmio Cidadão do Ano, que lhe foi concedido pela Brazilian-American Chamber of Commerce em maio de 1973 nos EUA. Ainda em 1973, Alcântara Machado tornou-se o Homem do Ano Suíço no Brasil, título que lhe conferiu a Câmara Suíça de Comércio e Indústria do Brasil. No ano seguinte, recebeu o Tucano de Ouro da Viação Aérea Rio-Grandense (Varig), por serviços prestados a essa empresa. O êxito alcançado pelas promoções de sua firma fez com que surgisse em São Paulo a necessidade da construção de um local destinado à organização de feiras e salões. Foi assim que se erigiu o palácio de exposições do parque Anhembi, dirigido pelo próprio Alcântara Machado, incluindo um palácio de convenções, um hotel e instalações complementares.

Alcântara Machado tornou-se ainda vice-presidente da Companhia Imobiliária Morumbi e presidente da Companhia Imobiliária e Financeira, da Corsário Anhembi de Aviação e da Urupianga Agropecuária. Tornou-se membro do conselho de administração do Banco Mercantil de São Paulo, do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (CIESP), do Centro de Integração Empresa-Escola, da Fundação Bienal de São Paulo e da Associação Comercial de São Paulo.

Faleceu em São Paulo no dia 20 de agosto de 2003.

Casado com Maria Cecília Gonçalves, teve quatro filhos.

 

FONTES: CONSULT. MAGALHÃES, B.; Folha de S. Paulo (online) 20 ago. 2003. Disponível em : <http://www1.folha.uol.com.br>; SOC. BRAS. EXPANSÃO COMERCIAL. Quem; Súmulas; Who’s who in Brazilian.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados