Ruth de Aquino

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: AQUINO, Ruth de
Nome Completo: Ruth de Aquino

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:

AQUINO, Ruth de

*jornalista

 

Ruth de Aquino nasceu no dia 28 de dezembro de 1954, no Rio de Janeiro, então Distrito Federal. Seu pai é advogado e sua mãe se dedica aos afazeres domésticos.

Fez o curso de Comunicação na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ), que concluiu em 1977. Durante sua graduação, em 1974, Ruth Aquino fez um curso na Bloch de Comunicação, tendo passado em primeiro lugar. Isto lhe garantiu a contratação como repórter pela revista Manchete, o que, de acordo com seu depoimento ao CPDOC, ela considera uma excelente experiência, pois lhe deu uma visão global do jornalismo; a relação com o fotógrafo; com a gráfica; o preparo das legendas e os títulos.

Uma vez formada, pediu demissão da Manchete e foi para Londres, onde conseguiu, através de Jader de Oliveira, que trabalhava na Rádio BBC, um trabalho como tradutora. Em seguida, fez concurso e entrou para o staff. Fazia, então, um programa para a BBC chamado “Feminino Plural”, o que a obrigava a ler cuidadosamente os textos que preparava, fazer e editar as entrevistas, além de escolher as músicas a serem utilizadas no programa. Aí permaneceu por três anos, até decidir-se por voltar para o Brasil.

Aqui chegando, procurou um antigo colega da Manchete, Cicero Sandroni, que nesse momento era o editor do “Informe JB”, coluna do Jornal do Brasil. Sua entrada para o jornal foi formalizada no início de 1981, tendo sido contratada para fazer copidesque, o que a deixava subordinada ao secretário de redação, Xico Vargas.

Em seguida Ruth foi para a editoria de Internacional, que nesse período tinha um grande prestígio. Ao lado desse trabalho, assumiu também a responsabilidade pelos editores de repórteres especiais, grupo que trabalhava para todo o jornal, trabalhando as principais matérias do dia-a-dia. Durante este período fez inúmeras matérias sobre temas internacionais, o que a obrigou a viajar para o exterior. Preparou matérias sobre a União Soviética, a Alemanha após a queda do Muro de Berlim, Angola, e África do Sul.

Em 1990 foi chamada para ser a correspondente da Fórmula 1, em Londres, o que lhe deu a oportunidade de cobrir o Grande Prêmio da Grã-Bretanha de Fórmula 1, realizado em Silverstone. No final do ano, contudo, voltou para o Jornal do Brasil, onde permaneceu por mais cinco meses na redação. Nesse período Marcos Sá Correia deixou o jornal, assim como Xico Vargas, que foi ser editor-chefe de O Dia e chamou Ruth para assumir a secretaria de redação. Por seu lado, dois meses depois, era a vez de Marcos Sá Correia ir para o jornal, assumindo a direção.

Neste momento, O Dia, passava por grandes reformas, com a inauguração de um novo parque gráfico, tendo então deixado de ser feito em preto e branco e passando a ser colorido. O novo proprietário, Ari de Carvalho, decidido a transformar o jornal, então muito político, ideológico e sensacionalista em um jornal regional, ligado à comunidade do Rio de Janeiro.

Segundo o depoimento de Ruth de Aquino ao CPDOC, nesta época, O Dia buscou ser o porta-voz dos interesses da população, passando a dar prioridade a temas como saúde e educação, sendo seu intermediário junto ao poder público. Foram criados também suplementos temáticos, que saíam a cada dia, um dia caderno de Imóveis, no outro de Empregos, de Informática, Negócios, de Automóveis. Além disso, foram preparadas edições por regiões do estado do Rio de Janeiro, uma para a Região Norte, outra para a Região Sul, a Região Serrana, a Região Baixada, Niterói e Região Metropolitana. NO período em que esteve em O Dia ela ocuparia, sucessivamente, entre 1996 e 2000 cargos como o de editora-chefe, diretora de multimídia e coordenadora de projetos especiais, tendo sido uma das poucas mulheres a ocupar a direção de uma redação.

Entre 1993 e 1994, Ruth Aquino afastou-se de O Dia, para frequentar o curso de mestrado em mídia na London School of Economics, dele resultando uma tese sobre ética.

Em 2003, com o falecimento de Ary de Carvalho, proprietário de O Dia, a empresa ficou dividida entre as suas três filhas. Nesta ocasião, Ruth deixou o jornal.

Ao longo de sua trajetória profissional, Ruth Aquino foi também editora de projetos especiais da Editora Abril, da qual foi também correspondente em Paris; consultora de multimídia para Ifra, organização baseada na Alemanha e especializada em tecnologia de redações e no novo profissional de jornalismo; e presidente do Forum Mundial de Editoras (WEF) da Wan (Associação Mundial de Jornais), com sede em Paris.

Redatora-chefe e diretora da sucursal do Rio de Janeiro da revista Época, da Editora Globo, na qual, atualmente, é colunista, blogueira e repórter especial.

 

Alzira Alves de Abreu

 

FONTES: Entrevista ao CPDOC da Fundação Getulio Vargas. Rio de Janeiro, 28/08/1997; Imprensa nº 142, Rio de Janeiro, set. de 1997 e ago./set. de 1999; Portal Época. Disponível em: <http://epoca.globo.com>. Acesso em 03/09/2014; Portal Jornalistas e CIA. Disponível em: <http//jornalistasecia.com.br/edicaoespecial112.htm>. Acesso em 03/09/2014; Portal Wikipedia. Disponível em: <Http://pt.wikipedia.org/wiki/Ruth_de_Aquino>. Acesso em 03/09/2014;

 

 

 

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados