Salomão Afonso de Sousa Cruz

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: CRUZ, Salomão
Nome Completo: Salomão Afonso de Sousa Cruz

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:

CRUZ, Salomão

*dep. fed. RR 1995-1999.

 

Salomão Afonso de Sousa Cruz nasceu em Boa Vista no dia 30 de julho de 1949, filho de Jacir de Sousa Cruz e de Santília de Oliveira Cruz. Seu irmão, Getúlio Cruz, foi governador de Roraima de 1985 a 1988.

Transferindo-se para Belém, iniciou em 1971 o curso de geologia na Universidade Federal do Pará, graduando-se em 1975. Entre 1973 e 1975, frequentou também o curso de matemática na mesma universidade, sem contudo concluí-lo. Em 1982, de volta à cidade natal, ingressou na seção local do Departamento Nacional de Produtos Minerais, do Ministério de Minas e Energia, no cargo de geólogo, passando a diretor de 1983 a 1985. Nesse último ano, foi um dos fundadores do Partido da Frente Liberal (PFL) em Boa Vista. Ainda em 1985, assumiu o cargo de diretor de operações da Companhia de Desenvolvimento de Roraima. Em 1986, tornou-se diretor-presidente da empresa, onde permaneceu até 1987.

No pleito de novembro de 1988, elegeu-se vereador em Boa Vista na legenda do PFL. Empossado em março de 1989, foi líder de seu partido em 1990. No pleito de outubro desse ano, já na legenda do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), concorreu a uma vaga na Câmara dos Deputados e obteve uma suplência. Depois de breve passagem pelo diretório regional do PSDB em Roraima, retornou ao PFL em 1991 e assumiu sua vice-presidência em Boa Vista. Entre 1992 e 1993, presidiu a Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara Municipal.

Em outubro de 1994, tornou a se candidatar a uma vaga na Câmara dos Deputados na legenda do PFL. Eleito com votos provenientes em sua maioria de suas bases eleitorais na capital, iniciou o mandato em fevereiro de 1995, retornou ao PSDB e tornou-se membro da Comissão de Defesa do Consumidor, Meio Ambiente e Minorias. Ainda nesse ano, por ocasião da votação das emendas à Constituição a serem regulamentadas por lei, manifestou-se a favor do fim do monopólio estatal das telecomunicações, da Petrobras na exploração do petróleo, e dos governos estaduais na distribuição de gás canalizado; da permissão de operação de embarcações estrangeiras no transporte de cargas e passageiros entre os portos do país; do fim das diferenciações legais entre empresas brasileiras e estrangeiras, e ainda da prorrogação do Fundo Social de Emergência (FSE), rebatizado de Fundo de Estabilização Fiscal (FEF), que permitia que o governo gastasse 20% da arrecadação de impostos sem que essas verbas ficassem obrigatoriamente vinculadas aos setores de saúde e educação. Em junho de 1996, votou a favor da criação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) — que substituiu o Imposto Provisório sobre Movimentação Financeira (IPMF) —, imposto de 0,2% sobre transações bancárias criado como fonte complementar de recursos para a saúde.

Em outubro de 1996, disputou a prefeitura de Boa Vista na legenda do PSDB, mas foi derrotado pelo candidato do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), Otomar Pinto. Ainda nesse ano, apresentou denúncias que deram origem a uma subcomissão da Comissão de Economia, Indústria e Comércio da Câmara que investigou suspeitas de “maquiagem” de produtos e evasão fiscal cometidas por empresas da Zona Franca de Manaus.

Em janeiro/fevereiro de 1997 votou a favor da emenda da reeleição para presidente da República, governadores e prefeitos. Segundo denúncia do Instituto Socioambiental, teria tomado essa decisão, juntamente com os demais integrantes da bancada de Roraima, depois que o governo federal atendeu às reivindicações dos parlamentares que, entre outros pontos, abrangiam a permissão para a exploração por garimpeiros de parte das terras indígenas da reserva de Raposa Serra do Sol; a pavimentação da rodovia BR-174, que liga Venezuela à Amazônia; a exclusão de cinco vilas de garimpeiros do projeto de demarcação de terras indígenas; a implantação da rede de transmissão de energia da estação de Curi, na Venezuela; além de estabilidade para os servidores públicos dos ex-territórios. Também em 1997, foi membro titular das comissões da Amazônia e de Desenvolvimento Regional, de Defesa do Consumidor, Meio Ambiente e Minorias, além das comissões externas sobre Exploração e Comercialização Ilegal de Plantas e Material Genético na Amazônia e sobre o Processo Produtivo Básico da Zona Franca de Manaus. Em novembro, manifestou-se favoravelmente à quebra da estabilidade do servidor público, item da reforma administrativa.

No pleito de outubro de 1998, reelegeu-se deputado federal pelo PSDB. Em novembro seguinte, votou a favor do teto de 1.200 reais para aposentadorias no setor público e do estabelecimento de idade mínima e tempo de contribuição para o setor privado, itens que definiram a reforma da Previdência.

Em janeiro de 1999, deixou o PSDB para se filiar ao Partido Progressista Brasileiro (PPB). Assumiu o novo mandato em 1º de fevereiro de 1999. No dia 8 do mesmo mês, licenciou-se para assumir a Secretaria de Agricultura no segundo governo de Neudo Campos, e seu lugar na Câmara foi ocupado por Elton Rohnelt. Deixou a secretaria em maio de 2000 e retomou seu mandato de deputado. No ano seguinte, transferiu-se para o PFL.

Renunciou em dezembro de 2002 para assumir, no ano seguinte, o mandato de vice-governador do Estado de Roraima na gestão de Francisco Flamarion Portela, do Partido Social Liberal (PSL). Em agosto de 2004, ambos, governador e vice, tiveram seus mandatos cassados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), por cinco votos contra dois, acusados de obter vantagem eleitoral com a concessão de benefícios sociais. Por força da decisão, assumiu o governo o segundo colocado da eleição, Ottomar Pinto (PTB).

Nas eleições de 2006, Salomão Cruz foi candidato a deputado estadual, já agora na legenda do Partido Liberal (PL), mas não foi eleito.

Casou-se com Maria Luísa de Moura Cruz, com quem teve três filhos.

Publicou Anais do simpósio intergoianas (1984) e vários trabalhos sobre geologia econômica e regional, mineração, meio ambiente, garimpo e a questão indígena na Amazônia.

Verônica Veloso/Vítor Gomes

 

FONTES: CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertórios (1995-1999, 1999-2003); Folha de S. Paulo (31/1/95, 14/1 e 10/12/96); Folha de S.Paulo (online). Disponível em :  <http://www1.folha.uol.com.br>. Acesso em : 19 out. 2009; Globo (16/5/97); INF. BIOG; Portal da Câmara dos Deputados. Disponível em : <http://www.camara.gov.br/>. Acesso em : 19 out. 2009.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados