RONALDO DE AZEVEDO CARVALHO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: CARVALHO, Ronaldo
Nome Completo: RONALDO DE AZEVEDO CARVALHO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
rocarva

CARVALHO, Ronaldo

* const. 1987-1988; dep. fed. MG 1987-1991.

 

Ronaldo de Azevedo Carvalho nasceu em Santa Rita do Sapucaí (MG) no dia 25 de julho de 1942, filho do engenheiro Edmur Carneiro de Carvalho e da professora Edméia Sodré de Azevedo Carvalho.

Em 1962 concluiu o curso técnico de eletrônica na cidade natal. Formado em engenharia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) em 1968, no ano seguinte tornou-se professor da universidade, permanecendo no cargo até 1976. Em novembro desse ano, foi eleito prefeito da cidade natal, na legenda do Movimento Democrático Brasileiro (MDB), partido de oposição ao regime militar instaurado no país a partir de abril de 1964, assumindo o mandato no início de 1977. Entre 1980 e 1981 exerceu a presidência da Associação dos Municípios do Médio Sapucaí (Amesp).

Com a extinção do bipartidarismo em 29 de novembro de 1979 e a conseqüente reformulação partidária, filiou-se ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), agremiação que aglutinou os antigos membros do MDB, e, nessa legenda, foi eleito deputado estadual no pleito de novembro de 1982. Deixou a prefeitura de Santa Rita do Sapucaí no início de 1983 e assumiu a cadeira na Assembléia mineira em março seguinte. Em 1984, presidiu a Comissão de Economia e Obras Públicas, assumiu a vice-liderança da bancada do PMDB na Assembléia Legislativa de Minas Gerais e tornou-se delegado nacional do seu partido.

No pleito de novembro de 1986, elegeu-se deputado federal constituinte por Minas Gerais, sempre no PMDB, tendo como base eleitoral o sul de Minas. Deixando a Assembléia mineira em janeiro de 1987, assumiu a cadeira na Câmara dos Deputados em fevereiro seguinte, quando tiveram início os trabalhos da Assembléia Nacional Constituinte (ANC). Ainda em 1987, participou da Subcomissão dos Estados, da Comissão da Organização do Estado, e foi suplente da Subcomissão dos Negros, Populações Indígenas, Pessoas Deficientes e Minorias, da Comissão da Ordem Social.

Nas principais votações da Constituinte pronunciou-se a favor do rompimento de relações diplomáticas com países com política de discriminação racial, do mandado de segurança coletivo,  da proteção ao trabalho contra a demissão sem justa causa, da unicidade sindical, do turno ininterrupto de seis horas, da remuneração 50% superior para o trabalho extra, do aviso prévio proporcional, da soberania popular, do voto facultativo aos 16 anos, do presidencialismo, da nacionalização do subsolo, da estatização do sistema financeiro, do limite de 12% ao ano para os juros reais, da proibição do comércio de sangue, do mandato de cinco anos para o presidente José Sarney, da limitação dos encargos da dívida externa, da anistia aos micro e pequenos empresários e da desapropriação da propriedade produtiva. Votou contra a pena de morte, a legalização do aborto, a limitação do direito de propriedade privada, a jornada semanal de 40 horas, a criação de um fundo de apoio à reforma agrária e a legalização do jogo do bicho. Após a promulgação da nova Carta em 5 de outubro de 1988, passou a exercer apenas o mandato ordinário.

Tentou a reeleição em outubro de 1990, na legenda do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), mas não obteve sucesso, deixando a Câmara dos Deputados ao final da legislatura, em janeiro de 1991.

Em março deste ano, Ronaldo Carvalho foi nomeado secretário-adjunto de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente do governador mineiro Hélio Garcia (1991-1994), cargo no qual permaneceu até o final de 1993. No ano seguinte, presidiu a Fundação Estadual do Meio Ambiente (Feam). Em 1995, foi designado assessor da presidência das Centrais Elétricas de Minas Gerais S. A. (Cemig), função que exerceu até 1997. No ano seguinte, tornou-se diretor do escritório de representação de Minas em São Paulo. Após deixá-lo, em 1999, retornou a Santa Rita do Sapucaí, onde passou a dirigir o jornal de sua propriedade Minas do Sul.

Fez os cursos de política urbana na UFMG, marketing político na Associação Brasileira de Marketing, de governo e administração municipal no Instituto Brasileiro de Administração Municipal (IBAM) e de ciência política na Universidade de Brasília. Ao longo de sua vida profissional, foi também professor titular de eletricidade na Escola Técnica Federal de Minas Gerais e na Universidade de Itaúna (MG), professor-assistente de administração de pessoal na Universidade Católica de Minas Gerais, diretor do Instituto de Ensino Tecnológico de Minas Gerais (Inetec) e membro-diretor da Associação Mineira de Municípios.

Casou-se com Raquel Valadares Vasconcelos de Carvalho, com quem teve três filhos.

Publicou Desenvolvimento Municipal (1976) e O sul de Minas (1981).

 

FONTES: ASSEMB. LEGISL. MG. Dicionário biográfico; ASSEMB.NAC.CONST. Repertório (1987-1988); CÂM. DEP. Deputados Brasileiros. Repertório (1991-1995); COELHO, J. e OLIVEIRA, A. Nova.

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados