SILVA, ADERBAL RAMOS DA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: SILVA, Aderbal Ramos da
Nome Completo: SILVA, ADERBAL RAMOS DA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
SILVA, ADERBAL RAMOS DA

SILVA, Aderbal Ramos da

*const. 1946; dep. fed. SC 1946-1947; gov. SC 1947-1948 e 1950-1951; dep. fed. SC 1955-1959.

 

Aderbal Ramos da Silva nasceu em Florianópolis no dia 18 de janeiro de 1911, filho do desembargador João Pedro da Silva e de Raquel Ramos da Silva. Sua mãe era a filha mais velha de Vidal José de Oliveira Ramos, patriarca da família Ramos, deputado provincial no Império, governador de Santa Catarina de 1902 a 1905 e de 1910 a 1914 e deputado federal e senador por esse estado. Seu tio Nereu Ramos foi deputado federal e senador por Santa Catarina, governador e interventor federal no estado de 1935 a 1945, vice-presidente da República de 1946 a 1951 e presidente de 1955 a 1956. Seu outro tio, Joaquim Ramos, foi deputado federal de 1947 a 1971, e Celso Ramos, também seu tio, governou Santa Catarina de 1961 a 1966 e foi senador por esse estado de 1967 a 1975. Seu primo Hugo Ramos Filho, foi senador pelo Rio de Janeiro de 1978 a 1983. Três outros membros de sua família também se destacaram na política catarinense: Saulo Ramos cumpriu mandato na Câmara Federal de 1951 a 1955 e foi eleito senador para o período de 1955 a 1963; Aristiliano Ramos foi interventor no estado entre 1933 e 1935; e Cândido de Oliveira Ramos foi interventor em 1932, senador em 1935 e deputado federal entre 1935 e 1937.

Aderbal Ramos da Silva concluiu o curso de humanidades no Ginásio Catarinense, dirigido por jesuítas, em Florianópolis, bacharelando-se em março de 1932 em ciências jurídicas e sociais pela Faculdade de Direito da Universidade do Brasil, no Rio de Janeiro, então Distrito Federal.

Voltando a Santa Catarina, ingressou na política, levado por Nereu Ramos, como diretor do diário República, órgão doutrinário do Partido Liberal Catarinense (PLC). Tornou-se militante destacado do partido, elegendo-se presidente do seu diretório municipal em Florianópolis. Em 1933 foi nomeado pelo presidente Getúlio Vargas primeiro inspetor federal de ensino junto à Faculdade de Direito de Santa Catarina, cargo que também exerceu no Ginásio Catarinense. Em outubro de 1934 foi eleito deputado à Assembléia Constituinte de Santa Catarina na legenda do PLC, assumindo o mandato em maio de 1935. Participou dos trabalhos constituintes e, após a promulgação da nova Carta estadual, em agosto de 1935, passou a exercer o mandato ordinário, tornando-se segundo-secretário do Legislativo catarinense. Permaneceu na Assembléia até o dia 10 de novembro de 1937, quando o advento do Estado Novo (1937-1945) suprimiu todos os órgãos legislativos do país. Nereu Ramos, que havia sido eleito governador em 1935, passou a interventor federal no estado e, em 1942, Aderbal Ramos da Silva ingressou na firma Carlos Hoepcke.

Com a redemocratização do país e o fim do Estado Novo, elegeu-se no pleito de dezembro de 1945 deputado à Assembléia Nacional Constituinte por Santa Catarina, na legenda do Partido Social Democrático (PSD). Empossado em fevereiro de 1946, participou dos trabalhos constituintes e, após a promulgação da nova Constituição, em 18 de setembro de 1946, passou a exercer o mandato ordinário. Em janeiro de 1947 foi eleito governador de Santa Catarina, com 95.740 votos, pela coligação formada pelo PSD e o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), derrotando o candidato udenista Irineu Bornhausen, que obteve 81.313 votos. Empossado em março de 1947, após deixar a Câmara Federal, licenciou-se do cargo de abril de 1948 a janeiro de 1950, sendo substituído pelo presidente da Assembléia Legislativa, José Boabaid, pois ainda não havia sido criado o cargo de vice-governador.

Durante seu governo foram realizadas duas reuniões econômico-agrícolas: a primeira em maio de 1947, em Florianópolis, e a segunda em março de 1949, durante seu período de licença, em Lajes. Com base nas deliberações dessas reuniões apoiou as recomendações técnicas sobre o cultivo do trigo, garantiu e estimulou o funcionamento do curso de aperfeiçoamento Teixeira de Freitas, que preparava estatísticos auxiliares, e criou o Serviço Florestal de Santa Catarina. Dedicou especial atenção ao ensino público, consolidando a reforma da escola primária iniciada por Nereu Ramos, principalmente no aspecto relacionado à nacionalização do ensino, e incentivou o produtor rural a se interessar pelo desenvolvimento tecnológico existente. Terminou seu mandato em janeiro de 1951, sendo substituído por Irineu Bornhausen, eleito em outubro de 1950, e passando a se dedicar integralmente às atividades empresariais.

Em outubro de 1954 foi eleito deputado federal por Santa Catarina na legenda da Aliança Social Trabalhista, coligação formada pelo PSD e o PTB, assumindo o mandato em fevereiro do ano seguinte. Com o fim de seu mandato em 31 de janeiro de 1959, deixou a Câmara Federal, não mais se candidatando a cargos públicos.

A partir de então, passou a desenvolver intenso trabalho de bastidores na política catarinense. No pleito de novembro de 1982 apoiou o candidato do Partido Democrático Social (PDS) ao governador de Santa Catarina, Esperidião Amin, finalmente eleito. Apoiou também a candidatura de Paulo Maluf à presidência da República no pleito indireto de janeiro de 1985, vencido por Tancredo Neves.

Um dos mais destacados banqueiros do sul do país, foi diretor-presidente do Banco Paraná-Santa Catarina e da firma Carlos Hoepcke, detentora do maior parque industrial de Florianópolis. Foi, também, sócio-fundador da Companhia Cacique de Café Solúvel, da qual tornou-se vice-presidente. Foi, também proprietário do jornal O Estado, diário mais antigo de Santa Catarina, e da Rádio Guarujá, de Florianópolis.

Faleceu em Florianópolis no dia 13 de fevereiro de 1985.

Era casado com Rute Hoepcke, com quem teve duas filhas.

 

FONTES: CABRAL, O. Breve; CABRAL, O. Era; CABRAL, O. História; CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Relação dos dep.; Constituinte; Encic. Mirador; Grande encic. Delta; JAMUNDÁ, T. Catarinenses; Jornal do Brasil (5/2/76 e 14/2/85); RICHARD NETO, G. Homens; SILVA, G. Constituintes; SOARES, E. Instituições; Veja (20/2/85).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados