MARTINS, Colbert

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: MARTINS, Colbert
Nome Completo: MARTINS, Colbert

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
MARTINS, Colbert

MARTINS, Colbert

* dep. fed. BA 1997-1999, 2003-

 

                Colbert Martins da Silva Filho nasceu em 2 de outubro de 1952, na cidade de Feira de Santana (BA), filho de Colbert Martins da Silva, um tradicional político de Feira de Santana, e Elizabeth Gomes Martins.

                Formou-se em medicina pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), em Salvador, no ano de 1977, e tornou-se mestre em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), Bahia, em 2000.

                Em 1986, foi chefe do setor de Medicina Social do INAMPS de Feira de Santana, BA. Pela Secretaria de Saúde do Estado da Bahia, atuou como Diretor Regional de Saúde, em Feira de Santana, em 1987, e como médico, a partir de 1988. No ano de 1989 assumiu a subsecretaria de Saúde do Estado da Bahia, e passou a lecionar na UEFS.

                Foi diretor do Sindicato dos Médicos do Estado da Bahia, Salvador, entre os anos de 1990 e 1992, e ocupou a vice-presidência da Associação Baiana de Medicina, Salvador, de 1995 a 1997.

                No ano de 1980 filiou-se ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) do qual foi vice-líder entre 1991 e 1994, quando era deputado estadual na Bahia (legislatura 1991-1995). Presidiu o diretório municipal do PMDB de Feira de Santana, de 1995 a 1997. Por esta legenda, concorreu à Câmara Federal nas eleições de 1994, quando obteve apenas uma suplência. Assumiu e foi efetivado no mandato de deputado federal para a legislatura 1995-1999, em 2 de janeiro de 1997. Ainda neste ano, filiou-se ao Partido Popular Socialista (PPS), do qual tornou-se vice-líder entre 1997 e 1999, tendo assumido, em 2000 a presidência da executiva nacional do partido.

Elegeu-se novamente, pela legenda do PPS, para a legislatura 2003-2007, no pleito de 2002.

                Em março de 2006, como suplente do Conselho de Ética da Câmara, que julgou os deputados investigados pela CPI do Mensalão, foi o primeiro membro a renunciar em protesto contra as absolvições dos deputados Professor Luizinho (PT-SP) e Roberto Brant (PFL-MG), no Plenário da Câmara, cujas cassações já haviam sido recomendadas pelo conselho. O escândalo do Mensalão teve início com as denúncias feitas pelo deputado federal Roberto Jefferson (PTB-RJ) sobre um esquema de compra de votos para aprovação de projetos de interesse do governo federal, articulado pelo ministro da Casa Civil, José Dirceu (PT-SP). Este esquema envolvia a participação do publicitário Marcos Valério, dono das agências SMP&B e da DNA Propaganda. Através das contas de suas empresas em agências do Banco Rural em Belo Horizonte, Valério operava os pagamentos do Mensalão, movimentando altas quantias de dinheiro vivo. O deputado Professor Luizinho foi acusado de receber R$ 20 mil de Marcos Valério. Já Roberto Brant teria recebido uma doação (não declarada à Justiça Eleitoral) de R$ 102 mil da Usiminas, para sua campanha, também através das contas de Marcos Valério.

                Na condição de relator da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), Colbert Martins, e em dezembro de 2006 apresentou parecer contrário à instalação da CPI do Apagão Aéreo, que investigaria uma sucessão de crises nos aeroportos brasileiros – deflagrada com a queda de um boeing da Gol, que voava de Manaus para Brasília, e que chocou-se no ar, no dia 29 de setembro de 2006, com um jato executivo, matando 154 pessoas – bem como supostas deficiências da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e denúncias de superfaturamento de obras nos aeroportos.

                Contrariando orientação de seu partido, PPS, votou pelo aumento de 91% dos salários de deputados federais e senadores, em dezembro de 2006. A resolução, que partiu das Mesas Diretoras da Câmara e do Senado, foi inviabilizada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) que entendeu ser necessário submetê-la ao plenário das duas casas.

                Em 2006 reelegeu-se deputado federal pela legenda do PPS e no ano seguinte, às vésperas de ser empossado, retornou ao PMDB.

               

 

FONTES: Folha de S.Paulo (online) 10 mar., 19,24 dez. 2006 e 13 mar. 2007. Disponível em : < http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u89260.shtml>. Acesso em : 06 abr. 2009; Globo (online) 25 jun. 2005; 09 mar. 2006; 05 set. 2007 e 18 jul. 2008. Disponível em : <http://oglobo.globo.com>. Acesso em : 19 mar. 2009; Portal da Câmara dos Deputados. Disponível e : <http://www.camara.gov.br/internet/deputado/dep_detalhe.asp? id=520328>. Acesso em : 21 jan. 2009.

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados