NILSO ROMEU SGUAREZZI

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: SGUAREZZI, Nilso
Nome Completo: NILSO ROMEU SGUAREZZI

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
SGUAREZZI, NILSO

SGUAREZZI, Nilso

*const. 1987-1988; dep. fed. PR 1987-1991.

Nilso Romeu Sguarezzi nasceu em São José d’Ouro, município de Lagoa Vermelha (RS), em 28 de outubro de 1940, filho de Frederico Sguarezzi e Irene Fagion Sguarezzi.

Em 1962, ingressou na Faculdade de Direito da Universidade Federal do Paraná (Ufpr), vindo a presidir o Centro Acadêmico Hugo Simas. Bacharelou-se em 1967.

Filiado à Juventude Trabalhista do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), com a extinção dos antigos partidos e instalação do bipartidarismo em 29 de outubro de 1965, pelo Ato Institucional nº 2, filiou-se ao Movimento Democrático Brasileiro (MDB), agremiação política de oposição ao regime militar implantado em abril de 1964. Em novembro de 1968, elegeu-se vereador no município de Pato Branco, área de colonização gaúcha no sudoeste paranaense. Tomou posse em fevereiro do ano seguinte e permaneceu até o fim da legislatura, em fevereiro de 1973.

Em novembro de 1974, concorreu à Assembléia Legislativa. Eleito com 22 mil votos, integrou as comissões de Constituição e Justiça e de Segurança, além de exercer a liderança do MDB. Reeleito em novembro de 1978 com cerca de 25 mil votos, iniciou novo mandato em fevereiro do ano seguinte. Com a extinção do bipartidarismo (29/11/1979) e a posterior reorganização partidária, filiou-se ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB). Líder do partido e do governo na Assembléia, reelegeu-se em novembro de 1982 com votos provenientes, em sua maioria, das regiões sudoeste, oeste e noroeste do estado.

Membro da Comissão de Saúde, presidiu a Assembléia entre 1985 e 1986 e foi líder do governo José Richa. Candidatou-se, em novembro de 1986, a deputado federal constituinte, pelo PMDB. Eleito com a quarta votação do estado, cerca de 74 mil votos, assumiu em 1º de fevereiro de 1987. Membro da Subcomissão do Poder Judiciário do Ministério Público, da Comissão da Organização dos Poderes e Sistema de Governo, e suplente da Subcomissão de Tributos, Participação e Distribuição das Receitas, da Comissão do Sistema Tributário, Orçamento e Finanças, Nilso Sguarezzi votou contra a pena de morte, a limitação do direito de propriedade privada, a jornada semanal de 40 horas, o presidencialismo, a estatização do sistema financeiro e o mandato de cinco anos para o presidente José Sarney.

Manifestou-se favoravelmente ao rompimento de relações diplomáticas com países com política de discriminação racial, ao aborto, ao turno ininterrupto de seis horas, à unicidade sindical, à soberania popular, ao voto aos 16 anos, à nacionalização do subsolo, ao limite de 12% ao ano para os juros reais e à limitação dos encargos da dívida externa. Apresentou emenda proibindo a anistia fiscal em qualquer nível tributário. Foi membro titular da Comissão de Fiscalização e Controle, da qual foi o relator da comissão especial que investigou a quebra das bolsas de valores provocada pelo megaespeculador Naji Nahas, ex-presidente da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). Nessa ocasião pela primeira vez o Legislativo quebrou o sigilo bancário de pessoas físicas e jurídicas, produzindo provas que, submetidas ao Judiciário, levaram à condenação de Nahas.

Deixou a Câmara em janeiro de 1991, no fim da legislatura. Passou a dedicar-se à sua banca de advocacia em Curitiba deixando a militância partidária. Posteriormente, constituiu empresa de consultoria especializada na área tributária, destinada a atender às prefeituras na atualização e reforma de seus códigos e da legislação tributária municipal, matéria na qual fez pós-graduação. Foi professor de direito penal na Pontifícia Universidade Católica do Paraná.

Durante a campanha eleitoral para o governo do estado de 2006 Sguarezzi prestou assessoria jurídica para o candidato Osmar Dias, do Partido Democrático Trabalhista (PDT). O pleito, bastante disputado, resultou numa vitória no segundo turno por estreita margem de votos do adversário de Osmar Dias, o governador em exercício Roberto Requião (PMDB), tendo Dias obtido 2.658.132 (49,9%) votos, contra 2.668.611 (50,1%) dados ao governador reeleito.

Em agosto de 2007 foi convidado pelo então prefeito de Curitiba, Beto Richa, do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) para ocupar a recém-criada assessoria especial de relações institucionais na capital paranaense, assumindo o cargo no mesmo mês. Durante sua gestão na assessoria, com poderes de secretário municipal, conduziu diversas articulações da prefeitura com outros órgãos públicos. Permaneceu no cargo até dezembro de 2008 quando foi substituído pelo então secretário municipal de Turismo, Luiz de Carvalho.

Após sair do cargo que ocupava na prefeitura de Curitiba retomou suas atividades profissionais em seu escritório de advocacia, e ocupou um cargo comissionado na prefeitura de Araucária (PR) como assessor especial lotado no gabinete do prefeito desta cidade.

Casou-se com Maíra Cardoso Sguarezzi, com quem teve três filhos.

FONTES: ASSEMB. NAC. CONST. Repertório (1987-1988); COELHO, J. & OLIVEIRA, A. Nova; INF. BIOG; O Estado do Paraná (31/12/2008); Jornale (13/07/2007); Gazeta do Povo (12/07/2006); http://www.araucaria.pr.gov.br/ (acesso em 18/12/2009).

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados