SERRAGLIO, Osmar

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: SERRAGLIO, Osmar
Nome Completo: SERRAGLIO, Osmar

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
ALMEIDA, MARCELO

SERRAGLIO, Osmar

*dep.fed. PR 1999-

 

                Osmar José Serraglio nasceu em Erechim (RS) no dia 23 de maio de 1948, filho de Vergílio Fernando Serraglio e de Maria Adriana Serraglio.

                Frequentou o curso de direito pela Faculdade de Direito de Curitiba entre os anos de 1967 e 1971, formando-se neste último ano. Após formar-se exerceu a advocacia e deu aulas no interior do estado do Paraná. Em 1973, simultaneamente a suas atividades profissionais, foi eleito presidente da associação dos professores da cidade de Umuarama (PR) exercendo o cargo até 1975. Nos anos seguintes continuaria a atuar em associações de classe tornando-se secretário da subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Umuarama, entidade da qual se tornou vice-presidente entre 1987 e 1992. Iniciou suas atividades políticas em 1978 filiando-se ao Movimento Democrático Brasileiro (MDB), partido de oposição ao regime militar brasileiro implantado em abril de 1964.

A partir do início da década de 1980 Serraglio tornou-se professor de Direito Administrativo na faculdade de direito da Universidade Paranaense (Unipar) de Umuarama, tornando-se diretor administrativo da instituição em 1986. Entre os anos de 1984 e 1986 cursou mestrado em direito do estado na Pontifícia Universidade Católica (PUC) de São Paulo, tendo ministrado aulas de direito administrativo na mesma universidade enquanto cursava a pós-graduação. Ainda em 1986 foi bolsista do governo da Holanda no curso de finanças públicas freqüentando com estágios na Alemanha e Suécia e em outros países europeus. Em 1990 concluiu a especialização em processo civil pela Unipar. Nesse período foi ainda assessor jurídico de várias prefeituras no interior do Paraná, ao mesmo tempo em que se dedicava a suas atividades profissionais no estado.

No pleito de outubro de 1992 elegeu-se vice-prefeito da cidade de Umuarama na chapa de Antonio Romero Filho do PMDB, assumindo o mandato em fevereiro do ano seguinte e permanecendo no cargo até 1996. Nas eleições de outubro de 1994 foi candidato a deputado federal pelo PMDB obtendo apenas uma suplência. No ano seguinte tornou-se coordenador regional do PMDB no Paraná e em 1998, já após afastar-se da vice-prefeitura de Umuarama, tornou-se membro do diretório municipal do PMDB nesta cidade e do diretório estadual do partido no estado.

Em outubro de 1998 candidatou-se novamente a uma cadeira de deputado federal pelo PMDB elegendo-se com 59.574 votos. Nessa legislatura além de integrar a Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania, ocupou o cargo de vice-líder do bloco PMDB/PTN (Partido Trabalhista Nacional) entre os anos de 2000 e 2001, tendo sido eleito vice-líder do PMDB na Câmara dos Deputados a partir deste último ano. Nas votações ocorridas em plenário, votou a favor do fim dos juízes classistas, da manutenção da CPMF, da demissão dos servidores públicos por insuficiência de desempenho, da proibição do nepotismo, e do fim da imunidade parlamentar para os deputados processador por crime comum.

No pleito de outubro de 2002 reelegeu-se deputado federal pelo PMDB com 101.019 votos, assumindo o mandato em fevereiro do ano seguinte. Durante o exercício deste mandato, dentre outras atividades, foi o relator da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) da Reforma Tributária e de outras PECs importantes, tais como a do número de vereadores, de reforma do judiciário, e de regulamentação de medidas provisórias. Foi também membro da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania e suplente na Comissão de Educação e Cultura.

Ao longo do ano de 2005 Serraglio teve intensa atuação na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) criada para investigar as denúncias de corrupção e desvio de verbas em empresas estatais, particularmente na Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, que ficou conhecida como “CPMI dos Correios”. Logo após a instalação da CPMI em junho de 2005 e o início de seus trabalhos o foco das investigações deslocou-se para a existência do "mensalão", suposto esquema de desvio de verbas públicas destinado ao pagamento mensal a deputados da base aliada pelo governo em troca de apoio parlamentar, denunciando pelo deputado federal Roberto Jefferson (PTB/RJ). As acusações se prolongaram durante todo o ano de 2005 envolvendo vários integrantes do primeiro e segundo escalões do governo Lula e provocando grave crise política. Durante os trabalhos da CPMI Osmar Serraglio foi eleito relator da comissão, tornando-se amplamente conhecido pela opinião pública ao coordenar os depoimentos de várias autoridades governamentais envolvidas no caso transmitidos em cadeia nacional pela TV Câmara. Em seu relatório final, aprovado por 17 votos contra 4 em abril de 2006 e que incorporou várias das sugestões de Serraglio, a CPMI reconheceu que houve o pagamento de propina a parlamentares para que eles trocassem de partido ou para que apoiassem o governo nas votações de matérias na Câmara dos Deputados, e recomendou ao ministério Público o indiciamento de cem pessoas, entre elas os ex-ministros José Dirceu (PT/SP) e Luiz Gushiken (PT/SP), os empresários Marcos Valério Fernandes de Souza e Duda Mendonça, o senador Eduardo Azeredo (PSDB/MG), os ex-integrantes da cúpula petista José Genoíno, Delúbio Soares, Sílvio Pereira e Marcelo Sereno, 18 deputados ou ex-deputados acusados de receber o "mensalão" e diversas outras pessoas ligadas às fraudes ocorridas nas estatais e nos fundos de pensão.

No pleito de outubro de 2006 reelegeu-se para seu terceiro mandato consecutivo de deputado federal pelo PMDB com 149.673 votos. No mesmo dia da posse na nova legislatura, em 01 de fevereiro de 2007, foi eleito primeiro secretário da Câmara dos Deputados com 249 votos, derrotando o deputado Wilson Santiago (PMDB/PB) que obeteve 180 votos. Sua candidatura a esse cargo foi registrada de forma avulsa à revelia da da bancada do PMDB, que tinha indicado Wilson Santiago para concorrer ao porto pelo partido. Ocupou o cargo na primeira secretaria da Câmara por dois anos, encerrando seu mandato em fevereiro de 2009. Durante sua gestão aprofundou o processo de modernização da casa legislativa promovido por administrações anteriores, investindo maciçamente na aplicação de novas tecnologias de informação e comunicação para a divulgação dos trabalhos parlamentares, e no aperfeiçoamento do Portal da Câmara dos Deputados, que em estudo publicado em abril de 2007 foi considerado o melhor portal legislativo da América do Sul e um dos mais completos do mundo. Ainda em sua gestão, várias informações importantes sobre a atuação dos parlamentares tais como gastos com verbas indenizatórias e outras passaram a ser disponibilizados à população pela internet aumentando assim a transparência parlamento brasileiro, juntamente com outros programas. Em setembro de 2007 Serraglio foi considerado um dos deputados mais influentes do Brasil em eleição realizada pelo site Congresso em Foco, sendo um dos dois parlamentares paranaenses indicados pelo público juntamente com o deputado Gustavo Fruet do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB).

Em janeiro de 2009, tentou se eleger para a presidência da Câmara dos Deputados através de uma candidatura avulsa divergindo de seu partido, que lançara a candidatura de Michel Temer (PMDB/SP) para o cargo. Entretanto, um dia antes do pleito, realizado em 02 de fevereiro do mesmo ano, desistiu de registrar a candidatura devido a pressão política de inúmeras lideranças peemedebistas, abrindo o caminho para a vitória de Temer nas eleições para a presidência da casa. Após a retirada da candidatura, concentrou sua atividade parlamentar nos trabalhos da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara, onde foi membro titular, tendo integrado ainda a Comissão Parlamentar Conjunta do Mercosul e a Comissão de Educação e Cultura. Em março de 2009, se tornou Vice-Líder do Bloco PMDB, PTB, PSC (Partido Social Cristão) e PTC (Partido Trabalhista Cristão).

FONTES: http://www2.camara.gov.br/ (último acesso em 12/10/2009); http://www.tse.gov.br/ (último acesso em 12/10/2009); http://www.parana-online.com.br/ (último acesso em: 12/10/2009); http://www.folha.uol.com.br/ (último acesso em: 12/10/2009); http://www.bonde.com.br/folhadelondrina/ (último acesso em: 14/10/2009); http://veja.abril.com.br/ (último acesso em: 14/10/2009); http://www.terra.com.br/istoe/  (último acesso em: 14/10/2009); http://www.vigilantesdademocracia.com.br/ (último acesso em: 14/10/2009);  http://congressoemfoco.ig.com.br (último acesso em: 14/10/2009); http://www.congressoaberto.com.br (último acesso em: 14/10/2009). 

 

 

 

 

 

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados