RABELO, Maurício

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: RABELO, Maurício
Nome Completo: RABELO, Maurício

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
RABELO, Maurício

RABELO, Maurício

* dep. fed. TO 2003-2007

 

José Maurício Rabelo nasceu em 24 de abril de 1960, em Chumbo (MG), filho de João Tavares Rabelo e Gasparina Rabelo dos Reis.

Cursou o ensino médio em Patos de Minas (MG), de 1980 a 1982. Em 1986 começou a trabalhar como locutor de rádio em Brasília, na Radiobrás.

Em 1992 se filiou ao Partido Democrata Cristão (PDC). E em 1999 fundou, como seu presidente, o Grupo Rabelo de Publicidade.

Transferiu-se para o Partido Social Democrata (PSD) em 2001, e no ano seguinte, elegeu-se nessa legenda deputado federal por Tocantins. Iniciou seu mandato em fevereiro de 2003, e neste mesmo ano filiou-se, primeiro ao Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) e, em seguida, ao Partido Liberal (PL), assumindo, de 2005 a 2006, a vice-liderança da bancada do PL na Câmara.

Entre 2003 e 2004 estudou Filosofia e Marketing no Instituto Científico de Ensino Superior e Pesquisa (ICESP), em Brasília, sem, entretanto, concluir os cursos.

Em 10 de agosto de 2006 seu nome foi envolvido no chamado escândalo das Sanguessugas, junto a mais 72 parlamentares. O caso envolvia emendas orçamentárias individuais visando a aquisição de ambulâncias superfaturadas para secretarias de saúde municipais, mediante pagamento de propina da parte da empresa Planam, da família Vedoin. O esquema lesou os cofres públicos em 15,5 milhões de reais segundo a Polícia Federal. O deputado Maurício Rabelo depôs à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), que investigou o caso, em novembro de 2006, alegando inocência.

Rabelo foi ainda titular das Comissões Permanentes de: Ciências e Tecnologia, Comunicação e Informática e Defesa do Consumidor. Não concorreu à reeleição em 2006 e deixou a Câmara ao final do mandato.

No ano de 2009 migrou para o Partido Republicano Brasileiro (PRB) e em 2010 voltou efetivamente para a política, concorrendo ao cargo de deputado federal, mas obteve como resultado uma suplência. No levantamento realizado pelo TSE ainda em 2010, esteve entre os candidatos que ficariam inelegíveis em caso de validade da Lei da Ficha Limpa para aquele pleito.

No final de 2012 tornou-se o vice-presidente do diretório regional do PRB no estado de Tocantins. 

 

FONTES: Portal Agência Brasil. Disponível em: <http://www.agenciabrasil.gov.br>. Acesso em 12/11/2009; Portal da Câmara dos Deputados. Disponível em: <http://www.camara.gov.br>. Acesso em 13/11/2009; Portal do Jornal Folha de S. Paulo. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br>. Acesso em 12/11/2009; Portal do Jornal O Globo. Disponível em: <http://oglobo.globo.com>. Acesso em 18/07/2013; Portal do Partido Republicano Brasileiro (PRB). Disponível em: <http://www.prb10.org.br/>. Acesso em 18/07/2013; Portal Tribunal Regional Eleitoral. Disponível em: <http://www.tre-rj.jus.br/>. Acesso em 18/07/13; Portal do Tribunal Superior Eleitoral. Disponível em: < http://www.tse.jus.br/>. Acesso em 18/07/2013.

 

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados