MARCOS PEREIRA VIANA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: VIANA, Marcos
Nome Completo: MARCOS PEREIRA VIANA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
VIANA, MARCOS

VIANA, Marcos

*pres. BNDE 1970-1979.

Marcos Pereira Viana nasceu em Vitória no dia 8 de maio de 1934, filho de Ari Viana e de Maria Madalena Pereira Viana.

Formou-se em 1957 pela Escola Nacional de Engenharia da Universidade do Brasil e no ano seguinte ingressou na Companhia Vale do Rio Doce (CVRD), tornando-se em 1959 chefe da Comissão Especial de Obras Portuárias da empresa. Em 1960, sem prejuízo da chefia que exercia, assumiu a cadeira de resistência de materiais da Escola de Engenharia da Universidade do Espírito Santo. Em junho de 1961 foi designado para a chefia do Departamento de Obras da CVRD, que ocupou até 1962, quando passou a superintendente-geral da empresa. Acumulou essa função, de 1963 a 1965, com a de diretor da Beneficiamento de Itabiritos S.A.- Benita -, e neste último ano deixou a Vale do Rio Doce para assumir a direção da Aços Anhangüera S.A. Retornou contudo à Vale em 1968 no cargo de superintendente-geral industrial.

Dirigiu a Rio Doce Madeiras de 1969 a janeiro de 1970, quando, na condição de superintendente do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (IPEA), foi nomeado secretário-geral do Ministério do Planejamento e Coordenação Geral, na gestão de Hélio Beltrão. Ainda em 1970 presidiu o Instituto de Planejamento (Iplan) e a Agência Especial de Financiamento Industrial (Finame) do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDE), atual Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Na condição de secretário-geral, substituiu também interinamente o ministro do Planejamento. Naquele mesmo ano, tornou-se presidente da Tecnicorp DTVM (depois Banco Tecnicorp), na qual permaneceria até 1975.

Em outubro de 1970, durante o governo do presidente Emílio Garrastazu Médici (1969-1974), foi nomeado pelo então ministro do Planejamento, João Paulo dos Reis Veloso, presidente do BNDE, em substituição a Jaime Magrassi de Sá. Sua atuação à frente desse órgão voltou-se para o reforço da função privatista da instituição e do setor privado da economia brasileira.

Em 1974 teve o seu nome cogitado por setores da Aliança Renovadora Nacional (Arena) para a sucessão do governador do Espírito Santo, Artur Gerhardt, de quem recebeu apoio. O candidato escolhido foi, no entanto, Élcio Álvares, eleito pela Assembléia Legislativa capixaba em outubro de 1974. Mantido à frente do BNDE pelo presidente Ernesto Geisel (1974-1979), foi o presidente do BNDE que mais tempo ocupou o cargo, cerca de nove anos, visto que só veio a ser substituído em março de 1979, após a posse do presidente João Figueiredo, por Luiz Antonio Sande de Oliveira. Durante esses anos presidiu a Finame e integrou o Conselho Monetário Nacional, ao qual retornaria em 1985.

De volta à Tecnicorp, em 1979, presidiu aquela instituição até 1985. Neste último ano, tornou-se diretor-geral da Carteira de Comércio Exterior do Banco do Brasil (Cacex) e no ano seguinte, vice-presidente da Verolme Estaleiros Reunidos do Brasil S.A., onde permaneceria até 1988. Sócio-gerente da Concorp Consultores Associados Ltda. entre 1990 e 1995, nesse período — de outubro de 1992 a março de 1993 — exerceu a vice-presidência do BNDES, durante a gestão de Antônio Barros de Castro.

Foi também conselheiro da Companhia Siderúrgica Nacional, da Usiminas — Usinas Siderúrgicas de Minas Gerais, da Cosipa — Companhia Siderúrgica Paulista e da Cofavi — Companhia de Ferro e Aço de Vitória. Integrou o Conselho Interministerial de Preços, o Conselho de Desenvolvimento Industrial e os conselhos do Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais e do Fundo de Modernização e Reorganização Industrial. Presidiu a Associação Brasileira dos Bancos de Desenvolvimento Econômico e trabalhou para a Companhia Auxiliar de Empresas de Mineração (Caemi), empresa do grupo Azevedo Antunes.

Afastado das atividades profissionais desde 1995, colabora com Luiz Alberto Bittencourt e Luis Cesar Faro na elaboração de livro sobre sua trajetória, cujo título provisório é “Marcos Vianna - o BNDES que pensava o Brasil”.

Casou-se pela primeira vez com Daisy Vianna, com quem teve três filhos, unindo-se mais tarde a Ariane Castelo da Costa.

 

FONTES: ARQ. DEP. PESQ. JORNAL DO BRASIL; Correio da Manhã (24/10/79); CORRESP. BANCO NAC. DESENV. ECON.; CURRIC. BIOG.; Jornal do Brasil (20/7/72, 9/3/74 e 11/12/77); Visão (28/4/75).

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados