MACIEL, ARNALDO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: MACIEL, Arnaldo
Nome Completo: MACIEL, ARNALDO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
MACIEL, ARNALDO

MACIEL, Arnaldo

*dep. fed. PE 1983-1987.

Arnaldo Barbosa Maciel nasceu em Belo Jardim (PE) no dia 2 de maio de 1922, filho de Francisco Barbosa Maciel e Adalgisa Mendes Ribeiro.

Em 1946 bacharelou-se em ciências contábeis na Escola Técnica do Comércio do Recife e, três anos depois, em ciências jurídicas e sociais na Faculdade de Direito da atual Universidade Federal de Pernambuco.

Filiado à União Democrática Nacional (UDN), iniciou a sua carreira política elegendo-se prefeito de sua cidade natal, cargo que assumiu em novembro de 1951. Eleito, pelo mesmo partido, deputado estadual no pleito de outubro de 1954, deixou a prefeitura em março de 1955, quando assumiu uma vaga na Assembléia Legislativa pernambucana. Durante a legislatura 1955-1959, integrou as comissões de Justiça, de Finanças e Orçamento e de Redação de Leis. Nesse mesmo período, foi presidente da Comissão de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco. Ao longo da legislatura, em maio de 1957 foi nomeado, após aprovação em concurso, promotor do Ministério Público de Pernambuco. Em outubro de 1958, reelegeu-se deputado estadual, iniciando novo mandato no início do ano seguinte.

Em fevereiro de 1960 tornou-se titular da Secretaria de Governo, no governo de Cid Sampaio (1959-1963). Nomeado tabelião público do 5º Ofício de Notas da Comarca do Recife em abril de 1961, voltou a eleger-se prefeito de Belo Jardim em março de 1962, novamente pela UDN. Permaneceu na prefeitura do município até novembro de 1966. Ao longo do exercício deste cargo, filiou-se, devido à extinção do pluripartidarismo (27/10/1965) e à implantação do bipartidarismo, à Aliança Renovadora Nacional (Arena), partido de sustentação ao regime militar implantado no país em abril de 1964.

Afastado temporariamente da vida pública, período em que se dedicou apenas às suas atividades como tabelião, voltou ao cenário político em março de 1974, no governo de Eraldo Gueiros (1971-1975), quando foi nomeado secretário de Coordenação Geral e Planejamento. Nos anos de 1975, 1976 e 1979, participou dos congressos internacionais do Notariado Latino, realizados, respectivamente, em Buenos Aires, Paris e Barcelona, na Espanha.

Nas eleições de novembro de 1982 elegeu-se deputado federal por Pernambuco, na legenda do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB). Empossado em fevereiro do ano seguinte na Câmara dos Deputados, foi titular da Comissão de Constituição e Justiça.

Em 25 de abril de 1984 votou a favor da emenda Dante de Oliveira, que, apresentada na Câmara dos Deputados, propôs o restabelecimento das eleições diretas para presidente da República em novembro daquele ano. Como a emenda não obteve o número de votos indispensáveis à sua aprovação — faltaram 22 para que o projeto pudesse ser encaminhado à apreciação pelo Senado Federal —, no Colégio Eleitoral, reunido em 15 de janeiro de 1985, Arnaldo Maciel votou em Tancredo Neves, eleito novo presidente da República pela oposicionista Aliança Democrática, uma união do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) com a dissidência do PDS abrigada na Frente Liberal, que derrotou Paulo Maluf, candidato do regime militar. Contudo, por motivo de doença, Tancredo Neves não chegou a ser empossado na presidência, vindo a falecer em 21 de abril de 1985. Seu substituto no cargo foi o vice José Sarney, que já vinha exercendo interinamente o cargo, desde 15 de março desse ano.

Candidato a deputado federal constituinte nas eleições de novembro de 1986, Arnaldo Maciel alcançou apenas a terceira-suplência. Deixou a Câmara dos Deputados em janeiro de 1987, ao final da legislatura. A partir de então, passou a dedicar-se a suas atividades de tabelião.

Ao longo da sua trajetória profissional, Arnaldo Maciel foi ainda presidente do conselho federal do Colégio Notarial do Brasil e da seção pernambucana da entidade, professor assistente de direito civil na Faculdade de Direito de Caruaru, membro do conselho deliberativo do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Pernambuco e da Associação dos Serventuários da Justiça do Estado de Pernambuco, a qual presidiu.

Casou-se com Margarida Inês de Oliveira Maciel, com quem teve sete filhos.

Publicou, entre outros, O notariado e sua influência nos negócios imobiliários e Um parlamentar em ação (3v.).

FONTES: CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1983-1987); Globo (26/4/84 e 16/1/85); INF. BIOG.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados