MEDEIROS FILHO, DAVI DE

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: MEDEIROS FILHO, Davi de
Nome Completo: MEDEIROS FILHO, DAVI DE

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
MEDEIROS FILHO, DAVI DE

MEDEIROS FILHO, Davi de

*militar; rev. 1935.

Davi de Medeiros Filho nasceu no dia 29 de março de 1909.

Sentou praça em março de 1929, ingressando na Escola Militar do Realengo, no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, da qual saiu aspirante-a-oficial em janeiro de 1932. Em julho desse ano lutou ao lado das forças governamentais contra a Revolução Constitucionalista de São Paulo. Promovido a segundo-tenente em agosto seguinte, chegou a primeiro-tenente em outubro de 1933.

Em novembro de 1935 participou do levante do 3º Regimento de Infantaria (3º RI) na Praia Vermelha, no Rio de Janeiro, liderado pelos capitães Agildo Barata, Álvaro de Sousa e José Leite Brasil. O movimento fazia parte de uma revolta de âmbito nacional promovida pelo Partido Comunista Brasileiro, então Partido Comunista do Brasil (PCB), em nome da Aliança Nacional Libertadora (ANL). No levante do 3º RI, sua tarefa era de, juntamente com o segundo-tenente Tomás Meireles, sublevar a 1ª Companhia de Fuzileiros, da qual ambos faziam parte e cuja oficialidade estava dividida entre revoltosos e legalistas. Buscariam ainda, com o apoio de diversos subalternos, imobilizar a 2ª, 3ª e 4ª companhias de Fuzileiros e a Companhia de Metralhadoras Leves do 1º Batalhão, cujo comando era legalista ou não se encontrava sublevado. Instantes após ter sido deflagrado o movimento, os revoltosos conseguiram isolar o posto de comando legalista e apossar-se de todos os companheiros, com exceção das companhias de Metralhadoras Leves do 1º e 2º batalhões, cujos comandantes, após resistirem algum tempo, acabaram por render-se. Entretanto, o cerco e o bombardeio do quartel do 3º RI por tropas legalistas levaram à rendição dos revoltosos, que foram presos e processados.

No inquérito aberto pela polícia do Rio de Janeiro, Medeiros Filho foi acusado de ser um dos líderes do levante. Em depoimento prestado às autoridades, justificou sua participação no movimento por discordar da orientação do governo de Getúlio Vargas, alegando ainda ter sido instado a revoltar-se por Tomás Meireles. Este o teria avisado de que o movimento era dirigido por uma junta central, cujos integrantes se desconheciam e à qual caberia a articulação com os demais estados. Disse ainda Medeiros Filho esperar que a revolta adquirisse cunho popular, abrangendo todas as forças do país, e que só teria sido alertado para a data do levante na véspera, ainda por Meireles, ignorando que o comando do movimento coubesse ao líder comunista Luís Carlos Prestes e que este houvesse alcançado a Escola de Aviação Militar. Acusado de haver ferido o capitão Arione Brasil, o sargento Aristides da Hora e o soldado Nélson de Matos, teve a patente militar cassada pelo Decreto nº 558, de 31 de dezembro de 1935.

Em maio de 1937 foi condenado pelo Tribunal de Segurança Nacional a oito anos de prisão.

FONTES: BARATA, A. Vida (8/35); COSTA, R. Tribunal; MIN. GUERRA. Almanaque (1933); PORTO, E. Insurreição; SILVA, H. 1935; SILVA, H. 1937.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados