PRUDENTE DE MORAIS NETO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: DANTAS, Pedro
Nome Completo: PRUDENTE DE MORAIS NETO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
MORAIS NETO, Prudente de

DANTAS, Pedro

* jornalista; superint. Sumoc 1955.

 

Prudente de Morais Neto, também conhe­cido como Pedro Dantas, nasceu no Rio de Ja­neiro, então Distrito Federal, no dia 23 de maio de 1904, filho de Prudente de Morais Fi­lho, deputado federal por São Paulo de 1912 a 1926, e de Blandina Mendes de Morais. Seu avô paterno, Prudente de Morais foi consti­tuinte em 1891, senador de 1891 a 1894 e o primeiro presidente civil da República (1894­-1898). Entre seus primos tinha um homôni­mo, que foi revolucionário de 1930 e de 1932.

Fez os primeiros estudos em sua própria casa e o secundário no Colégio Pedro II, em sua cidade natal, concluindo-o em 1921. Foi aí influenciado pelo professor José Oiticica, tornando-se simpatizante do anarquismo. In­gressou na Faculdade de Direito em 1922, ano em que o poeta Celso Kelly, seu colega de tur­ma, o aproximou do movimento modernista. Em 1924, juntamente com Sérgio Buarque de Holanda, lançou a revista modernista Estética, que teve publicados apenas três números. Atuou em seguida por cerca de um ano como secretário da Revista do Brasil, durante a fase de Francisco de Assis Chateaubriand, dedican­do-se sobretudo à crítica de cinema.

Começou a trabalhar em 1925 no jornal A Manhã, de São Paulo, publicando artigos assi­nados na página de colaboradores. No ano se­guinte bacharelou-se em direito e, em. 1928, sob o pseudônimo de Pedro Dantas, iniciou colaboração para o jornal A Província do Re­cife, então dirigido por Gilberto Freire.

Na época do Estado Novo (1937-1945) atuou, durante quase um ano, como represen­tante do Ministério da Educação e Cultura (MEC) junto à comissão de censura de cinema do Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP), deixando essa função para ir trabalhar como assistente de seu pai na Light Serviços de Eletricidade. Em 1943 passou a trabalhar na recém-criada Folha Carioca, na qual ingres­sou para escrever crônicas sobre turfe, reportagens e editoriais, assumindo meses depois a chefia da redação do jornal.

Foi delegado do Distrito Federal ao I Con­gresso Brasileiro de Escritores, promovido em São Paulo pela Associação Brasileira de Escri­tores em janeiro de 1945. O congresso reuniu expressivo número de intelectuais de variadas tendências políticas e emitiu declaração em favor da democracia e das liberdades públi­cas, caracterizando-se como uma contundente tomada de posição contra o Estado Novo. Ainda nesse ano deixou a Folha Carioca e in­gressou no Diário Carioca, onde inicialmente escreveu sobre turfe. Em 1946 foi responsável pela cobertura, realizada por esse jornal, dos trabalhos da Assembléia Nacional Constituin­te, instalada em fevereiro, alcançando pouco depois o posto de chefe de redação. Em 1951 participou da campanha contra a posse do novo presidente da República, Getúlio Vargas, eleito em outubro do ano anterior.

Deixou o Diário Carioca para assumir, em maio de 1955, a direção da Superintendência da Moeda e do Crédito (Sumoc) no governo de João Café Filho (1954-1955), em substituição a Otávio Gouveia de Bulhões, demissio­nário. Deixou o cargo em outubro do mesmo ano, sendo substituído por Inar Dias de Figuei­redo. Ainda em 1955 passou a trabalhar como redator-chefe do Diário de Notícias, do Rio de Janeiro, além de colaborar entre 1955 e 1956 para a revista Maquis, dirigida por Fidé­lis Amaral Neto. A partir de 1958 iniciou tam­bém colaboração para O Estado de São Paulo, vindo a dirigir posteriormente a sucursal desse jornal no Rio de Janeiro.

Fez oposição ao governo do presidente Juscelino Kubitschek (1956-1961) e apoiou a candidatura de Jânio Quadros à presidência da República no pleito de 1960. Com a renún­cia de Jânio em agosto do ano seguinte, pas­sou para a oposição, tendo apoiado os minis­tros militares quando estes tentaram impedir a posse do vice-presidente João Goulart. Como solução para a crise política então desencadea­da, o Congresso votou a Emenda Constitucional nº. 4, de 2 de setembro de 1961, que implantou no país o regime parlamentarista e permitiu a posse de Goulart cinco dias depois.

Em 1962 deixou o Diário de Notícias, tor­nando-se em 1964 um dos civis que mais par­ticiparam das articulações do movimento po­lítico-militar de 31 de março desse ano, que depôs o presidente Goulart e deu o poder aos militares. Em 1967 deixou O Estado de São Paulo e, no ano seguinte, embora favorável ao novo regime, combateu o Ato Institucional nº. 5 (AI-5), editado em 13 de dezembro de 1968, em razão dos poderes excepcionais con­cedidos pelo mesmo ao Executivo.

Membro do Instituto Histórico e Geográfi­co Brasileiro a partir de maio de 1969, em se­tembro de 1975, na qualidade de membro do conselho diretor da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e na tentativa de apaziguar a crise entre as várias correntes da entidade, foi eleito para ocupar a presidência da ABI em substituição a Libero Osvaldo de Miranda, re­cém-falecido. Sua atuação foi marcada pela defesa da liberdade de imprensa e dos próprios jornalistas atingidos pela intensa repressão po­lítica da época. Por ocasião da morte do jor­nalista Vladimir Herzog nas dependências do DÓI-CODI de São Paulo em outubro de 1975, tentou, sem êxito, celebrar um ato ecumênico no Rio de Janeiro, conforme fora realizado em São Paulo pelo Sindicato dos Jornalistas desse estado. Promoveu então uma sessão de homenagem no auditório da ABI, reivindican­do ainda, junto ao comandante do II Exérci­to, general Ednardo Dávila Melo, o acesso da imprensa às diligências destinadas a apurar a morte de Herzog. Foi reeleito para a presidên­cia da ABI em abril de 1976, para um novo mandato de dois anos.

Jornalista, poeta, contista, cronista, crítico literário, de cinema, de artes plásticas e de música, foi ainda professor catedrático de téc­nica e crítica literárias na Universidade Fede­ral do Rio de Janeiro.

Faleceu no Rio de Janeiro no dia 21 de de­zembro de 1977, no exercício da presidência da ABI.

Era casado em primeiras núpcias com Iná Prudente de Morais, proprietária de cavalos de corrida, e, em segundas núpcias, com Lúcia Ribeiro Prudente de Morais.

Além dos artigos, crônicas e ensaios que escreveu para diversas publicações, como Ter­ra-roxa, Antropofagia, Revista nova e A Or­dem, publicou A cachorra (poema, 1946) e Autocrítica (poesia).

 

FONTES: CAFÉ FILHO, J. Sindicato; Coo­jornal (8/77); CONG. BRAS. ESCRITORES. I; CONSULT. MAGALHÃES, B.; CORRESP. BANCO CENTRAL; COSTA, M. Cronologia; Grande encic. Delta; Jornal do Brasil (22/12/ 77); Maquis; Rev. Inst. Hist. Geóg. Bras. (10/12/77); Veja (22/5/74 e 28/12/77).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados