RAIMUNDO GOMES DE ARAUJO PARENTE

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: PARENTE, Raimundo
Nome Completo: RAIMUNDO GOMES DE ARAUJO PARENTE

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
PARENTE, RAIMUNDO

PARENTE, Raimundo

*dep. fed. AM 1967-1979; sen. AM 1979-1987.

 

Raimundo Gomes de Araújo Parente nasceu em Manaus no dia 4 de novembro de 1930, filho de Francisco Chagas Gomes de Araújo e de Alzira Parente de Araújo.

Bacharelou-se em ciências jurídicas e sociais pela Faculdade de Direito do Amazonas. Foi em seguida promotor de justiça, chefe de polícia e delegado do Departamento de Ordem Política e Social (DOPS).

Ingressou na política filiando-se à Aliança Renovadora Nacional (Arena), partido de apoio ao regime militar instaurado no país em abril de 1964, e foi eleito deputado federal pelo Amazonas no pleito de novembro de 1966. Assumiu sua cadeira em fevereiro do ano seguinte e passou a integrar, como titular, a Comissão de Legislação Social, da qual foi vice-presidente.

Concorreu à reeleição em novembro de 1970, ficando como primeiro suplente de deputado federal por seu estado na legenda arenista. Concluiu seu mandato na Câmara dos Deputados em janeiro de 1971, ao final da legislatura. Em junho voltou a ocupar uma cadeira de deputado, inicialmente por breve período, em substituição a Rafael Faraco, sendo efetivado em novembro desse mesmo ano, quando Faraco perdeu o mandato por decisão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Amazonas. Nessa legislatura, foi membro efetivo e vice-presidente da Comissão de Legislação Social.

Em 1974 foi designado pelo presidente da República, general Ernesto Geisel (1974-1979), para participar como observador parlamentar da 59ª Sessão da Conferência da Organização Internacional do Trabalho (OIT), em Genebra, na Suíça. No mesmo ano teve seu nome cotado para o cargo de governador do Amazonas, mas não foi indicado. Concorreu então à Câmara dos Deputados nas eleições de novembro, tendo sido o candidato mais votado da Arena em seu estado. Iniciando novo período legislativo em fevereiro de 1975, tornou-se presidente da Comissão de Legislação Social e suplente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara.

Presidente do diretório regional do partido no Amazonas, em 1978 tentou novamente a indicação do seu nome ao governo do estado. Preterido outra vez em favor de José Lindoso, foi escolhido para ocupar uma vaga de senador indireto, que ficou conhecido como “biônico”, sendo eleito em setembro de 1978 pela Assembléia Legislativa amazonense. Concluiu seu terceiro mandato na Câmara em janeiro de 1979 e no mês seguinte assumiu uma cadeira no Senado, tornando-se membro efetivo das comissões de Constituição e Justiça, Assuntos Regionais, Finanças, Serviço Público, Municípios e de Legislação Social, da qual foi presidente.

Com a extinção do bipartidarismo em novembro de 1979 e a conseqüente reformulação partidária, filiou-se no ano seguinte ao Partido Democrático Social (PDS) — sucessor da Arena no apoio ao governo —, tornando-se presidente de sua comissão diretora regional e, posteriormente, do diretório regional no estado. Em fevereiro de 1983, passou a integrar a nova mesa diretora do Senado como quarto-secretário, função que exerceria por dois anos.

No início dessa legislatura, o deputado mato-grossense Dante de Oliveira, do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), apresentou na Câmara um projeto de emenda constitucional restabelecendo as eleições diretas para a presidência da República no ano seguinte. Encampado pelos partidos de oposição, esse projeto proporcionou o desencadeamento de uma campanha nacional nesse sentido, que ficou conhecida como campanha das diretas. A emenda Dante de Oliveira foi, entretanto, derrotada na sessão da Câmara de 25 de abril de 1984, por falta de 22 votos, inviabilizando-se sua apreciação pelo Senado.

Com esse resultado, ficou definido que o sucessor do presidente João Figueiredo (1979-1985) seria eleito por via indireta. A falta de consenso na escolha do candidato oficial à presidência provocou uma cisão no partido do governo, e os dissidentes formaram a Frente Liberal. Para resolver o impasse, o PDS realizou sua convenção em agosto, e os deputados Paulo Maluf (SP) e Flávio Marcílio (CE) foram escolhidos candidatos, respectivamente, à presidência e à vice-presidência da República, derrotando o então ministro do Interior Mário Andreazza e o governador de Alagoas Divaldo Suruagy.

Para disputar com a situação, os partidos de oposição — com exceção do Partido dos Trabalhadores (PT) —, liderados pelo PMDB, e a Frente Liberal, reunidos na Aliança Democrática, lançaram como candidatos a presidente e vice-presidente, respectivamente, o ex-governador de Minas Gerais Tancredo Neves e o senador pelo Maranhão José Sarney. Na reunião do Colégio Eleitoral, em 15 de janeiro de 1985, o senador Raimundo Parente votou em Paulo Maluf, que foi derrotado pelo candidato oposicionista Tancredo Neves. Contudo, o presidente eleito adoeceu às vésperas da posse, assumindo interinamente a presidência, em 15 de março, o vice José Sarney, que acabou sendo efetivado no cargo em abril, após a morte de Tancredo.

Em novembro de 1986, Parente concorreu a novo período no Senado na legenda da coligação Muda Amazonas, mas não conseguiu se eleger. Permaneceu na Câmara Alta até o fim de janeiro de 1987, quando se encerraram o seu mandato e a legislatura. Transferindo-se para o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), em outubro de 1990 concorreu a uma cadeira na Câmara dos Deputados, mas não conseguiu se eleger.

Foi ainda, no Amazonas, redator do Jornal do Comércio local, chefe de gabinete do governador, diretor de orçamento e organização do Departamento de Administração, diretor administrativo do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) e chefe de administração do Departamento de Assistência e Previdência Social. Foi também conselheiro da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), jornalista e professor.

Faleceu em Manaus no dia 4 de maio de 1991.

Era casado com Maria Luísa Antony Parente, com quem teve um filho.

 

FONTES: CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1967-1971 e 1975-1979); Globo (16/1/1985); Jornal do Brasil (1/9/78); NÉRI, S. 16; Perfil (1972 e 1980); SENADO. Senadores (1983-1987); TRIB. SUP. ELEIT. Dados (8 e 9); Veja (31/5/78).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados